Brasil: O país que nivela... Por baixo.

Lendo jornais, vendo campanhas pseudo-humanitárias de fundo eleitoral e outras sandices da nossa cultura (e também o que veio importado de modelos importados), fica aquela constatação ruim que faz quem se dispõe a discutir qualquer assunto com mais de duas linhas a ponderar se os maias estão tão errados em afirmar que o mundo tem alguma perspectiva após 2012 (vide o interesse que muitas vezes aparece em comentários como o do lado).

O Brasil é um país injusto, e isso qualquer pessoa que tenha janela em casa sabe, por mais idiota que seja ou por mais vazia que seja sua cabeça. Se nunca foi excluído, já excluiu, seja o cara feio da escola, a pessoa manca ou aquele professor mais velho. Como dizem alguns estudiosos do tema e quem observa crianças: a natureza humana é má, não o contrário.

Mas voltando ao foco, me surpreende que toda e qualquer iniciativa governamental tome como base o sacrifício da qualidade em prol da quantidade. Não existem obras para a posteridade e o mais distante que um político e o povo pensam se restringe ao amanhã. Se não puder ficar pronto pra amanhã, ou hoje, não presta. Não há um planejamento que não esbarre na questão dos quatro anos.

Ou seja, excetuando-se a hipótese de reeleição todo e qualquer projeto social, político ou obra tem que ser concluído no governo vigente, caso contrário será abandonado. Exemplos é o que não faltam...

Alguém se lembra de Darci Ribeiro? Ele criou um projeto que tinha por primazia criar escolas que além do conteúdo tradicional incluíriam aos alunos um pouco de esporte, um pouco de leitura e um pouco de vida acadêmica. Ele acreditava, e é o certo, na máxima de "cabeça vazia é a oficina do capeta" e queria criar um sistema educacional que ocupasse o tempo da criança de conhecimento nos moldes do sistema de semi-internato, onde a criança passa o dia na escola aprendendo mais do que matérias, possibilitando a essas preencherem suas cabeças com mais cultura e menos mídia.

Eram chamados de CIEPs, cujo empreendimento foi errôneamente apelidado de "Brizolão" por causa da influência da mídia marrom e da politicagem da época. Ficou o apelido e queimou-se o projeto. Anos depois o Fernando Collor (aquele que a televisão derrubou porque ele abriu o mercado e deu uma pancada nas forças dominantes da época) tentou fazer o projeto em rede nacional, e o resultado foi o mesmo: depois do impeachment, o fracasso, o abandono e, como se diz, as favas.

Claro, Darci Ribeiro morreu ainda a tempo de ver seu projeto fracassar, não que seja algo bom - na visão de quem idealiza. -, mas pelo menos morreu ciente de que vivemos num país de pessoas medíocres que escolhem outras pra comandá-las. Acredito que se tivesse testemunhado o advento das medidas tapa-buraco do ensino público teria morrido de desgosto, e, se você acredita na continuidade da vida após a morte, deve pensar que nesse momento ele se revira no túmulo.

Outro exemplo de nivelamento por baixo é a política de cotas em vestibulares. Não entro no mérito da sua necessidade ou não de existir, mas na sua aplicação prática. As políticas de cotas surgiram para dar chances a pessoas que teoricamente não tem chances nos vestibulares. Quando foi adotada, anos atrás, foi alegado que seria uma medida temporária - para quem lembra - e que somente existiria enquanto o ensino público não melhorasse a qualidade do ensino.

Bem, hoje em dia a política de cotas é realidade fixa e não há perspectiva de melhora, o ensino público brasileiro não só não melhorou como piorou, nunca se aprendeu e se ensinou tão mal no Brasil. Políticas de ensino público que visam apenas criar analfabetos funcionais apenas geram a cada ano formandos que mal conseguem ler o próprio nome e fazer contas básicas, e a política de cotas virou uma moeda de golpe onde pessoas manipulam o sistema das mesmas para obter vantagens e facilidades, burlando e tirando vaga de quem teoricamente tem direito.

(quadro com a média GERAL do ensino fundamental)

Mais provas de que o ensino piorou? Clique aqui e veja: Prova Brasil.

Se analisar os dados fornecidos na tabela dos resultados de CEAB, tomando como exemplo os de alunos da 4ª Série Fundamental (que é quando a pessoa desenvolve os gostos que irão aproximá-los da Mulher Melancia ou de Chico Buarque), dá para ficar assustado. Em 1995, vendo as tabelas do ensino público do estado do Rio de Janeiro vê-se uma diminuição grande de alunos que tiraram notas acima da média que o governo federal considera aceitável.

E a média aceitável é no mínimo ridícula... Ela é de 175,52 só em português, a disciplicina que deveria ser a mais importante (pois se querem que você decida o destino das pessoas, no mínimo espera-se que seja capaz de entender as nuances do processo). Para entender o desgosto que isso trás, é só ver que existem 13 níveis qualitativos da prova (no qual 13 é o mais alto,, conforme mostra a figura ao lado) e esse valor acima está no nível 3. Ou seja, de 13 níveis de qualificação ter orgulho de estar no 3º e caindo é algo no mínimo ridículo.

Mesmo com essa média baixa, quando vemos o resumo dos dados pela ótica do ensino público, a situação é escandalosa. Por exemplo, na Região Norte a média no ensino público estadual era de 172,3 em 1995 e no ano de 2001 caiu para 162,6. Na região sudeste, onde teoricamente o ensino é melhor, caiu de 192,7 para 181,4.

E é esse mesmo pessoal que vai fazer prova de vestibular ou está cursando pelo sistema de cotas e inserido nas faculdades, enchendo o mercado de pessoas sub-qualificadas, com despreparo absurdo em relação a quem pode pagar por cursos extra-curriculares e que ao invés de diminuir diferenças (como se propõe) vai jogar por terra o prestígio das faculdades públicas (e isso está acontecendo aos poucos) e criar uma geração de diplomados que não são capazes de nada além de portar um canudo sem valor.

Tudo isso apenas apenas para inglês ver... Para entregar as entidades internacionais dados forjados que dizem que temos milhares de diplomados mas que se forem avaliados um a um possuem tanto conteúdo quanto o de uma lesma, e uma lesma burra. Mas o organismos internacionais já conhecem nosso país e agora não se interessam apenas pela quantidade de formandos, mas sim na qualidade dos dados, na qualidade dos provões, e tudo mais.

Nivela-se por baixo, criam-se mecanismos de aprovação ou pesquisa que facilitam obtenção de números de formandos e no final não adiantou nada. Fica apenas um canudo que no máximo serve de consolo para a pessoa nunca se esquecer do que deixou acontecer no futuro e que quando podia correr atrás do fim dessas medidas eleitoreiras preferiu ir no "bonde" por motivos muito mais egoístas que visionários.

E a culpa é de quem? Minha, sua e de quem mais tiver o porte de uma arma que mal usada mata milhões: o título de eleitor.

Com um clique no "confirma" você está decidindo o destino de todos, pense nisso nessas eleições... Mas a figura abaixo representa bem nosso povo:



Estamos perdidos.

Mas não é apenas no que diz respeito a ensino público que o Brasil nivela por baixo, é em tudo.

Até mesmo eu, no blog, nivelo por baixo a classe política e a sociedade que a coloca no poder. Mesmo me baseando no que acontece e nos mandos e desmandos do poder eleito e no poder imposto (juízes que se julgam deuses por exemplo), ainda assim entendo que dizer "todo político é ladrão" muitas vezes pode soar desrespeitoso aos ladrões, pois geralmente esses cumprem o que prometem... Falácias políticas a parte, existem ainda alguns que se salvam, mas como disse acima, se a natureza humana fizesse do "bem" a maioria coisas como o aquecimento global seria conto de terror e não realidade.

Fontes dos Dados:
- Inep;
- Prova Brasil;

Fonte da Foto de CIEP:
- PDT. (via Google)

11 comentários:

  1. O ensino público era bom na época dos nossos pais, avós, hj é difícil ver uma escola pública boa, e as particulares custam uma fábulaaaa

    :(

    é a realidade...

    ResponderExcluir
  2. Vou me "apegar" em um trcho do teu post!

    Cara se os politicos não pensarem no HOJE tu imagina como esse país ficaria! Todo mundo reclama, todo mundo quer para ONTEM as coisas, as mudanças e tudo mais! Se eles não fizerem o quanto antes este país estará perdido! tu nao acha???
    Um exemplo este problema da dengue!
    Sei que o foco seria educação!
    Mas em tudo, tem que ser pensado no hoje!

    Abraço

    http://dihdusbeko.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  3. Eu concordo cm você. Aqui no Brasil a gente só pensa na solução imediata, no que é mais fácil AGORA. E nem pensamos que fácil agora pode significar MUITO difícil no futuro, pois, como você mesmo disse no caso das cotas nas faculdades públicas, colocar todo mundo pra dentro é muito fácil, mas e quando eles saírem pro mundo ? É uma vergonha essa postura, mas é a pura realidade. Desrespeito total com o povo brasileiro, e o que é pior, desrespeito por parte nossa.




    http://meetmeatthedisco.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  4. Minha professora de história, no ano passado, estava falando sobre escolas particulares e públicas na época dela.

    As particulares eram boas, mas nem tanto, já que entrava quem quisesse, bastando apenas pagar.

    As públicas eram mega conocorridas, e era preciso fazer uma prova dificil para conseguir uma vaga. E o Ensino era de primeira, causando inveja em quem estudava nas particulares.

    Mas enfim, o dinheiro vai transformando as coisas a cada ano que passa, não é mesmo?

    ResponderExcluir
  5. Ah, e sobre o Brizolão, eu juro que não sabia as coisas que você escreveu aqui.
    É cada coisa...



    E sobre cotas, creio que elas sejam um tipo de preconceito. Não concordo com cotas.

    Já os votos, eu ainda não tenho título de eleitor. Vote por mim e por você na próxima eleição.
    ;)

    ResponderExcluir
  6. "Alguém se lembra de Darci Ribeiro? Ele criou um projeto que tinha por primazia criar escolas que além do conteúdo tradicional incluíriam aos alunos um pouco de esporte, um pouco de leitura e um pouco de vida acadêmica."

    Por mais que se tenha criado um clima anti-petista no país lembro que a Marta criou os CEU's que tinham este mesmo modelo. Ainda existem os CEUS, mas não temos mais professores de música, teatro entre tantas outras coisas que tinhamos quando ela era prefeita.

    Governos populistas nunca deram certo no país dos tucanos. =/

    ResponderExcluir
  7. Estou lendo o livro do Fernando Morais que chama "A ILha" e fala sobre Cuba pos revolução. Tem um capitulo que fala sobre as novas escolas e como eles fizeram efeito em prazos de 1 ano. Não sei como aqui no Brasil é tudo impossível no prazo de 4 anos...

    Agora acho um bobagem falar que Brasil isso e aquilo, que o Chico Buarque é melhor que a dança do creu, acho tudo isso uma bobagem enorme e que assim você não consegue fazer nenhuma diferença, apenas reforça a mentira que Brasil é um pais de merda e que seu povo é uma bando de mongoloide, isso num é verdade.
    O nosso problema e ter como base américa do norte e Europa. E não os paises neo potenciais da Asia.

    ResponderExcluir
  8. E também não entendi o repudio ao comentário do cara que disse que não voto pq não sabe. Se todo mundo que não soubesse votar ficasse a pampa em casa não teriamos Franque Aguiar, Clodovil e outras aberrações nos representando.

    Pra mim você só ficou aborrecido pelas criticas dele. Quando pedir comentários aceite o que vier.

    ResponderExcluir
  9. Concordo com o comentário que você mostrou no post. Voto obrigatório é burrice. Se vivemos numa suposta democracia, por que somos obrigados a votar?

    Agora, uma sugestão: Você poderia fazer um post com a história/proposta de Darcy Ribeiro, os CIEP´s, como eles foram idealizados e como eles deram errado...

    Gostei do blog. Assim que a preguiça deixar vou te linkar.


    http://reviewsquadrinhos.blogspot.com

    ResponderExcluir
  10. Acho que você mora no Estado do Rio, certo?
    O Brasileiro tem duas formas de pensar, uma grande e outra pequena.
    Ele pensa pequeno quando almeja as coisas para si e procura o caminho mais fácil. E pensa grande quando se compara a qualquer outra nação. Esse último pensamento foi imbutido na cabeça dos brasileiros por políticos que os querem sempre "inguinorantis" e pra isso, muda todo o esquema educacional, onde o aluno bate o ponto somente para passar de ano. Porque aprender, nada! Porque querer aprender novas línguas e ter visão para enxergar um futuro?
    Seu post está excelente e dá para fazer varias análises. Porquanto não estenderei, mas faço o convite: Porque não participa da blogagem coletiva que vai acontecer no dia 18 de Abril? A blogosfera vai se unir contra o analfabetismo. Se interessar tem um banner lá no meu blogue que direciona para o sítio da pessoa que organiza.
    Você tem bagagem para entrar nessa discussão e enriquecê-la.
    Bom fim de semana!

    ResponderExcluir
  11. Assino embaixo!

    Está cada vez mais difícil imaginar passar o resto da vida neste país cuja tendência óbvia é piorar a cada dia em todos os aspectos. Imagina os 'clegas' de profissão que teremos daqui a alguns anos? Chega a me dar medo!

    ResponderExcluir

Cuidado com sua postura ao comentar:
A responsabilidade pelas opiniões expostas nessa área é de de seus respectivos comentaristas, não necessariamente expressando a opinião da equipe do Pensamentos Equivocados.