Comentando Comentários sobre Favelização.

Vendo que existiram pontos que não ficaram claros, ou mesmo a participação dos comentários que enriqueceram mais a situação como um todo, vou abrir um espaço para responder comentários dos próprios usuários, não todos, pois foram bastantes (e não esperava tanta repercussão, que já superou a divulgação) escolhi alguns que pensei em responder direto, mas que considerei melhor colocar aqui, em aberto...

Agradeço pelas opiniões a favor ou contrárias e torno a lembrar que o enfoque principal foi em cima do problema não em cima dos afetados. E para essas soluções, ainda tenho muito pano na manga, como podem ver pela evolução dos dois artigos.

Dando início aos comentários dos comentários... Em ordem cronológica e ao invés de copiar o texto, tirarei prints de modo a preservar sua originalidade (caso tenham interesse, me mandem os links de seus blogs principais que os coloco em seus nomes ao invés de links para perfis):


Nanda, a resposta (ao menos a minha) a questão que refere, ao menos a que coloquei está num trecho do próprio post, que provavelmente não deve ter lido, que é essa:
"Havendo em ambas as utopias habitantes em número que possam habitar imóveis construídos, faz-se uma retirada ou um acampamento dentro do próprio sítio de obras para que sendo essas concluídas recebam seus apartamentos e seus títulos de propriedade, ao invés do que acontece em outros processos similares, onde os moradores são removidos e mandados para onde judas perdeu as meias (pois as botas ficaram antes). Se ultrapassar a quantidade, refaz-se o projeto visando a acomodação de todos."

Pode não ter ficado claro, mas o que quis dizer é: ficariam onde estão. No máximo permaneceriam em locais próximos ou dentro do bairro (como escolas ou mesmo em alojamentos temporários no próprio pátio de obras) e depois seriam alojados dentro da construção legalizada, sem nenhuma mudança para locais distantes.


Interessante, Eduardo. Essa informação não possúia, grato pela contribuição. =D

E concordo quando se refere ao problema do transporte público, até mesmo pincelei a respeito no final, mas o problema é que investir apenas em expandir o transporte não funciona se o preço dele se alargar também. No Rio de Janeiro, a Capital, o metrô custa atualmente R$ 2,30, é um preço alto e que não é considerado por patrões em negociações de vale transporte, exceto quando o metrô substitui duas linhas de ônibus (pois o ônibus custa R$ 2,10 o comum) e cai no dilema do transporte não ser mais de massa, mas de escravos ou para a "elite" que consegue gastar algo fora do esquema casa-trabalho-casa a que o brasileiro está sendo submetido dia a dia por causa dos custos de deslocamento.



Aventureiro X, morei por dois anos em um lugar chamado Ilha de Paquetá e os restantes indo para lá alguns finais de semana. Até o início dos anos 90, antes do Collor, era tido como um lugar para elites, como eram alguns lugares que hoje em dia são considerados favelas mesmo não sendo. Não é exatamente uma favela, mas dada determinadas situações, é pior até mesmo que a favela onde sua família morou e sei a qual se refere. =p

Paquetá não tem hospital, não tem transporte público, a única forma de sair de lá é de Barca, que custa onerosos R$4,00 e tem alguns horários fixos entre 5h15min e 22h15min para sair de lá, caso contrário estará isolado e se precisar de algo com urgência a única coisa que virá em seu socorro é a morte. É um lugar muito mais isolado, sofrido e abandonado do que o lugar que vive será, mesmo porque a imprensa ao menos cita dia sim e dia não e políticos tem interesses em dar pitacos porque rende votos. Paquetá só rende problemas.

A única coisa que Paquetá não tem atualmente é a violência do tráfico, mas isso não é vantagem nenhuma. Tem invasões de casa, velhos que são espancados por piratas (bandidos que vêm no escuro da noite para invadir casas desertas ou com habitantes idosos) e em paralelo têm problemas com conta d'água mesmo pagando conta, tem problemas com a rede elétrica, ruas escuras e um custo de vida muito alto e assim como nas favelas maiores a maior parte das residências tem problemas documentais ou em virtute de inventários intermináveis ou por coisas com a prefeitura que duram anos (como a missa de obter RGI). Te garanto que é pior que grande parte das favelas do Rio.

Se ainda não for suficiente, o que acredito que não seja, posso dizer que o meu companheiro de blog, o Pk Ninguém, viveu em comunidades, uma delas na Ilha do Governador, e atualmente vive aprisionado na Ilha preferindo mil vezes ir para onde morava antes do que estar onde está, mesmo sendo teoricamente mais seguro. E o pior, ele convive dia a dia com a Secretaria de Saúde e sabe o quão precária é a coisa em Paquetá. E mesmo assim Paquetá tem favelas, e as tem porque pessoas empregadas pelos patrões de lá não tinham como trabalhar pois na época que as favelas surgiram não haviam residências baratas em Paquetá - quando a Ilha prestava - e agora estão presos lá sem poder nem dizer onde moram para não serem ignorados na fila para obter emprego.

Eu tenho experiência em comunidades, como pode ver. =p

Acredito apenas que fui mal interpretado e não dei visão de fora, pois tenho quem consultar a respeito e que por sua vez tem uma bagagem triste sobre essa visão.

Se seus pais tiverem:
- A Escritura do local onde moram lavrada em cartório;
- O RGI (pois pagar IPTU não quer dizer que está regularizado para a lei carioca, o que aprendi de forma chata);
- Paguem a conta da Light,
- Paguem a conta da Cedae;
- Paguem a Net/Sky (se tiverem);
- Etc;

Se tiverem, eles não se encaixam no post, não há nem porque defendê-los. Não direciono para quem é legalizado, mas quem não é. Pois podem ser considerados criminosos de alguma forma, mesmo que sejam pessoas retas, de moral inquestionável e que só estão onde estão porque a vida foi ingrata. Sei que nem sempre querer é poder, mas existe sim moradores de favela que se vamgloriam de seu status ilegal e já escutei isso de um que morava no Santo Cristo, e depois disso passou a fazer "saída de banco" e hoje em dia é habitante do Cemitério do Caju.

Ademais, falei de lei e a lei não é flexível, flexível é quem a aplica. Em nenhum momento disse: "para mim" são criminosos. Disse apenas que segundo a lei o são.

E críticas são sempre bem vindas, elas fomentam respostas e me permitem ver onde não fui claro no que queria dizer. =p

E urbanização, no que propuz não é o que muitos propõe, que é pegar a favela e mandar para marte (!?), como respondi para a Nanda, acima, é transformar efetivamente favela em bairro e não apenas acimentar, pintar, colocar uma placa pra propaganda eleitoral e pedir voto.


Também não entendo, Arne.

No próximo post falarei exatamente sobre isso, não entendo como governos quando constroem casas populares (que parecem mais enfeites que casas) não fazem ao invés disso prédios populares. Cabe muito mais gente, com mais dignidade e pode ser feito dentro da própria comunidade, sem precisar usar áreas extremamente distantes e onerosas (para viajar, trabalhar, etc) como aconteceu aqui no Rio de Janeiro com a Cidade de Deus. É muito mais barato e até mais inteligente do que o que fazem sempre.



Lukkas, isso é um dos grandes males. Esse ano houve até uma polêmica onde moradores de áreas afetadas pela favelização (lê-se, a cidade inteira) protestaram e fizeram um compromisso de boicotar o pagamento de IPTU desse ano caso o prefeito não acatasse exigências ou revogasse o fim de um desconto que é dado na cidade para residências que ficam próximas de áreas desvalorizadas pelo caos urbano.

Acabou que ao invés de resolver a situação, iniciando contenções de crescimento em favelas ou mesmo iniciando obras de urbanização sérias em comunidades (não apenas, como digo direto, pintar, cobrir de cimento e colocar placas), o sr. prefeito optou por apenas revogar o aumento. No final, todos saíram perdendo. Os que moram em comunidades, que vão continuar morando em amontoados de cimento, terra e abandono, e os que moram nos bairros, que vão continuar vendo favelas crescerem descontroladamente por causa do jogo de empurra.

E sobre a solução ser Educação e Saúde, acredito que a solução mesmo seja o fim do analfabetismo político, que inclusive vi fazer presença nos comentários, onde existe gente que não procura saber sobre determinados assuntos quando deveria para saber em quem votar e, principalmente, em quem não votar.


E que venham, se houverem, as tréplicas.

E torno a agradecer pelos comentários recebidos. =D

Gostaria que esse debate ao invés de virar apenas discussão acalorada pudesse de alguma forma assumir outra forma, mas deixarei isso para outra oportunidade ou quem sabe, na próxima rodada de "Comentando Comentários". =p

23 comentários:

  1. Por partes:

    1. Li primeiro o post anterior, pra entender esse. E concordo em tudo, tintin por tintin. E aqui na cidade de Fortaleza, tá muito ruim, Tenho a nítida impressão que o tráfico do Rio "saturou" e etá em busca de filiais: se infiltraram nas já precárias favelas de fortaleza.

    2.Adorei a sua iniciativa de responder os comentários em um post.

    3.Urbanização já! E não é mais uma questão de estética (como infelizmente, vinha sendo tratado o problema aqui em fortaleza). Mas uma questão arquitetonica, de saude, economica, e acima de todas, HUMANA.

    ResponderExcluir
  2. isso acontece em todo o brasil, menos no acre.
    aoshoa

    mas eh serio isso tem que acabar, de um jeito ou de outro...
    o brasil nao tem mafia, mas teo o maldito crime organizado...

    ResponderExcluir
  3. Caramba, vim aqui por causa da comunidade do Blogger, mas o tema e a abordagem ficaram simplesmente sensacionais. A questão é muito sensível e devemos sempre ter consideração por fatores específicos de cada comunidade, topografia, fatores históricos de quando uma determinada favela se formou, etc... (mesmo que muitos fatores coincidam). Moro no interior de Minas Gerais e não temos grandes-grandes favelas. Aqui os bairros mais carentes são maquiados esporadicamente e a maior ação existente é comunitária em vez de política. A formação histórica destes bairros é por causa que a cidade era convergência de latifúndios e à medida que as fazendas eram vendidas para a cidade os ex-funcionarios e famílias se apropriavam... Claro, existem casos e casos...

    ResponderExcluir
  4. Comentando o comentario....

    Muito bom.. mostra interação dos leitores com seu blog.

    Abraço!

    ResponderExcluir
  5. gostei dos dois posts, fico até meio agradecido por ter tido "o prazer" de "escutar" a opinião dos outros em relação ao seu post que fala sobre Favelização.
    No meu caso, eu sou um Anarquista, ou seja, eu defendo minha razão acima de tudo além de não acreditar que um país com governo tende a crescer, luto também pela liberdade de informação!;;Você deve star se perguntando porque eu falei que sou anarquista e tal, mas se vc pensar direitinho, esse tipo de pensamento de que o governo na mão do povo seria melhor tem tudo a ver com a favela, e eles (pessoas de classe abaixo ou um pouco a cima da pobreza) estão provando isso a 50 anos atras, quando a Rocinha foi criada.

    Até a proxima!

    De: http://www.areaconfidencial.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  6. Interessante essa integração que você faz com quem comenta o post. =)

    Esse tema realmente é polêmico, pq essa alternativa de construção de apartamentos já foi tentada em algumas favelas e apresenta algumas falhas graves: como a depredação dos próprios, o mal uso dos apartamentos e até mesmo a venda dos mesmos pelos proprietários que primeiramente os receberam.

    =/

    ResponderExcluir
  7. Cara, vou comentar neste post, mas sem saber o que rolou os 2 anteriores, pois ainda não tive a clara oportunidade para lê-los. Retorno a noite e irei ler com td certeza.
    Mas comentando os comentários dos comentários...
    A resposta dada para a Nanda é, em minha opinião, excelente, pois o que a prefeitura mais gosta defazer é tirar um morador da favela, que mora perto do centro, e colocá-lo em um interior do interior. É óbvio que o cara não vai ficar satisfeito, afinal é mais fácil ele arranjar um trabalho no centro do que no interior. Aliás, mt gente têm suas casas em lugares de interior, mas preferem ir ra uma favela no centro, para poder trabalhar ou pedir esmola em algum lugar e, assim, tirar a renda do mês.
    Não teria outra solução, pelo menos não me vem a cabeça, a não ser esta dada pelo Dragus. É dificil, mas basta ter vontade e o governo nunca a tem. é melor explorar as pessoas que vivem ali e continuar sugando votos.

    Sobre a parte do Eduardo, parte dos transportes, esse problema é velho, mais velho que as favelas até. Culpa de quem? É dificil culpar um só, mas que o nosso presidente querido e que teve até minisérie, é com certeza, uma das mulas que prejudicaram o transporte.
    Em meus estudos de geografia e história, vi que ele importou bitolas na época do 50 anos em 5 [a coisa mais idiota já vista] e quando chegou aqui, as bitolas eram diferentes, acho que o tamanho era maior. Conclusão: gastou o dinheiro, individou a porra do país e não resolveu nada, as bitolas estão encostadas até hj.
    É óbvio que o Brasil, não só o Rio, não sabe explorar os transportes. Um exemplo é o transporte por água, que é o mais barato e poderia ser mt bem explorado pelo teritório brasileiro, para cargas e o msm não o faz.

    Li o terceiro comentário, mas não tenho mt o que acrescentar.

    Sobre, o "porque?" do não investimento, é simples: explorar sempre. Sem morar em favelas e passar as necessidades, os politicos não podem fazer as chantagens que fazem com um miseravl desesperado.

    Sobre o último, digo que a solução é educação, pois um povo inteligente o suficiente para saber votar e saber cobrar, jamais será explorado facilmente.

    Abraço, cara, e foi mal pelo coment tão grande!

    ResponderExcluir
  8. Bem nessa zanfa. Eu se morace la venderia meu AP.

    Belo blog. Parabéns!


    www.piraodagua.blogspot.com

    ResponderExcluir
  9. Muito bom essa interação com os leitores.

    ResponderExcluir
  10. PARABÉNS!

    A sua iniciativa de responder os comentários com uma postagem é muito boa!

    Pena q vc ñ respondeu o meu!!!

    =D

    ResponderExcluir
  11. Não respondi porque só escolhi comentários da parte II... =p

    Não se preocupe, que farei disso um hábito de agora em diante, sempre que houver uma boa repercussão e um nível alto de comentários, como foram os dessa série quase como um todo.

    ResponderExcluir
  12. Oii =)

    Eu vih o sue blog, num tópico do orkut!

    Axei interessante o assunto e o fato de você ter respondido aos comentarios,mostrando o ponto de vista dos outros e explicando sua opinião =)

    O blog tah bem legal!

    se puder da uma passadinha no meu =)

    www.wordsaboutme.blogger.com.br

    ResponderExcluir
  13. Olá!!

    Primeiramente, parabéns pela idéia de comentar os comentários, realmente muito interessante, o que é ótimo, já que interação geralmente resulta em maior divulgãção!!

    Esse tema de periferia, favela ou como queira =) é um tema que venho estudando na faculdade desde o ano passado (faço jornalismo) e já debati muito em relação ao assunto... e pelo que vejo, a cada dia que passa o tema está mais presente, claro, com ajuda da mídia, como por exemplo, a novela das 20:00 da rede Globo, só que na favela da novela... não existe crime ou tráfico... realmente é uma novela, porque infelizmente a realidade não é assim, não que todos da favela sejam criminosos, aliás sou totalmente contra esse tipo de generalização, mas nem todos saem ilesos.

    Abraço.

    ResponderExcluir
  14. Realmente a sua iniciativa de Responder os Comentarios em Forma de Post e muito boa!

    ResponderExcluir
  15. Não concordo quando falam (comentaristas) em relação a criminalidade. Acredito que vc pretendeu dizer que mesmo sendo "honestos" os moradores acabam contribuindo com a marginália, ao não denunciarem as bocas (o que pode ser feito anonimamente num orelhão em um ponto afastado do local sem qualquer problema) e ao se aproveitarem do estigma da violência para gatos de luz, água e TV, etc. Esse foi o sentido do trecho. Pois se você compactua com a coisa, mesmo que não pegue em armas, mas se beneficia indiretamente. Logo, é também um criminoso.

    Eu conheço favelas "de dentro".

    ResponderExcluir
  16. Muito bem concebida, essa idéia das respostas aos comentários. É uma forma prática de não deixar o assunto morrer ou mesmo prepará-lo para as continuações que você informou que haverão.

    É certo que as favelas são um entrave ao desenvolvmiento das cidades. E é claro que as soluções apresentadas, se bem tratadas, podem deixar de corresponder a utopias.

    Quanto ao habitante da favela - apesar de não ter uma visão mais aprofundada no assunto - não creio em generalizações. Há uns e há outros totalmente diferentes. E também não resolveria nada separá-los em grupos. A questão envolve a favela em si e o modo como os habitantes serão recompensados.

    Pensando nos dois modos de solução de problemas - a prevenção e a remediação - creio que este primeiro seja mais apropriado no começo. Evitar que as favelas surjam, como você mesmo disse, e dos modos que ressaltou, é essencial. Quanto às favelas já existentes, gostei da sua proposta de desapropriação e da permanência dos moradores naquele local mesmo.

    Como você mesmo disse, o que falta agora é empenho do governo. Que tal mandar uma carta à Brasília, com as suas propostas, quando você finalizar a série de posts? Não custa nada... Rs.

    ResponderExcluir
  17. 1° Realmente estive meio equivocada no meu ultimo comentario, pois o que as pessoas mais querem nessa vida é um bom emprego, mas como tem empregos bons em tda cidade, acho q uma outra solução seria redistribuição geografica dos empregados, assim cada pessoa trabalhando no seu bairro, por que com certeza tem gente q sai do bairro A pra trabalhar no Z dizendo que mora no Z, e tem gente que sai do Z trabalha no A dizendo q mora no A. Era so se trocarem de emprego, por que na maioria das vezes essas pessoas nao sao especializadas e podem mto bem trocar de tarefas, ia descongestionar o transito, acabar com o surgimento de favelas, e acalmar um pouco essa cidade.
    2°Bom tem mta gente q vai pro RJ a trabalho e volta dizendo, nunca mais volto pra la, tem favela pra todo lado que tu olha, as casas na maioria nao são pintadas e ainda por cima são pixadas, na linha vermelha tu nao pode passar depois da 5 horas e nem na amarela, nesses horarios o pessoal ja se fecha em casa, meu deus passar as ferias no RJ jamais. creio que este pensamento é acentuado ainda mais pelas favelas que dão um mau aspecto a cidade, se fossem realmente reconstruidas, com predios q ficassem no pe dos morros, nem que fossem altos mas q desocupassem a area da mata atlantica e deixassem ali voltar a area verde, o RJ atrairia mto mais turistas, e deixaria o pessoal do sul fugindo do RJ como o diabo que foge da cruz.

    bjs

    ResponderExcluir
  18. Parabéns pela iniciativa, mas fiquei envergonhado com o aparecimento do meu comentário... ele ficou tão pobre em vista de outros que li... hahaha...
    É que realmente não temos esse problema de favelas avassaladoras por aqui, então é mais complicado para debater.
    Seria a mesma coisa que debater sobre qual os problemas de morar onde neva...
    Mesmo assim obrigado por ter escolhido o meu comentário entre tantos outros, fiquei honrado.
    Abraços.

    ResponderExcluir
  19. Boa sua idéia de abrir esse espaço, fica bem democrático.

    abraço

    ResponderExcluir
  20. Legal demais o que foi feito aqui!

    Ainda por cima, com essa qualidade de exposição do assunto. Dragus, você fez com que o BLOG assumisse sua verdadeira função: interação, discussão, perguntas, respostas. Tudo isso com engajamento social!

    Abraços, parabéns!

    http://pordentrodomundodabola.blogspot.com

    ResponderExcluir
  21. Muito gratificanete a iniciativa de responder os comentários dos leitores. Acho que nunca vi um blog fazer isto.

    Embora meu comentários não tenha sido respondido, mas compreendo, provavelmente o autor do texto deve compartilhar da mesma posição que eu.

    enfim, faça isto mais vezes!


    Eu particularmente tenho preferências por textos de debate como estes que tem sido postados recentemente.


    grande abraço!


    www.hugomeira.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  22. Super polêmicas por aqui!

    Já havia lido e gostado do outro post... Acho complicado falar sobre taxas tributárias num país onde uma enorme porcentagem do PIB vem das mesmas, e penso que isso não vai mudar de uma hora pra outra... Com toda essa corrupção o dinheiro dos cofres publicos parecem que vão passar longe do lugar para onde deviam ir durante um bom tempo ainda... E daí não sei mais se a responsabilidade [de contruir moradias populares, prédios, etc] pode ser passada para iniciativa do próprio povo... Eu acho isso absurdo, mas às vezes parece ser a única saída...

    Quanto ao transporte... Nos últimos tempos depois de vários perrengues por causa dos 2,30... esses dias recebo a notícia de que o metrô em SP vai aumentar denovo... 2,40 agora. Ainda não consegui nem refletir nisso. Estou indignada.

    ResponderExcluir
  23. Boa a iniciativa de se debater este problema.
    É algo que me preocupa muito pq busco viver dentro das leis e respeitar o próximo mas o que vemos é um estímulo cada vez maior ao desrespeito e à ilegalidade a favela é só um grande exemplo, mas a coisa se estende até pequenas exemplos como os mijões que urinam em qq lugar e pessoas que insistem em escutar música alta dentro de transportes públicos.

    Recomendo os seguintes links:
    (exemplo do incentivo do estado à favelização)
    http://oglobo.globo.com/rio/mat/2008/11/30/estado_paga_ate_100_mil_por_imoveis_em_favelas_do_rio-586781117.asp

    e
    (A solução que particularmente apoio, aliada é claro a toda uma política de transporte, educação e saúde. Mas o mais utópico é ficar com peninha e num fazer nada achando que o problema some por sozinho.)
    http://oglobo.globo.com/opiniao/mat/2008/09/11/a_solucao_para_as_favelas_querer_uma_vida_normal-548181285.asp

    ResponderExcluir

Cuidado com sua postura ao comentar:
A responsabilidade pelas opiniões expostas nessa área é de de seus respectivos comentaristas, não necessariamente expressando a opinião da equipe do Pensamentos Equivocados.