Deputados reclamam de rigor com faltas... ???

Voltando a postar depois de uma semana de mudança de sexo mal sucedida, onde somente após o final de Julho ou início de agosto poderei voltar ao meu ritmo de vagabundo normal. E no meio desse interim também faço curso pra tirar cochilos certificados que preciso para fazer alguns concursos públicos. Espero que os certificados valham algo servem pra limpar o c... no banheiro, pois são da Estácio a universidade dos analfabetos.

Em breve e bota breve nisso vou postar o conto que se passa na Segunda Guerra, já tenho dois capítulos prontos, e quando tiver conseguindo escrever num ritmo decente de mês em mês, colocarei aqui... Sem mais delongas, o post:


Nossos pobres deputados ladrões, que trabalham muito pouco e ganham pouco milhões, diga-se de passagem, que não roubam um tostão sequer apenas tomam emprestado de amigos, que nunca deixam de pensar nos pobres brasileiros morrendo nos hospitais por isso estão sempre rindo e que estão presentes sempre em nossas vidas precisamos xingar alguém... querem que suas faltas sejam punidas com menos nenhum rigor, aliás, querem que seja equivalente as faltas dos trabalhadores de verdade.

Tomara que determinadas coisas que são deveres e punições do trabalhador, como o abandono de emprego, onde após um determinado número de faltas do mês é demitido, o tradicional "você não se enquadra mais ao perfil da empresa", poderia ser aplicado a nosso congresso como um todo, onde todos seriam demitidos por justa causa pois queremos empregados honestos.

Poderia ser aplicada também aquela regra dos concursos públicos onde se houver qualquer suspeita ou sujeira na sua ficha, você não entra e perde a vaga. Independentemente de qualquer justificativa. Afinal de contas, se eles querem que suas faltas sejam com base nos trabalhadores de verdade, eles os trabalhadores sem vergonha também deveriam ser propensos as punições.

Mas tratando-se de Brasil, e do Pan, provavelmente a lei passa quando ganharmos nosso primeiro "ouro"... (levaremos no couro, isso sim)

Segue a notícia:

Deputados querem critérios menos rigorosos para faltas
Plantão | Publicada em 05/07/2007 às 20h59m
Cristiane Jungblut - O GLOBO


BRASÍLIA - O presidente da Câmara, Arlindo Chinaglia (PT-SP), confirmou, nesta quinta-feira, que as Mesas da Câmara e do Senado vão analisar no segundo semestre pedido dos parlamentares para que seja mudado o cálculo para o corte nos vencimentos por faltas nas sessões deliberativas - sessões com votações. Chinaglia afirmou que o assunto foi levantado por deputados em reunião da Mesa Diretora da Câmara, e que manterá o rigor no corte de ponto, mas admitiu que os parlamentares também estão "trabalhando" quando fazem atividade política em seus estados.

Os deputados reclamam que, com os critérios atuais, cada falta pode significar um corte em torno de R$ 1 mil nos vencimentos, que hoje são de R$ 16,5 mil. Segundo informações extraoficiais da Câmara, em abril de 2007, 189 deputados sofreram descontos em seus vencimentos, envolvendo 479 faltas, num valor de R$ 202 mil. Em abril de 2006, o valor foi bem menor: foram 127 deputados, 209 faltas e um total de R$ 93 mil.

- Não existe proposta (de mudança), vai haver uma tratativa junto à Mesa do Senado, mas não vai ser agora. Pode sair e pode não sair (uma mudança). Há um rigor bastante grande naquilo que se considera falta. Se mantivermos esse tipo de atitude, que tem que ser mantida, acho justo que o deputado não seja penalizado porque tem trabalho nos estados. O trabalho de representação política não se esgota em Plenário. Ele (o deputado) recebe lá um ministro, o presidente, um governador na cidade dele. já que é assim, que isso seja levado (em conta) como trabalho - disse Chinaglia.

Segundo Chinaglia, o desconto, hoje, é calculado da seguinte maneira: a parte do salário chamada de adicional, que é de R$ 10.300, é divida pelo número de sessões deliberativas. Em cada mês, a Câmara costuma ter 12 sessões, ou três por semana. Se em um mês houver dez sessões de votação, o desconto por um dia de falta será de R$ 1.030. Se forem 12, o desconto será de R$ 858,3. O desconto não incide sobre a a parte fixa do vencimento, que é a de R$ 6,2 mil.

Os parlamentares querem que seja aplicada a regra geral de todos os trabalhadores, ou seja, que sejam levados em conta os 30 dias do mês e que seja descontado um dia de trabalho — e não apenas os dias de sessão deliberativa. Muitos argumentam que estão presentes nas sessões das segundas e sextas-feiras, quando não há votação, e que isso não é levado em conta quando precisam faltar à sessão deliberativa. Se o novo critério prevalecer, o corte cairá dos R$ 1 mil em média para cerca de R$ 400.

Segundo integrantes da Mesa, há deputados que perdem até R$ 3 mil ao mês, com duas faltas apenas.

- O desconto não seria mais sobre 2/3 do salário e sim sobre 1/30 do salário. Se o valor da falta cair, a reclamação vai diminuir, mas o nosso rigor com as faltas será o mesmo — explicou o terceiro secretário da Mesa, Waldemir Moka.

Fonte: O Globo

11 comentários:

  1. haha
    dragus, ta um cú literalmente ahuaha, fazia tempo q vc nom comentava no meu ein...tava com saudades ja...

    bjs
    e cuidem-se meus amigos cariocas

    ResponderExcluir
  2. kkkkkkkkkkkkkkk
    ta certo, quando postar me avisa...hauahuahau mas o cú não foi maldade, eu estava as 10 horas da manha lendo quando me deparei com esse assunto...era um medico falando ai achei legal ahuahauha. achei meio aula de biologia sei la ahauhauhau palestras de escola sabe rss... mas fica sussa...não são todos os cús q estão a prova não ahuahuah

    bjus dragus

    ResponderExcluir
  3. cara, estou contigo e não abro.Porque a gente nao vê o obvio que é a política brasileira? Fico aflio por saber de tantas coisas e não poder fazer nada...É a vida...Parabéns!

    ResponderExcluir
  4. Realmente o povo tem o governo que merece, sempre digo isso e sempre direi, depois o povo fica ai chorando as pitangas... humpf.
    Abraços.

    ResponderExcluir
  5. É uma vergonha! Concordo contigo se querem assim, que funcione exatamente como as leis dos TRABALHADORES!

    Obrigado pela visita! Voilte sempre!

    abraço,
    http://somdosom.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  6. Fala camarada Dragus.

    Desculpe deixar a resposta aqui, mas como não achei seu e-mail, lá vai. (depois vc apaga ok)
    O conto "Sentinela" teve um desdobramento - Radamathys- vc pode lê-lo aqui: http://contosancestrais.blogspot.com/2007/05/sentinela-radamathys.html

    Estou trabalhando nas demais continuações, já que para minha surpresa, choveram pedidos (cara metido né? (rs)). Assim que estiver no ar aviso.
    Quanto a resolução, não sei como colocar o template acomodando-se a qualquer resolução. Mas pelo que ando vendo no google analytcs, o acesso com resoluções inferiores a 1024 por 768 correspondem a menos de 3% dos acessos. Mas se souber como faço essa equiparação automática e poder me ajudar revelando, agradeço.

    Um abraço.

    ResponderExcluir
  7. Olá Dragus!!

    Coincidências a parte... meu próximo post no laboratório será sobre Guerras. Recolhi um material interessante e vou verificar se te ajuda.

    Qdo vc puder me envie um e-mail para que eu possa te mandar o que tenho aki!

    Meu e-mail: babiel@bol.com.br

    Um grande abraço

    P.S. Adorei seu texto, cheio de recortes super interessantes!!

    ResponderExcluir
  8. Ser corrupto não é o suficiente.... Agora querem ser vagabundos também....


    (www.pollyok2.zip.net)

    ResponderExcluir
  9. Um festival incrível de cara-de-pau e descaso. Esses caras vão acabar querendo ganhar pra ficar em casa.

    ResponderExcluir
  10. Isso já é uma rotina, infelizmente.

    ResponderExcluir
  11. Com prazer, pagaria para que eles ficassem em casa apenas dormindo. Sairia mais barato do que tê-los roubando milhões e ainda ganhando para isso. Ou daria um jeito de exterminá-los de vez.Parasitas.

    ResponderExcluir

Cuidado com sua postura ao comentar:
A responsabilidade pelas opiniões expostas nessa área é de de seus respectivos comentaristas, não necessariamente expressando a opinião da equipe do Pensamentos Equivocados.