Como não ir a um evento - FINAL

No capítulo anterior vimos como nossos destemidos, perdidos e desinformados heróis, fizeram para chegar ao seu destino depois de muitos percausos. Após tomarem um ônibus e ficarem presos em um engarrafamento, nossos heróis decidiram seguir seu caminho a pé, mas o que nossos heróis nunca vieram a saber é que tal engarrafamento se desfazia alguns poucos metros a frente.


O brilho do letreiro ofuscava qualquer pensamento da mente de nossos heróis, a única coisa que havia em suas mentes era o nome "SCALA" e uma vontade enorme de começar a cantar "I Will Survive", com direito a coreografia. Mas antes que o integrante do "Village People" adormecido dentro de cada um deles despertasse, eles foram retirados de seu transe por um urro horrendo e cavernoso. Mas o que mais parecia o ronco de um motor esportivo de um carro de luxo último tipo, nada mais era o aviso de que estavam com muita fome.

Livres do luxo hipnótico do "Scala" nossos heróis partiram em busca de algo que pudesse saciar sua fome, lembrando ao caro leitor que nossos heróis eram dignos representantes dos maiores paquidermes terrestres, o que os fez passarem por uma barraca de churros e um de pastel com preços muito baratos para o padrão local, afinal de contas eles se encontravam em um dos locais mais caros da cidade, onde um prato em um dos restaurantes mais baratos dali, custava na verdade o triplo de qualquer restaurante decente em qualquer outra parte da cidade.

- O que faremos? - Perguntava Dragus ao vento.
- Tem que haver um "podrão" por aqui, um "china"... - Respondeu Pk
- "Podrão" aqui? Um "podrão" aqui deve ser um restaurante cinco estrelas em um bairro comum!
- Mas "china" tem que ter, todo lugar que se prese tem que ter um "china".

Mas aquele não era lugar que se presava por ostentar uma lanchonete comandada por imigrantes chineses, dificilmente haveria uma lanchonete por ali. Mas mesmo assim eles saíram à procura de algo pudesse saciar seu vasto apetite, lembrando que eles já estavam há muitas horas sem se alimentar, o que só fazia a situação ficar pior. Após darem a volta no quarteirão e constatarem o obvio, nossos heróis começaram a ponderar a hipótese de que teriam de se satisfazeer com um pastel do tamanho da palma de suas mãos, ou um churro. Foi ai que Dragus em de seus raros surtos de inteligência, lembrou-se de que poderia haver uma praça de alimentação em algum shopping da região e para sorte de ambos, estavam próximos a dois.

- Vamos naquele! - Disse Dragus apontando para sua direita.
- Pro "Scala"?! - Perguntou Pk incrédulo do que acabara de ouvir.
- Não, pro shopping que tem em cima dele!

Realmente havia um shopping acima do "Scala", era alto imponente e pela aparência não parecia ter sido feito para bolsos de habitantes do zonas tão distantes e longínquas. Dito e feito, logo de cara o shopping demonstrava seu alto padrão de público, que teve das reações mais curiosas ao ver as duas figuras no mínimo pitorescas que acabaram de adentrar ali. Seria um passeio normal não fosse o comentário de uma pessoa que por ali passava:

- Nunca em minha vida havia visto um traje de suburbano tão perfeito, esses dois são bem convincentes!

Deixaram o comentário passar, afinal pelo menos seus rostos não denunciavam suas origens. Andando pelo local pensaram estar em outro mundo, ou ao menos em outro país. As vitrines não possuíam vidros, haviam pontos de conexão de internet sem fio para todos os lados, além de sofás extremamente confortáveis em cada corredor. lguns minutos de caminhada depois, viram a placa que indicavá-lhes que a "praça de alimentação" ficava no quarta piso. Olharam para cima e viram que a subida mesmo se feita de escada rolante seria árdua, mas a resposta estava logo a frente: o elevador panorâmico.

Dirigiram-se até ele e levaram um susto ao ver dos mal-encarados seguranças a frente da porta do elevador. Não demorou muito e o elevador chegou, os seguranças abriram passagem para que nossos heróis passassem. A ascensorista logo perguntou o andar que desejariam ir, e em unisono responderam "praça de alimentação". A subida foi até um pouco mais rápida do que esperavam, mas para a sua surpresa, ao invés de uma bela área repleta de mesas, cadeiras e restaurantes, ou algum "fast-food", se depararam com um típico estacionamento. Sim um estacionamento, com infiltração e tudo, o que mostrou que até no lugares mais chiques certas coisas nunca mudam.

Após saírem da garagem, encontrarem um cinema e outras coisas, finalmente depararam com a tão almejada "praça de alimentação", era um lugar estranho (ao menos para eles), haviam muitos restaurantes (caros obviamente), e apenas uma loja de "fast-food". Havia uma área com cadeira de tiras de couro e mesas de madeira, que parecia ser reservada para algum restaurante, mas na verdade aquela era a área para as pessoas se sentarem e degustar seus caros alimentos.

Sem pensar muito nossos heróis decidiram comer, quando Dragus lembrou-se de ligar para a esposa, para saber se ela viria. A resposta foi afirmativa e com a resposta veio o pedido para que a esperasse para comerem juntos. Enquanto Dragus amargava algum tempo de fome intensa, PK se deliciava com um hamburguer e se lambuzava com o molho. Quase uma hora depois a esposa de Dragus chegou também morta de fome, finalmente Dragus pode saciar em parte sua fome.


Quando estavam finalmente todos satisfeitos algo lhes chamou a atenção, já havia se passado mais de meia-hora do início do evento. Rapidamente correram para as escadas e desceram o mais rápido que puderam, esquecendo completamente do elevador. Depois de trombar em quatro velhinhas, pisar em cinco cachorros (que mais se assemelhavam a ratos) e ouvirem vários xingamentos (de forma chique e "educada", claro!), eles saíram e foram ao evento que estava acontecendo no shopping em frente. Ao invés de fazer como qualquer ser humano civilizado e entrar pela frente, nossos desnorteados heróis, seguidos por "tia" Lu (vulga esposa do Dragus), entraram pela garagem, seguidos de perto pelos seguranças que em vão tentaram chamar-lhe a atenção e impedir-lhes a entrada pela saída.

Lá dentro uma outra prova que o ambiente não era para pessoas normais, poltronas estavam dispostas a volta de uma tela de plasma onde era exibido o show de algum artista "cult". O transito de famosos pelo lugar era algo que parecia comum, o que deixou nossos heróis com a impressão de estarem em uma novela global. A falta de placas informativas ( na verdade elas existiam, mas como ninguém nesse país sabe lê-las), fez que com nossas perdidos heróis foram para a direção errada, subindo ao invés de descer. Após perguntarem a um segurança, que deu a informação com muita vontade de gargalhar, ele finalmente chegaram até o local exato do evento, que para a sorte deles, ainda não havia começado.

Ficaram encostados em um bar observando atentamente a palestra que se seguia, em meio a tantas questões e perguntas, sempre surgia entre eles algum comentário inteligente e perspicaz (verdade!), até que depois quando chegou a hora de finalmente falaram... Fiasco, gagueiras, troca de letras, em fim, o que o]poderia ser uma excelente chance de nossos heróis depois tantos percausos, falarem algo de alguma valia e se serem notados por algo interessante, seriam lembrados como os caras que não souberam se expressar e logo em seguida saíram de fininho.

E assim terminam as desventuras de mais um dia incomum de nossos destemidos e avantajados heróis, mas muitas outras loucuras hão de vir enquanto esses dois existirem, ou alguém for louco o suficiente de fazer algo que os interesse.

10 comentários:

  1. - Nunca em minha vida havia visto um traje de suburbano tão perfeito, esses dois são bem convincentes! Isso foi sério mesmo?nossa! é trágico, porém engraçado. que dia,hein?! dias assim ficam para a história...uahuhuauhaa...bjão

    ResponderExcluir
  2. Esse negócio de traje de suburbano se foi sério, eles ouviriam um bom suburbanês um sonoro "vai tomar no c..." Ou se fossem mulheres o tradicional: "e vcs tem belos trajes de piran..."
    Aliás, delicadeza é meu forte quando necessário.

    ResponderExcluir
  3. muuito bom os posts, o blog tambem!
    ate+...

    ResponderExcluir
  4. muito foda o blog, gostei dos contos, o estilo em que foram escritos e as imagens para representar algumas passagens do texto, muito bom mesmo, voltarei mais vezes...abraços

    ResponderExcluir
  5. meu Deus!
    adorei o traje suburbano!
    uhsaahushuasuhsa!
    q otimo! contos legais d+!
    prbns!

    --------------------------------------------------

    http://luis-afc.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  6. Gostei das dicas, muito bom o blog, parabéns!

    ResponderExcluir
  7. Excelente, amigo! Continue, está muito bom o texto e o blog em geral, bjs

    ResponderExcluir
  8. Nossa o comentário do "traje perfeito" foi o melhor!
    Incrível como um dia "comum" pode dar uma historia tão... emocionante.
    huahauhauahaua
    muito bom.

    ResponderExcluir
  9. mto bom seu relato...devo confessar que axei mto intelingente o traje suburebano
    vc tem o dom pra escrita
    parabens

    ResponderExcluir
  10. Quando haverá novas "atividades blogueiras" para um novo e emocionante episódio dessa saga?

    ResponderExcluir

Cuidado com sua postura ao comentar:
A responsabilidade pelas opiniões expostas nessa área é de de seus respectivos comentaristas, não necessariamente expressando a opinião da equipe do Pensamentos Equivocados.