O direito do preconceito.

Está lá na Declaração Universal dos Direitos Humanos:

Artigo I. Todas as pessoas, mulheres e homens, nascem livres e iguais em dignidade e direitos (...)

Artigo II. Toda pessoa tem capacidade para gozar os direitos e as liberdades estabelecidos nesta Declaração, sem distinção de qualquer espécie, seja de raça, cor, sexo, língua, religião, opinião política ou de outra natureza, origem nacional ou social, riqueza, nascimento ou qualquer outra condição.

Artigo VII. Todas as pessoas são iguais perante a lei e têm direito, sem qualquer distinção, a igual proteção da lei. Todas as pessoas têm direito a igual proteção contra qualquer discriminação que viole a presente Declaração e contra qualquer incitamento a tal discriminação.

_______________________________

O que estes artigos nos dizem é bem simples: não importa o sexo, nem a nacionalidade, raça, opinião ou quaisquer outras coisas, somos todos iguais, trocando em miúdos, pau que da em Chico, da em Francisco.

Tendo em vista estes três distintos artigos, levo-me ao seguinte questionamento: se todos somos iguais perante qualquer condição, por que então negros, mulheres, idosos, homossexuais e afins necessitam de leis especiais? Sim, pois já que somos todos iguais, tais leis especiais tornam-se completamente inúteis, certo? Então por que estes grupos em particular lutam tanto para terem leis diferenciadas dos outros grupos? Estariam eles acima destas leis? Ou não seriam seres humanos?

Ao meu ver estes grupos querem mesmo ser taxados cada vez mais, serem cada vez mais segregados e discriminados, pois estam sempre lutando e fazendo barulho para obter um direito que já é deles, sem haver necessidade alguma de se criar leis especiais para benefício deste ou daquele grupo de indivíduos.

Os casos mais clássicos desta questão são os homossexuais e os negros. Generalizando a grosso modo (e cometendo aqui um grande erro), estas classes ao meu ver querem cada vez mais se ver a margem da sociedade comum, se fazendo de "coitadinhos" e exigindo leis especiais. Mas o que eles não enxergam é que fazendo isso, só aumento o preconceito contra eles próprios, sendo eles os maiores propagadores de tal preconceito e mostram que eles próprios não têm direito ao que os outros têm.

Um bom exemplo é a questão das cotas raciais em faculdades. Enquanto muitos lutam pelo direito as cotas, achando que vão se beneficiar, estão na verdade, mostrando a todos que eles são inferiores ao restante. O sistema de cotas se baseia em destinar um determinado número de vagas a negros, estudantes de escolas públicas e descendentes de povos nativos do Brasil. Pois bem, isso quer dizer que estas classes são inferiores intelectualmente e por conta disso necessitam de cotas especiais para entrarem em uma faculdade pública. Logo podemos concluir que as cotas ao invés de ajudar, na verdade são mais uma medida discriminatória, além de sucatear o precário sistema de ensino público do país. Não digo isso por estar fora desse grupo "privilegiado" não, muito pelo contrário, estudei sempre em escola pública, mas mesmo assim acho um absurdo esse sistema de cotas, se querem realmente ajudar o estudante no ingresso ao ensino superior, dêem isenção da taxa de inscrição para todos que comprovarem ter baixa renda e pronto, ou criem bolsas integrais em faculdades particulares.

O caso dos homossexuais é aparentemente mais complexo, mas cai na mesma estória acima, pois são pessoas que são repelidas da sociedade por conta de sua orientação sexual, por isso se acham no direito de terem leis especiais de proteção. Pura hipocrisia, o homossexual não merece nenhum tipo de lei especial, afinal de contas ele é um ser humano como qualquer outro, por isso, a lei que vale para um heterossexual também tem que valer para um homossexual da mesma forma. Outro dia vi cartazes espalhados pelas ruas que pediam a criação de uma lei que punisse a homofobia e desse uma punção mais severa as agressões contra homossexuais. Agressão é agressão, seja ela contra quem for, tem de ser punida exemplarmente com o mesmo rigor, não importando quem seja o agredido, afinal de contas o ato é o mesmo.

Concluindo, acho que quem se considera parte desses grupos que sofrem constantes e amplos preconceitos, deveria antes de ficar requerendo leis especiais, pensar se tais leis realmente os beneficiariam, ou não seriam apenas mais uma forma de discriminá-los. Afinal de contas, não diz a Declaração Universal dos Direitos Humanos "Todas as pessoas são iguais perante a lei e têm direito, sem qualquer distinção, a igual proteção da lei"? Então para quê leis diferenciadas?

Pensem nisso!



Obs: Caso eu tenha cometido algum excesso, ou equivoco, por favor digam.

19 comentários:

  1. Acho que a grande questão não é a igualdade, mas a diferença.
    Essas leis foram criadas tendo em vista o preconceito reinante contra as ditas "minorias". Não sou negro, nem homossexual e nem nunca pisei numa escola pública. Contudo compreendo que essas pessoas tem as oportunidades restringindas em nossa sociedade. Também não sou a favor das cotas raciais para universidades. Ac ho isso um erro. O correto seriam cotas econômicas (para alunos oriundos do sistema público de ensino - claramente prejudicados em qualquer concurso).
    O preconceito existe e é paupável. As leis de igualdade seriam excelentes numa utopia social. No momento, infelizmente, faz-se necessária a compensação de certos "abusos" através de leis protecionistas.
    Esse é um assunto complexo e generalizar para qualquer um dos lados é perigoso e equivocado.
    Belo texto e uma excelente oportunidade para um debate dos bons.

    ResponderExcluir
  2. Em primeiro lugar, parabéns pelo texto e pela coragem de comentar sobre um assunto tão difícil de se lidar.

    É intrigante realmente essa situação: por que os grupos alvos de preconceito são a favor dessas leis que teoricamente deveriam amenizar a discriminação, mas que na prática acabam a fomentando.

    Outra questão interessante é a das cotas raciais nas universidades. Certa vez li que elas foram importadas da Índia, onde existiu o sistema de castas. E nessa mesma leitura havia uma crítica a esse tipo de atitude de copiar-se certos padrões sem adaptá-los à realidade brasileira, o que evitaria o desastre que essas políticas evidenciam ser.

    O assunto dá muito pano pra manga, poderia se falar das implicações negativas do sistema de cotas para a educação do país, e ainda ramificar esse assunto, mas não cabe a mim fazê-lo agora. Seria muita polêmica em um comentário... então, deixa quieto. E parabéns pelo post mais uma vez.

    ResponderExcluir
  3. Bem que tudo isso que você escreveu PK poderia realmente ser verdade.
    Concordo contigo em relação a criação de leis e "benefícios", mas o grande problema é que com as leis que nós temos, bem, você citou 3 ótimas, mesmo assim existe pessoas que argumentam quanto a esses direitos, digo isso em relação aos negros e homossexuais.
    Não sou negro, mas sou homossexual, e já senti na pele o preconceito...
    Acredito piamente Pk que para que as "tuas" 3 leis possam ser vividas, o ser humano terá que mudar, e mudar muito, por que você pode ter uma mente aberta, que bom para você, mas muitas pessoas não a tem.
    Então já que somos todos iguais perante a lei humana, por que as maiores agressões são contra as minorias???
    Simples, por que a maioria dita "normal" acha que as "tuas" 3 leis só servem para elas e pode ter certeza que colocam isso em prática.
    Lembra do índio que atearam fogo em Brasília? Da doméstica que apanhou dos garotos ditos "normais"?
    Acho que há mais casos mas agora não me lembro...
    Pois bem, não estou aqui para defender nem punir, simplesmente quero viver pacificamente como qualquer outro cidadão, mas se eu me sentir ameaçado por uma sociedade hipócrita, preconceituosa e dissimulada em sua maioridade, então eu vou precisar de algo que me defenda, é ai que entra as Leis para as minorias.
    Abraços e espero não ter escrito demais.

    ResponderExcluir
  4. É absurdo um país mestiço como o Brazil ter cotas para negros...
    Na vez de cotas para negros, deveriam investi na educação de base para que todos. Independentes de raça

    E tododo brazileiros pudessem entrar em uma universidade dignamente


    []s L.Sakssida

    ResponderExcluir
  5. Dragus, em nada que você escreveu está errado, mas como disse anteriormente, o ser humano tem muito o que evoluir ainda.
    Agora volta lá na Butique e comenta sobre o post... hahaha... brincadeira.
    Abraços e nos vemos no decorrer.

    ResponderExcluir
  6. Como disse, um post que sucinta um debate acalorado sobre o tema. Grandes opiniões vinde de pessoas inteligentes e interessantes.

    ResponderExcluir
  7. Simples: porque os grupos em particular já passaram por discriminação demais.

    Minha única ressalva é quanto às cotas aos negros. Levando-se em conta que o Brasil é a maior mistureba racial de todos os tempos (eu, por exemplo, descendo de branco -- italiano e português -- negro e índio), acredito que o ideal seria a cota universitária para classes mais desfavorecidas, independente de etnia.

    ResponderExcluir
  8. O que precisamos e bato sempre na mesma tecla é EDUCAÇÃO!

    Um povo sem educação está sujeito a diversos tipos de preconceito e a má utilização dos seus direitos. Não generalizando, mas países europeus com níveis educacionais altíssimos tbm tem entre os seus, geradores de preconceitos. Então onde está o problema? O problema, creio eu, está na individualidade de cada pessoa, educada ou não, ela deve ser consciente e esclarecida. coisa que se vê muito pouco.

    Nós, moradores de um país subdesenvolvido, com educação precária, temos uma condição de discernimento ainda pior.

    Investir em educação é necessário para a evolução psicológica do indivídua. Vai explicar isso para quem administra esse país? Difícil né!!

    ResponderExcluir
  9. Rapaz, você tocou em um assunto bem polêmico, penso que no momento atual do nosso país, deve existir sim essa "proteção" as minorias, quem sabe, se um dia o Brasil evoluir, esse tipo de coisa possa deixar de existir?
    Um abraço!
    www.ooohay.wordpress.com

    ResponderExcluir
  10. Gostei do tópico, interresante pra caralho.
    Concordo contigo em partes, também não sou a favor da cota para negros, como o amigo aí de cima disse a base de tudo é a educação, se o Estado investisse mais na educação das escolas públicas (digo isso porquê sou aluno de uma e sei como é) a coisa melhoria e muito, dando assim oportunidade de quem não tem grana poder ter um curso superior.
    Em questão do homossexualismo, concordo também em partes, o preconceito contra eles é muito grande, mais também existem muitas leis que mais afastam as pessoas do quê conscientizam de que preconceito é burrice.

    ResponderExcluir
  11. Não acho que cometeu qualquer equívoco.
    Concordo plenamente.
    Muito bom esse post.

    ResponderExcluir
  12. E tudo verdade e assino abaixo!
    voltarei depois para comentar direito. Estou indo pra escola
    bjs
    jk

    ResponderExcluir
  13. Viu só como temos vários pensamentos pensantes aqui...
    Agora vou para o post abaixo e tentar rir um pouco...
    Abraços.

    ResponderExcluir
  14. Cara,tu explessou mt bem seu ponto de vista. mas acho q a coisa nao eh bem por ai. sabe tem varios fatores ligados a esse tema que tu nao falou, exemplo: falta de Educação, baixa Cultura, Senso comum.... varios fatores fazem com que essas "leis" sejam "necessarias" c tivessemos no Brasil uma boa educação publica, os estudantes que na sua maioria são negros... teriam mais chances de engressar numa boa faculdade... enfim, tenho q ir, depois volto e termino meu comentario... arbasss

    ResponderExcluir
  15. BELO POST.
    IMAGINEM SE UM BRANCO SE DIZ ORGULHOSO DE SER BRANCO.
    SE UM HÉTEROSEXUAL SE VANGLORIE DE SER HÉTERO.
    COM CERTEZA SERIA TAXADO DE RACISTA E PRECONCEITUOSO.

    COTAS É UM ASSUNTO DELICADO, EU NÃO TENHO UMA OPINIÃO FORMADA SOBRE O ASSUNTO. E OLHA QUE EU TENHO DIREITO A COTA.

    VLW.

    ResponderExcluir
  16. Bom... pelo post e pelo jeito acabou criando uma boa polêmica!!!

    Eu não discordo em nada do que vc escreveu... se (infelizmente tem um "se") vivessemos num mundo perfeito!!!

    Óbvio está que "se" as leis fossem cumpridas não haveria necessidade desta lutas das classes minoritárias...

    Me parece que o Arne tocou claramente no problema... "por que a maioria dita "normal" acha que as "tuas" 3 leis só servem para elas e pode ter certeza que colocam isso em prática."

    E "Eduardo"... existem várias pessoas que batem no peito e tem orgulho de ser branco... mas como isso é considerado normal passa desapercebido... a não ser quando eles se tornam radicais, mas aí passa a se chamar "nazismo".

    Assim como tem muitos negros e homossexuais que também são radicais e acabam cometendo atos em nome das suas "diferenças"... tão patético e perigoso quanto qualquer outro fanático!

    O mais interessante é perceber como o preconceito aparece em algumas declaraçães disfarçado de "normalidade"...

    Parabéns pela discussão!

    ResponderExcluir
  17. Realmente muito procedente o seu texto. Se direitos são iguais, pra que tanta firula?

    Gostei do seu blog. Interessante e inteligente.

    ResponderExcluir
  18. gostei, bem desmonstrada a opnião...

    penso que qualquer tipo de cota é um erro, seja para pessoas negras ou pobres. nunca passei fome mas estudei com muita gente que passava, ia pra escola com a mesma roupa todos os dias, o pai catava e vendia plastico e papelão pra sustentar a pequena família. A inteligência faz a diferença. Eu tive o mesmo tipo de educação na escola que qualquer outro pobre mas eu tirei algum proveito. discutia com professores pra provar que estava certo e por muitas vezes fiz isso. Infelizmente sou branco, atualmente casado, que tipo de cota guardaram pra mim? sou apenas um estudante de um bairro pobre e esquecido pela prefeitura...
    (atualmente trabalhador por ter passado num concurso público aqui de onde eu moro, casado com a mulher mais linda que eu poderia encontrar por esse mundão a fora, não acho que uma pessoa burra mereça mais do que eu...

    ResponderExcluir
  19. Amigo, humildemente entendo que falta um pouco mais de aprofundamento de sua parte para escrever sobre referido tema. Como professor universitário, entendo que o tema em epígrafe realmente é muito complexo.

    No entanto, a idéia da lei é tratar os iguais de maneira igual. Não há igualdade entre um portador de necessidades especiais e uma pessoa normal, por isso que existem leis específicas para o portador, afim de coloca-lo “digamos” que em igualdade. Agora, os portadores de necessidades sim (entre eles) são tratados de maneira igual.

    Destarte, estou a par que a ética moderna condena referida conduta, com argumentos do tipo: “velhice não é doença”, “foi opção engravidar”,”não há que se falar em moldar a sociedade por causa de deficientes, sendo que são a minoria”. No entanto nobre amigo, isso é seleção natural é Darwinismo.

    Por fim, de uma aprofundada sobre o tema, gostei do artigo, seu ponto de vista não esta de todo equivocado, concordo em termos, mas lembre-se, em 90% dos casos, o problema não está na lei, e sim em quem faz seu uso, abusando da mesma.

    ResponderExcluir

Cuidado com sua postura ao comentar:
A responsabilidade pelas opiniões expostas nessa área é de de seus respectivos comentaristas, não necessariamente expressando a opinião da equipe do Pensamentos Equivocados.