Acidente do avião da TAM - Uma tragédia (há muito) anunciada.

Nessa última semana o assunto da vez é o trágico acidente com o avião da TAM, que vitimou quase duas centenas de pessoas. Muito se fala sobre problemas na pista, defeitos mecânicos, falha do piloto, culpa do governo.... Em fim, muito ainda se fala, mas pouco se sabe sobre o que realmente pode ter causado o fatídico acidente, mas uma coisa é certa: um dia algo de ruim ia acontecer naquele aeroporto.

O aeroporto de Congonhas foi inaugurado em 1936, época ele ficava e uma área vazia, praticamente isolada, mas a cidade foi se expandindo, várias construções começaram a ser feitas em sua volta, muitas até próximas de mais do aeroporto.


Vejam pelas imagens que não havia nada a volta do aeporto durante sua construção


Em 1996 ocorreu um acidente com um avião Fokker 100 da TAM, matando 99 pessoas, na ocasião foi descoberto que o ocorrido se deu por falha mecânica. O avião decolou a pista de Congonhas e caiu no bairro Jabaquara, há dois quilômetros de distância da pista de decolagem, após atingir com a asa direito um prédio de dois andares. Na época o governo de Fernando Henrique foi constantemente cobrado pelo atraso na liberação do laudo sobre as causas do acidente, que só saiu em dezembro do ano seguinte, mas mesmo assim as autoridades ainda foram acusadas de se negarem a divulgar o as causas do acidente.
Agora onze anos depois, vemos outra tragédia, mais cobranças ao governo e podemos esperar mais atraso na divulgação da real causa do acidente (se esta vier a ser divulgada). MAs vale lembra que na época, passado-se quase um ano do acidente, nem mesmo o laudo preliminar havia sido divulgado.

Com tantas construções a sua volta, e uma acidente grave no currículo, era óbvio que algo de ruim iria acontecer novamente mais cedo ou mais tarde. Não adianta agora ficarmos culpando o governo pelo caos aéreo, nem por falta de condições de condições técnicas na pista, culpar a empresa aérea por falhas técnica, nada disso adianta. O verdadeiro culpado pelo acidente de quase onze anos atrás e o deste ano, são na verdade os governos e as prefeituras anteriores de São Paulo, que em seus determinadas épocas nada fizeram para impedir o avanço da cidade para próximo do aeroporto.

É inegável pelas imagens já divulgadas pela mídia sensacionalista, manipuladora e exploradora, que o avião estava rápido demais. A pista realmente esta sem o tal do grooving (ranhuras para o escoamento da água), mas nada disso teria acontecido, mesmo com as condições a cima, se não houvessem prédios a volta do aeroporto, nem tão próximos dele.

Os moradores do entorno do aeroporto se dizem amedrontados por causa do acidente e pedem que algo seja feito quanto ao aeroporto, como se o aeroporto fosse o culpado de estar lá, sendo que quem está errado nesta estória são todos aquele que tiveram a idéia de construir em volta dele.

Enquanto esse aeroporto não for fechado e desativado de uma vez por todas, essa não será a última vez que seu nome será estampado nas capas de jornais, por conta da tragédia alheia, já retirar todas as pessoas e empresas que estão a sua volta seria inviável.

Até a próxima!

10 comentários:

  1. Sem comentários essa tragédia !!! Meu namorado mora em Moema, do lado do aeroporto, imagina !!!!!

    será que alguém vai tomar uma providência, ou mais vidas se vão ?????

    :(

    ResponderExcluir
  2. É foi um acidente trágico...todas ás vezes que cheguei em SP em um avião em congonhas chuvendo sempre dava algum problema o piloto sempre tem dificuldades nesse aeroporto incrível..

    ResponderExcluir
  3. Por outro lado é difícil impedir que haja uma cidade há volta. Poderia pelo menos não haver prédios tão perto. Talvez assim já melhorasse um pouco;


    http://cocogelado.com

    ResponderExcluir
  4. Puxa, pensei a mesma coisa: como pode construir casas logo ao fim duma pista de aeroporto???? Juro que acho que estou ficando esclerosada, pq não entendo mais nada neste país.

    bj

    ResponderExcluir
  5. Aki em BH diminuíram a quantidade de vôos no Aeroporto da Pampulha justamente por estar em uma área bem habitada. No início algumas pessoas não compreendiam, agora se torna nítido o porquê dessas atitudes.

    Agora... é incrível que teve uma tragédia em 96 e nada foi feito para mudar a situação. O que mais será preciso acontecer?

    ResponderExcluir
  6. Quando o presidente foi se pronunciar, eu tava crente que ele iria desativar o aeroporto, mas inacreditávelmente, continua nas soluções de meia tijela, nem mesmo demitir pessoas ele não foi capaz, mas sim condecorar agentes da Anac..
    brasil brasileiro mulato fagueiro onde vai parar esse país sem vergonha..

    uhsauhsa!??! tem q rir pra não chorar..

    ResponderExcluir
  7. o acidente mais comentado da blogosfera!!!...

    mas é um absurdo mesmo terem residencias tão proximas de aeroportos... questão de burrice dos donos dos imoveis e dos responsaveis pelo aeroporto!!!

    ResponderExcluir
  8. Estou solidário com o povo brasileiro neste momento tão TRÁGICO. A vida só nos permite dois termos: a felicidade ou a infelicidade. Desta vez, quem mandou foi a segunda. Que a vida continue feliz para os que ficam.

    David Santos

    ResponderExcluir
  9. Que foi uma grande tragéda anunciada, isso foi. erro de 50, 40 anos que os brasileios querem a força que um presidente, em apenas 3 anos de governo concerte. Quem estava lá mesmo na tragedia do Fokker 110? Ah... era o Lula...

    Gostei da parte que vc falou "É inegável pelas imagens já divulgadas pela mídia sensacionalista, manipuladora e exploradora..."

    Parece o Paulo henrique Amorim falando! Ah! meme finamente respondido.

    ResponderExcluir
  10. é foda essas coisas.....tp..alem da crise nos aeroportos ainda acontece isso

    a culpa doi da pista q não tinha as ranhuras para escorrer a agua....aí o avião não paro....foi indo ate bater


    abraço

    ResponderExcluir

Cuidado com sua postura ao comentar:
A responsabilidade pelas opiniões expostas nessa área é de de seus respectivos comentaristas, não necessariamente expressando a opinião da equipe do Pensamentos Equivocados.