Respondendo sobre "O fim do ensino da língua portuguesa"

Copiando a idéia de meu amigo Dragus, vou responder alguns comentários sobre o artigo que escrevi sobre o fim do ensino da língua portuguesa. Caso você não tenha lido o artigo original, ele pode ser lido aqui.

Fico feliz que muitos tenham entendido a minha intenção e feliz também pelas críticas que recebi, já que todas foram bem fundamentadas.

Não irei responder a todos os comentários, selecionarei alguns, o que não diminui a importância dos que não estiverem aqui.

Chega de enrolação e vamos ao que interessa:

Bad Brain Machine, não foi exatamente a internet que destruiu o português, mas sim seus usuários, que na intenção de se comunicar de forma mais "rápida" e "prática", acabaram por criar atrocidades lingüísticas como o "internetês" e o "miguxês".

Não podemos culpar apenas um dos lados, mas é claro, alguém sempre tem a parcela maior a culpa.

Chris como disse para o Bad Brain, a internet é uma das culpadas, não a principal, pois acredito que ela seja uma ferramenta que possibilitaria (e possibilita) que muitos pudessem aprender, mas o que mais ocorre é o oposto.

"E eu vejo cada coisa, cada "assassinato", mas sei que a culpa não é totalmente do jovem que aparece lá querendo criar seu Orkut e MSN, que faz seus trabalhos escolares com um "copy / paste" do wikipedia, não demosntrando interesse em querer aprender, como vc disse, eles são produto do meio."

Sabe por que isso ocorre? Como você mesma disse, não é culpa da pessoa que vai criar uma conta no Orkut ou MSN, a culpa é do ultrapassado sistema de ensino aplicado no Brasil, que valoriza muito mais os números, do que qualidade em si. Existe também o fato de que não há nenhum método que incentive a leitura, nem como modo de lazer, muito menos como forma passiva de aprendizado da língua.

Essa parte de fazer trabalhos de escolas na base do cópia e cola, é um dos grandes problemas contemporâneos. No meu tempo éramos obrigados a ir em bibliotecas, chafurdar em montanhas de livros até encontrar o que interessa, depois tínhamos que ler tudo para ver se aqui realmente se encaixava no tema do trabalho, para só então, resumirmos e colocarmos no trabalho. Hoje a coisa é bem mais simples, pois qualquer um pode ir no google ou na wikipédia, digitar o que se quer, que logo surgiram várias páginas sobre o tema digitado. O único trabalho que a pessoa terá é realizar dois comandos "CTRL+C" e "CTRL+V". Isso também é culpa do método de ensino que não tem nenhuma política de incentivo a leitura.

Acredito que a net seja o espelho do que falta em nossas escolas - preparo e incentivo aos professores. Infelizmente, muitos decidem lecionar por "falta de opção" (...) Assim não tem como termos bons professores e, conseqüentemente, bom uso de nossa língua materna."

Concordo. No Brasil os professores em geral são uma classe muito mal tratada. Além disso cada vez mais vemos maus profissionais sendo postos de qualquer forma no mercado de trabalho, isso em qualquer área. Junte a isso, os baixos salários e o que terá é o que vemos hoje em dia, maus alunos instruídos por maus professores.

"Desculpe pelo imenso comentário..."

Só desculpo se voltar aqui mais vezes! Brincadeira!


Isto é erro de português: Quando você diz 'Em fim, "É a ingonorança que astravanca o pogreço!"' , o correto seria ENFIM - que indica conclusão, fechamento de idéia."

Iaiá, como disse no seu blog e agora digo aqui, toda a última linha foi feita de forma proposital, sabia que estava cometendo o erro, mas quis deixar assim de propósito, para dar aquela impressão de "sujo falando do mal lavado".

"O uso da linguagem coloquial na mídia não indica a falta de conhecimento da mesma. A coloquialidade se deve às mudanças que as línguas sofrem através dos tempos a fim de FACILITAR a comunicação, tornando-a mais ágil. E digo isso baseando-me em estudos lingüísticos, e textos de estudiosos."

Facilitar é uma coisa, mas a mídia usa isso como um artifício de "emburrecimento" da massa. Quando me referi a mídia, estava querendo justamente falar da mídia informativa, não da mídia de entretenimento. A mídia informativa pode sim usar a linguagem coloquial, mas o que vem ocorrendo é um mal uso do coloquialismo, tornando a por vezes a informação ridícula ou incompreensível. Pegue a primeira página do jornal "Expresso" daqui do Rio de Janeiro, ou do "Extra" (ambos das organizações Globo), para ver o que estou falando.

"Eu realmente achei esse texto taxativo e unilateral..."

Não era minha intenção, o que quis foi transmitir minha opinião em cima de algo que vejo crescer cada vez mais. Não sou nenhum especialista em linguagem, mas me irrita profundamente ver o valor que as pessoas dão a nossa língua, muitas vezes falando e escrevendo errado de propósito, mesmo sabendo o correto.

"Não me leve a mal. Você provavelmente está pensando: "quem te perguntou alguma coisa, menina?", mas quem se atreve a criticar está pronto a receber críticas. :)"

Pensei justamente o contrário. O que fiz foi expor minha opinião, assim como você fez expressando a sua, sobre o que escrevi.


Nossos governantes não estão dando a mínima para o ensino do país, para eles quantidade vem antes de qualidade. Somos em geral um povo que mal sabe articular uma frase de forma correta, e um povo que não pensa, não questiona.


"a) Os portugueses que aqui aportaram trouxerasm o idioma de Portugal(...)b) Esse idioma influenciou e sofreu influência dos dialetos indígenas de então e dos diferentes idiomas e dialetos advindos do continente africano, e que, por seu turno, também sofreram influências de outros idiomas, como o árabe, por exemplo.c)A língua é um fato social e mentalista, portanto, não só é psicológica como cria a cultura e é por ela criada."

Isso que você escreveu pode ser dito, ao meu ver, como regionalização, pois a linguagem tende a se adaptar ao meio onde está, devido a fatores sócio-econômicos, geográficos e culturais. Porém a "identidade cultural brasileira" em si não existe, é uma mistura de muitas outras culturas, por isso nossa linguagem é o espelho de tudo pelo que ela passou desde a chegada dos portugueses aqui até os dias de hoje.

Por essas e outras sou a favor de abolirmos o português e mudarmos o nome de nossa língua e dizer que o idioma falado aqui é sim o brasileiro, devido as grandes diferenças de nossa língua pátria.

"d)Uma língua não acaba..."

Perdão se posso parecer rude ou coisa parecida, mas então o que aconteceu com o sânscrito, o aramaico e o latim?

"Segundo Bloomfield todo falante nativo tem total domínio do seu idioma e jamais comete erros ao realizá-lo."

Discordo e acho que isso é uma das maiores tolices que já li.

"acho complicado escrever sobre erros de português dos outros sem parecer arrogante..."

É realmente complicado, pois quando se faz isso, você da a falsa impressão de ser um profundo conhecedor do assunto. Eu mesmo não estou longe de ser e você pode ver. Embora ache que o erro que cometi seja o erro mais banal e comum de se ocorrer, isso não diminui a minha culpa.


Certa vez li que a língua escrita deveria ser apenas uma representação gráfica da língua falada, mas em português isso não ocorre, já que temos uma gama enorme de letras que expressão o mesmo fonema de outras tantas. Isso complica e muito na hora da escrita, prova disso foi o erro que cometi.

"Sinceramente, não creio que a Internet seja responsável pela degradação da língua portuguesa(...) O nosso governo irresponsável tem grande parcela de culpa nisso, a partir do momento em que ofecere uma péssima educação pública nos ensinos fundamental e médio e facilita a profusão de faculdades "pagou-passou", permitindo, dessa forma, que pessoas que mal sabem o português adentrem o ensino superior!"

Aqui você também comete um erro, pois escreve "ofecere" no lugar de "oferece", mas creio que tenha sido mero erro de digitação.
Falando sério, a internet tem sua parcela de culpa embora pequena, mas tem. A questão do nosso governo é bem simples: eles simplesmente querem um povo burro que não tem capacidade de raciocínio próprio, pois eles podem fazer o que fazem, sem que ninguém questione.

"No entanto, cabe ressaltar que se o próprio indivíduo não tiver o bom senso de preservar a língua e o respeito a suas regras, não adianta estudar nas melhores instituições."


Espero ter respondido de forma correta todos que estão aqui. Caso alguém que não tenha sido citado, tenha vontade de ser respondido aqui, farei sem problema algum.

Espero também ter deixado bem claro qual foi minha intenção quando escrevi sobre esse tema.

Gostaria também de agradecer a todos que se deram ao trabalho de ler o que escrevi, e agradecer ainda mais aos que leram e comentaram, pois a maioria soube fundamentar muito bem sua opinião!
Até a próxima!

16 comentários:

  1. Eu li o outro post. Escrever direito na net às vezes é bem chato. Tão mais rápido usar as línguagens internéticas.

    Fora a qualidade do ensino que tá ruim, o desinteresse das pessoas e é claro a bola de neve que é. Quanto mais pessoas falam e escrevem errado, mais normal isso se torna, e cada vez mais pessoas estão falando e escrevendo de forma errada.

    A solução é tentar escrever certo sempre que possível. E não ser pedante, nem grosso com quem erra. Porque assim você liga a imagem de quem escreve direito com um intelectual mala.


    abç ^^

    ResponderExcluir
  2. Admito que não li o post completo. Mas a idéia foi interessante.

    Como dizem, nada se cria, tudo se copia!

    Abraços

    ResponderExcluir
  3. Cara, sou professor e sei o quanto a correção da nossa tão matratada língua portuguesa é importante. Mesmo sendo professor de Geografia e não de português eu primo e cobro pelas formas corretas da nossa língua... e muitas vezes sou recriminado por isso por outros "mestres" que dizem "ah, eu sou professor de matemática e não de português" (apenas um exemplo).
    Claro que também sei que devido a velocidade de comunicação, a internet proporcionou o surgimento de uma "nova" língua, que quero deixar bem claro que não condeno desde que fique restrita a certos ambientes mesmo dentro da internet.

    É preciso se comunicar corretamente.

    Bom blog!

    Abraço!

    ResponderExcluir
  4. Ler vc não dá trabalho algum...
    A Lingua Portuguesa está banalizada, poucos se importam com ela. O idioma é dificílimo além do agravante de mudanças constantes. Eu nõ sei se gostaria de mudar o nome para lingua brasileira, mesmo porque acho que ela é mais nossa que dos portugueses.
    ""Segundo Bloomfield todo falante nativo tem total domínio do seu idioma e jamais comete erros ao realizá-lo." Dois votos! Comentário tolo.

    ResponderExcluir
  5. acho q os maiores culpados sao o governo e consequentemente a educaçao, culpar a midia eh covardia, ela apenas reflete o pais, nao eh determinante

    ResponderExcluir
  6. É fogo!
    O blog tá bem escrito, bem expressivo e tem utilidade pública!
    Só não gostei da publicidade e da ferramenta de busca da Google bem no topo, mas paciência, como dizia 2 Pac " Se não me conheces não me julgues! "
    Fora a publicidade para mim isso aqui tá ótimo!

    ResponderExcluir
  7. Então..Tudo esclarecido enfim e a postagem ta ótima!

    ResponderExcluir
  8. Olá, eu não tinha lido a matéria de origem do post. Agora que li, rs, realmente essa é uma questão complicada, mas corcordo com vc...Bacana a idéia do post de resposder comentários.
    E...ótimo blog viu, gostei mesmo!
    Abs

    ResponderExcluir
  9. Sabe, fico um bocado pensativa com a decaída da nossa linguagem. Concordo quando foi dito que não é a internet, mas os usuários da mesma que corrompem o idioma. Acredito que os blogs tenham boa parte nisso, é só olhar um pouco à nossa volta e ver que a grande maioria escreve em internetês. O quê fazer, então? Nada esperar, nem desesperar.
    Beijocas
    www.lizziepohlmann.com

    ResponderExcluir
  10. Oi PK e Dragus, sou o Antonoly, dono do blog deletado !oohaY, criei outro blog, o Info Web e gostaria de fazer uma parceria com esse blog de vocês. Se aceitarem, me respondam lá no blog.
    Um abraço!

    www.infoweb.blogsome.com

    ResponderExcluir
  11. Continuo concordando com você alias eu sempre concordo com tudo que tem nesse blog por ter uma boa base e argumentos solidos. Porem penso que devemos ser mais tolerantes com certos erros da internet como erros de digitação ( esquecer letras, acentos, coisas assim mas em pouca quantidade), alem do mais em certas conversas podemos sim usar abreviações, por ex. pq, tdo, mto, etc... Mas tudo tem um limite, no seu outro post tinha uma figura de um perfil no orkut que era totalmente ignorante, com palavras escritas errado mesmo, não meros errinhos, e isso eu sou contra. Na minha escola eramos obrigados a ler a lista de leituras do ano e isso me obrigou muito a ler, mas como tu pode notar eu nao sigo muito bem o perfil culto da lingua porque estes conhecimentos tem que vir de dentro. Sendo assim escrevi um baita texto e nao um comentario. So para dizer que existe um limite para a tolerancia e para a ignorancia.

    ResponderExcluir
  12. ESCREVER DIREITO NA NET É UMA OPÇÃO, ESSA HISTÓRIA DE RAPIDEZ, PORRA, SÓ NO MSN QUE TEM QUE SER RAPDIO. TEM GENTE QUE ESCREVE POST COM VC, KD, HUAHUAHUA, SHUASHUA,É PRA MATAR!

    ResponderExcluir
  13. Quero protestar aqui por não ter, o meu comentário, alvo de uma análise.

    Por isso mesmo, levanto da cadeira, bato na mesa e grito: P*/*/-$#$!

    Eu sei que você é um cara maneiro, "CB" (sangue bom). Tem só um defeito. Coisinha de nada... Respira.

    Bom, brincadeiras a parte, é importante que as pessoas comentem e se preocupem com o rumo que as coisas estão tomando. É assustador ler algo escrito por boa parte dos adolescentes de hoje.

    Quanto a morte da língua; isso ocorre o tempo todo. Aqui mesmo no Brasil, temos várias línguas indígenas em extinção.

    Um abraço.

    ResponderExcluir
  14. Eu lembro desse post, lembro sim...
    E continuo com a mesma opinião.
    Que é mais ou menos parecido com o comentário do Ed Cavalcante ai de cima.
    Msn e celular ate que va lá, mas em outras situações é insustentável a escrita mal feita.

    ResponderExcluir
  15. adoro esse jeito de você responderem os comentários

    ResponderExcluir

Cuidado com sua postura ao comentar:
A responsabilidade pelas opiniões expostas nessa área é de de seus respectivos comentaristas, não necessariamente expressando a opinião da equipe do Pensamentos Equivocados.