Vergonha Carioca: Corregedor da PM-RJ exonerado.


E daí...?





Eu também me perguntei isso antes de ler a quando li a notícia, mas enquanto lia o pequeno parágrafo via que ia surgindo descaradamente e mais uma vez um dos maiores problemas do Estado do Rio de Janeiro, a corrupção policial e a falta de respeito do estado (brasileiro) com os agentes da lei.

Para ter uma idéia, acessei um site organizado por associações de PMs do Brasil e lá poderão ver com seus próprios olhos o quanto ganha um soldado PM no Rio de Janeiro, o site é http://www.salariospm.xpg.com.br com base nos dados fornecidos, vemos que o salário de um soldado PM, aquele que é pago para proteger a vida e arriscar a própria tem sua vida avaliada em R$ 786,69, onde provavelmente o "69" no valor deve ser simbólico, e todos com mais de dois neurônios sabem o que "69" se refere... =/

Na verdade, usando outra tabela que peguei no blog de um pm, vejo que o valor é ainda mais escandaloso, vejam na tabela abaixo o quanto vale a vida de quem protege a sua e leva tiro por você no Rio de Janeiro (precisa clicar para ver algo):


Considerando os valores, fica bastante óbvio que a preocupação dos soldados será equivalente com o que recebem de reconhecimento, afinal de contas não é de hoje que:
- Policiais são culpados por 100% das mortes em incursões nos morros, mesmo quando não tem nenhum policial no morro.
- Políciais em geral são mal quistos pela televisão e sempre são retratados de modo caricato, ou como um idiota subserviente ou como um bandido. Nunca como um herói, no máximo colocam um investigador.
- Policiais são o "homem mau" das crianças. Desde pequenos vejo pais educando os filhos com frases como "se gritar te entrego pro policia".
- Policiais sobem o morro sem colete, no máximo com aquele enfeite que colocam sobre a farda que protege tanto quanto papel, e que deixa braços, pernas, virilha e cabeça bem a mostra.
- Policiais não tem nem suporte. Ou as viaturas não tem motor ou tem o motor sem viatura. Raramente existe uma viatura com mais de um ano que ainda não tenha o motor batido.
- Policiais tem que se submeter ao sistema ou o sistema os mata.

Mas aonde quero chegar? É o seguinte, o ex-corregedor da PM-RJ foi exonerado do cargo porque queria dignificar a classe. Dar salários condizentes com os riscos e minimizar riscos investindo na infra-estrutura do policial. Era favorável a muitas coisas que governo algum defende, pois todas elas envolvem o bom uso do dinheiro público. E obviamente que suas medidas iam de encontro a todo o sistema, mas como ele é "famoso" para ser silenciado por acidente, o enfiam em um orgão sem importância em nosso país, a Diretoria de Ensino da PM.

Traduzindo em miúdos, tiram do comando uma pessoa preocupada com o longo prazo, enfiando-o em um setor abandonado por qualquer parte da sociedade (pois a sociedade tende a esquecer qualquer coisa que seja relativa a estudo) e colocam alguém mais de acordo com o pensamento do Governador do estado, que é:
- Dar tiro em bandido, a política do "confrontamento burro" (terá um post a parte um dia)
- Deixar o policial morrer em combates sem o mínimo preparo*.

Pensamento provável de algumas autoridades: "Para que dar aumento a alguém que vai morrer em confronto ou envolvido com corrupção?"

Conversei e converso (sejam conhecidos ou que encontro na rua) com diversos policiais, por sinal, até sou confundido como um quando estou conversando com eles (pois conheço algumas gírias e tenho aparência policial, acho... espero não morrer por causa disso) e a situação é caótica, pois todos ganham pouco, se arriscam muito e o serviço é prejudicial demais a eles mesmos porque a lei dá direitos aos bandidos de posteriormente poderem se vingar (é direito do bandido saber quem o prendeu) e como não vale a pena proteger todas as vidas, optaram por proteger suas próprias.

Pensamento egoísta?
Sim.
Odioso?
Sim.
Opções?
Não há, pois depende de vontade política.

E bandido não legisla contra si mesmo.

Por essas e outras que tenho vergonha desse país...

E lembro a todos que esse ano tem eleições, cuidado com os telejornais de determinadas emissoras, elas vão influenciar para o lado que as beneficiem mais, mesmo que esse lado não seja o seu. Portanto, pesquisem, sentem seus traseiros em frente de um computador e usem a internet para descobrir tudo que puderem sobre os candidatos de suas cidades.

É deixando de ser analfabeto político que situações ridículas como essas em que se encontram os policiais do Rio de Janeiro continuam acontecendo. Sei que ler dá trabalho, mas dá muito mais trabalho sofrer as conseqüências de um direito de voto mal exercido.

E o principal: não é porque está na televisão que é verdade absoluta.

*Preparo: Equipamento, treinamento, suporte, informatização, integração entre polícias e outras coisas básicas.

Fontes:

13 comentários:

  1. É foda mesmo,só quem mora no Rj pode entender nem que seja um pouco melhor do que essas matérias publicadas por ai a fora dizem e o pior(ou melhor,não sei)é que não importa aonde vc more pra sentir na pele a diferença,Rj tá virando um estado de todos,ta virando não.........já virou!!!
    tudo junto e misturado,bem assim

    Beijos

    ResponderExcluir
  2. Falando sobre os salários: é um absurdo isso e explica com bastante clareza porque os PM's viram "bandidos". Mas é aí que vem meu pensamento chato e mesquinho, quando eles entraram pra polícia sabiam do salário, dos riscos e que é crime "roubar". Então porque o fazem? Pra que entraram pra PM.
    É complicado!

    ;*

    ResponderExcluir
  3. Muito bom!!
    uma coisa que você falou.. Vontade política (aliás, ótimo aquela parte de pergunta e resposta)... Vontade política... É sempre isso que escutamos como sendo o necessário para que se FAÇA alguma coisa em algum lugar.

    Será tão difícil surgir essa vontade, essa pessoa? Não acho... Surgem muitos por aí, mas a "vontade" deles parece não bastar, seria necessário também Força política.. e infelizmente essa "força" está do "lado negro da força"...

    Talvez no dia em que a ovelha negra nascer no berço de ouro do lado negro... quem sabe?!

    ResponderExcluir
  4. É lamentável que essa situação perdure. Desde os anos 70 ouço falar em falta de vontade política em relação à Segurança (com maiúscula mesmo) - e a coisa se agrava a cada ano.
    Desconheço essa "lei" que dá direito ao meliante de saber quem o deteve. Essa é nova para mim.
    O tom indignado de seu texto é a comprovação de que algo se pode fazer, incluindo provocar discussões acerca do tema.

    ResponderExcluir
  5. É realmente algo que me causa nojo: a corrupção humana. Será que esta será a causa do nosso fim? Quem sofre mais são aqueles que querem mudar, pois toda vez recebem um patada no rosto daqueles que querem manter o status quo...

    Cara, fiquei indignado! E o pior é que quem mantém o sistema penal funcionando para a sociedade, os policiais que não recebem nada, os peritos mal equipados, os promotores sobrecarregados, são os que se ferram mais na opinião pública: dizem que não fazem nada, que são um bando de vagabundo...

    É por essas e outras que dá nojo de ser humano...

    -_-

    ResponderExcluir
  6. Ao mesmo tempo que ainda conseguem me entristecer essas notícias as que já deveria estar acostumado, fico feliz de perceber que tem pessoas na população que ainda são sensíveis e atentas à situação das polícias.

    Abraço!

    ResponderExcluir
  7. Blog, sobre a questão de identificação:

    Artigo 5 da Constituição, direitos e deveres fundamentais,

    "LXIV - o preso tem direito à identificação dos responsáveis por sua prisão ou por seu interrogatório policial;"

    Por isso que policial prefere matar, ele tem a certeza da impunidade e sabe que o meliante sabe quem ele é, logo, para evitar vinganças, põe na conta do governador.

    ResponderExcluir
  8. Você pode achar um absurdo. Eu também acho. Mas, como ex-militar, sei que o código militar proíbe manifestações de opinião por parte de membros das forças.
    Por isso, vc nunca vê passeata de policiais e militares. Vê sempre movimentos de esposas ou familiares. Militar não vota e nem pode emitir opinião. A pena, para quem faz isso, pode chegar a té a expulsão.
    A exoneração foi absurda. Mas não deveu-se a opinião dele (que é óbvia); mas sim a infração de demonstrá-la.

    ResponderExcluir
  9. Concordo contigo, meu irmão é policial aqui no RS e também passa por estas dificuldades.
    Como professora me sinto tão injustiçada pela sociedade e tão abandonada pelo governo quanto os policiais se sentem mas, nem por isso deixo de gostar da minha profissão e dar o máximo de mim em minha profissão. Levo em consideração que as crianças que educo nenhuma culpa têm pelo fato de eu me sentir desmoralizada.
    Não posso deixar de colocar aqui o que uma colega disse quando falei que ser policial é muito pior em termos de psicologia de trabalho, do que ser professor: "Os policiais, pelo menos , aliviam o stress batendo e nós nem isso podemos."...sem comentários! _o/

    ResponderExcluir
  10. Passando pra passear e encontro essa discussão necessária e polêmica. Acho que vou falar besteira, mas não resisto. Não sei de quem eu tenho mais medo: se da polícia ou do marginal... Moro longe do Rio, mas estou desprotegida. Me esclarece: Quando o cara resolve ser professor, contador ou policial, ele vai sabendo que o soldo é vergonhoso. Mas vai. E o governo? Tem interesse na formação?
    Ai. Como eu gosto de vir aqui...

    ResponderExcluir
  11. A cada dia eu fico mais broxado com esse país. Às vezes eu acho que acreditar que um dia a nossa população vai conseguir reverter esse quadro nas urnas, com um pouco de tempo e educação, é besteira.
    Acho que só vai melhorar um pouquinho na base da crise, da revolução e da porrada.
    Mas o povo gosta mesmo é do carnaval. Aqui na minha cidade, o povo fica o ano inteiro reclamando das ruas esburacadas, do hospital que não inaugura, da falta de iluminação em algumas ruas.
    Mas quando chega o carnaval, ninguem reclama do dinhero gasto com o desfile de um carrinhos alegóricos vagabundos, que custaram um bucado de dinhero. E todo mundo cai na folia.

    Abç

    ResponderExcluir

Cuidado com sua postura ao comentar:
A responsabilidade pelas opiniões expostas nessa área é de de seus respectivos comentaristas, não necessariamente expressando a opinião da equipe do Pensamentos Equivocados.