Último Capítulo - Adios Panaca!



"You will know
When I go
You will see
Exist to exit"


Sabe quando a coisa tá ruim, mas você sabe que pode ficar pior? E vai ficar pior? Muito pior? Então, essa era uma dessas situações, nunca queiram ficar como estou agora. Acho que me sentia pior, por não saber aonde estava, o fato de estar preso nem me incomodava (tanto), mas saber que estava, agora, mais perdido do que antes, era o pior.

- Albano, por favor deixe-nos a sós. - Falou o cara atrás da mesa para o homem de sobre-tudo em pé ao seu lado.

Ele passou por mim e pude sentir seu olhar me fuzilando, como se quisesse me matar ali mesmo da forma mais cruel possível. Ouvi o som de uma porta se fechar com certa violência, logo em seguida o cara sentado na mesa a minha frente pigarreou alto chamando minha atenção para ele.

- E então vai dizer o que quer comigo e quem diabos é você? - Perguntei, mesmo preso ainda mantendo a arrogância.
- O que quero de você? - Perguntou com ar irônico - Veja bem, você é uma pessoa muito importante... importante demais para permanecer vivo, por isso vou matá-lo!
- Ah era só isso? - Retruquei mantendo a ironia - Se era só isso, por que não falou antes? Eu mesmo faria o serviço!
- Auto sacrifício.. Isso seria realmente louvável, mas infelizmente as coisas não funcionam tão facilmente quanto pensa, não estamos falando de boas ações divinas, mas sim de prazer pessoal.
- Acho que entendi, você quer me matar só pelo prazer de saber que foi você quem me matou?
- Não exatamente. Entenda uma coisa, você é perigoso demais para continuar existindo.
- Como assim?
- Não é algo que vá entender com certa facilidade, sua mente humana é limitada demais para entender certas coisas que estão além de sua compreensão, explicando melhor, vocês não crêem naquilo que não pode ser provado pela sua ciência ou por dogmas teológicos ultrapassados.
- Falou, falou e não disse nada que preste.
- Deixe de ser tão arrogante! Se não percebeu, existem coisas muito maiores do que você envolvido nisso.
- Que tipo de coisas? Fale logo?
- Vamos direto ao ponto então, tenho uma proposta a lhe fazer, isso é claro se quiser continuar vivo e bem.
- E qual proposta seria essa... - Falei com ar de tédio.
- É simples, trabalhe para mim, não questione nada, faça tudo que for mandado, e viva como um rei. Recuse e...
- Já sei, morra da pior forma possível, com muito sofrimento todo aquele blablabla de sempre. - Interrompi.
- Não! Você vai continuar vivo, mas irá sofrer muito, até que aceite a oferta de bom grado.
- Ha, ha, ha. - Ri com muito deboche - Se eu estivesse com minhas mãos livres, eu te daria a resposta adequada, mas se você quiser pode olhar ali a trás a minha resposta!

A fúria no rosto dele evidente e bem clara, ele bateu na mesa com força, se levantou e veio até mim. Ele me olhou por alguns instantes e levantou a minha cabeça, puxando meus cabelos com muita força, me olhou mais uma vez e me deu um tapa com as costas da mão. Aquilo me deixou com muita raiva, mas apenas pude ficar puto e tentar me mexer inutilmente. Ele ainda me bateu umas outras duas vezes na cara e mais outras vezes no resto do corpo. Senti minha boca inchar e sangue escorrer o que só fez aumentar ainda mais a minha raiva.
Ao ver a raiva estampada em meu rosto, ele gargalhou alto, com uma satisfação sádica no rosto. Ele foi até um dos cantos da sala aonde tinha uma pequena geladeira, pegou uma garrafa e encheu um copo que estava em cima de pequena geladeira. Bebeu de um gole só e fez uma careta, mas tornou a encher o copo, só que desta vez deu apenas um pequeno gole. Pôs calmamente a garrafa em cima da geladeira, ao lado do copo e fechou-a logo em seguida. Ele foi calmamente até a sua mesa, pegou a cadeira em que sentava e colocou bem na minha frente. Depois pegou a garrafa e copo e se sentou confortavelmente em sua cadeira, deu mais um gole e se inclinou para frente. Ele me olhou mais uma vez, com um sorriso idiota na cara e jogou um pouco da bebida em mim e fiquei com a camisa toda molhada.

- Ta com a pontaria ruim! Minha boca fica um pouco mais em cima! - Falei provocando.
- Na saberia se não tivesse dito.

Ele parecia farto com esse jogo, bebeu o resto do que estava no copo e jogou a garrafa para outro lado. Ele levantou com raiva, empurrando a cadeira para trás com tanta força, que a cadeira tombou sonoramente. Foi até a parte de trás da mesa e pegou uma arma, engatilhou e veio andando rapidamente apontando para minha cabeça. Ele apertou ela conta a minha testa e pude ver que seu tambor estava carregado.

Vista de dentro de um cano de uma arma.

- Essa arma está muito bem carregada com seis cartuchos de ponta oca, sabe o que isso significa? Um tiro e sua cabeça estará espalhada por toda essa sala. E então. vai aceitar a minha proposta ou não?

Estranhamente não senti medo nem nada, só senti uma estranha vontade de rir, mas a única coisa que fiz, foi olhar bem friamente para ele . Foi quando aconteceu o que eu menos esperava a porta a trás de mim se abriu com um violento estrondo, enchendo a sala de muita luz. O cara que estava a minha frente tomado pela surpresa tirou a arma da minha cabeça, mas mesmo sem estar com medo, ficou bem aliviado, pois aquela não era uma situação das mais confortáveis. Mas antes que pudesse pensar em alguma coisa, ou tentar entender o que acontecia, senti meus braços e pernas ficarem livres, quase cai de cara no chão mas ainda bem que meus braços foram mais rápidos. Para minha surpresa, meu pretenso algoz estava bem mais recuado com uma expressão de perplexidade no rosto.
Mas antes que pudesse tentar me levantar, alguém fez isso por mim e para maior surpresa minha era o mesmo cara que tinha invadido meu apartamento e me avisado para fugir, o mesmo que me deu a -passagem de trem e o lanche. Ele continuava com a mesma calça marrom com suspensórios, o cabelinho "boi lambeu" e a mesma cara de safado.

- Valeu pela ajuda, mas o que você ta fazendo aqui?
- Vim te ajudar oras! respondeu ele com um tom de voz animado e um sorrisinho bem safado na cara.
- Obrigado, mas só me tira uma duvida quem é você?
- Seu anjo da guarda oras!

Meu queixo foi no chão quando ouvi isso e fiquei com mais cara de bocó do que o cara que queria me matar. E me surpreendi ainda mais quando vi um espectro do que seriam asas, saindo das costas do meu pretenso anjo. Mas antes que pudesse fazer qualquer coisa, vi arma novamente ser apontada para mim e o gatilho ser disparado, mas o meu anjo se colocou na frente com uma velocidade impressionante. Ele ainda jogou a bala para mim, falando para que eu guardasse de recordação e me mandou sair dali o mais rápido que pudesse. Nem pensei duas vezes, corri em direção ao corredor, mas não sem antes mostrar a resposta que quis dar antes para meu pretenso assassino.
Assim que sai de lá aos tropeços, pois era difícil correr depois de tanto tempo preso, mas para minha sorte tinha um elevador logo depois do corredor. Assim que entrei, apertei com força o botão do térreo. O elevador era bem rápido, mesmo estando no último andar pelo que vi, cheguei em menos de um minuto no térreo. Pelo visto minha chegada não era algo esperado e assim que me pus a correr, alguns dos que estavam no salão de entrada me seguiram, corri o mais rápido que pude, assim que sai do prédio virei a esquerda e ouvi um tiro, instintivamente me abaixei, mas mesmo assim continuei a correr tanto quanto pude.
Entrei em algumas ruelas estranhas, até me deparar com um lugar que mais parecia um estacionamento de motos. Subi na primeira que vi e tentei ligar, mas ai me dei conta de que não tinha a chave, não sabia fazer ligação direta e muito menos sabia andar de moto. Foi quando ouvi alguém me chamar e levei outro susto.

Dragus

- Sobe ae cara! - falou um velho amigo que estava montado num triciclo.
- O que você ta fazendo aqui? - Perguntei mais perplexo que antes.
- Sobe logo, antes que alguém te encontre.

Nem pensei duas vezes, subi e ele arrancou logo em seguida tomando a direção da qual eu vim. Meus perseguidores estavam logo a frente ele atropelou pelo menos uns três sem pena e eu ri muito com isso.

Vinte minutos depois estávamos bem longe dali, ele me explicou que o meu anjo da guarda, com ele se alto intitulava, procurou ele e disse que eu ia precisar de uma carona, pois provavelmente estaria sendo seguido e precisaria fugir o mais rápido possível. Sentado numa das mesas da Taverna do Joe, contei a ele que aconteceu comigo até ali, ele ficou bem surpreso com tudo que houve e demos muitas gargalhadas com tudo o que aconteceu, pois depois que tudo passa, fica mais fácil lidar com a situação. Meu único problema, seria quando a reformar meu apartamento, mas meu amigo me disse, que peritos tinham ido no prédio, pouco depois da explosão e rapidamente constataram que a explosão se deu por causa de um vazamento de gás, e a companhia que fez as instalações teria de arcar com os prejuízos. Pelo que ele me contou, já tinha se passado mais ou menos dois dias depois da explosão.
Depois de enchermos um pouco mais a cara decidimos ir embora, Joe me falou aonde ficava a estação de trem, pra que pudesse voltar para a cidade, pois recusei a carona do meu amigo, pois queria ficar um tempo só comigo mesmo e refletir um pouco, mas aceitei o convite de ficar na casa dele um tempo enquanto o meu apartamento era reformado.


Finalmente a viagem de volta...

__________________________

Agradecimento a quem merece:

1 - Valeu Francis por ter sugerido o título do conto.
2 - Valeu Ricardo, por ter cedido o espaço no blog para poder postar o conto, pois sem isso teria de amargar no fotolog e teriam muitos mais capítulos o que tornaria a estória bem chata e massante.
3 - O brigado a quem leu e acompanhou até o fim, tendo gostado ou não.

Outra coisa sabe os trecho que eu sempre coloco antes de cada capítulo? Eles são trechos de algumas músicas, agora vocês vão saber quais são elas:

"Running, scrambling, flying

Rolling, turning, diving
Going in again"
Aces High - Iron Maiden

“Fight, You Gotta Fight
All Through The Night
So You Might Live Forever
Shout, You Gotta Shout, Try To Be Proud
That You Might Live Forever, Ohhhh”

Fight - Metalium

I'm on the highway to hell
I'm a highway to hell
Highway to hell
I'm on the highway to hell”
Highway To Hell - AC/DC

“Vamos Necrosar por aqui
Bebendo tudo até cair
Na árvore da montanha O-Le-Igaho!
Vamos beber tudo”
Piratas do Metal - Shapt

Flashbacks, panic attacks
Death raising it’s ugly face at me.
Got to make it stop
Can’t take it anymore
Death’s face is haunting me
Because he’s coming back for more!"
Eyes Of The Insane - Slayer
“Ooooooooooooooo na cara
Reto que arrebenta o nariz
Essa noite vai dormir feliz

Pé na porta e soco na cara”
Pé Na Porta Soco Na Cara - Matanza

"Essa é a lição
que se aprende quando nasce
Lutar, matar!
Lutar, matar!
"
Lutar Matar - Olho Seco (mas só conheço a versão do Korzus)

"You got to watch them - Be quick or be dead
Snake eyes in heaven - The thief's in your head
You've got to watch them - Be quick or be dead
Snake eyes in heaven - The thief's in your head....
Be quick!
Or be dead!
Be quick!
Or be dead!
"
Be quick Or Be Dead - Iron Maiden.

"You will know
When I go
You will see
Exist to exit"
Exist To Exit - Arch enemy

2 comentários:

  1. Que isso... Faltaram algumas mortes nesse seu conto. =p

    *o sanguinário*

    Cara, agradecimento por agradecimento eu que tenho quem agredecer por ter aceitado o convite. =p

    De qqr forma, valeu pela consideração e pela lembrança.

    E que venha o próximo.

    ResponderExcluir
  2. Faltou uma pitada de sangue mas ta muito bom =)

    Quanta rasgação de seda vcs duas em hauhauhaua

    ResponderExcluir

Cuidado com sua postura ao comentar:
A responsabilidade pelas opiniões expostas nessa área é de de seus respectivos comentaristas, não necessariamente expressando a opinião da equipe do Pensamentos Equivocados.