Sonhos desmoronam em Itaguaí.



Começou em um dia qualquer de um ano agora sem importância, trocaram nomes, telefones e construíram pouco a pouco uma relação. Foram felizes na adolescência dentro daquilo que a vida em bairros menos abastados permite. A evolução natural das coisas trouxe mais amor, na forma de uma pequena criança hoje com dois anos e que atualmente chora em resposta aos prantos dos pais.

Cinqüenta anos de casado não é algo que qualquer um consegue. E ainda mais com dez deles sentindo no peito sua falta a cada dia, remoendo mais e mais a alma solitária daquela mulher com seus sessenta e nove anos. Ela caminha de um lado para o outro, lembrando-se do esforço conjunto que fizeram em 1965 para comprar o último lugar em que passariam juntos durante a vida. Memórias que antes doíam, mas cuja saudade podia ser superada com fotos agora parecem não ter cura.

Ele tem apenas cinco anos de idade e sente o gosto salgado e acre das lágrimas em sua boca. Tantas vezes chorou em sua vida, mas nunca como nesse dia. Seus brinquedos e sua cama estão lá, mas não estão. Ele se lembra de sua mãe o fazendo dormir, lembra dos amiguinhos da escola na sua festa de cinco anos. Apesar das pessoas subestimarem sua capacidade de compreender não existe algo mais claro que a dor.

O homem solitário prostra-se na sarjeta enquanto uma grossa nuvem de poeira cobre seu rosto e esconde por alguns segundos a cruel realidade. Sua mente o fazia viajar para momentos alegres, como quando seu filho o visitara duas semanas antes para levar seu neto. Tiraram fotos, revelaram filmes e colocaram as fotos na estante da sala. Ah... A estante da sala. Vendo as coisas do modo como ele vê tudo parece distante e inatingível, e o é. Fotos, vídeos, lembranças... Tudo envolto por pó e por esse pó sendo tomado...



Todas as pessoas acima são fictícias, se são reais ou não é mera coincidência, mas unidas por mais uma tragédia do descaso usual brasileiro, onde um prédio em Itaguaí, no Estado do Rio de Janeiro foi demolido hoje depois de uma semana de tristeza para as famílias que moram nesse condomínio e que pelo andar das coisas o prédio que foi derrubado não será o único.

Tudo começou com uma rachadura no prédio e com um chamado, aliás, tudo aqui começa do mesmo jeito. A dengue, a situação que PK descreveu abaixo, tudo sempre existe um aviso, e aviso esse que nenhuma autoridade nunca escuta. A rachadura do prédio evoluiu até que esse tombasse literalmente e com o perigo iminente do desmoronamento a defesa civil optou por destruir.

O caminho fácil, em um país que não previne o mal, o combate apenas quando esse se torna incontrolável. Dengue, tráfico, corrupção ativa, passiva, tudo sempre é combatido, nunca prevenido.

Agora, enquanto posto essa mensagem, as famílias que moram nesse prédio estão passando a vergonha de terem que vasculhar entre uma pilha de entulho suas próprias histórias, tudo porque, com a mesma sensibilidade com que não verificaram o problema antes da solução extrema, não permitiram as pessoas que entrassem nas residências condenadas para resgatarem suas histórias (e nem mesmo enviaram uma equipe para isso).

Além de toda a mobília, as pessoas perderam pertences pessoais que as dignificam como seres humanos, e a única coisa que as separava de animais: a memória afetiva. Com sorte as fotos, documentos, cartas e demais objetos pessoais sejam recuperados, mas com certeza itens de valores sentimentais serão perdidos (como um vaso presenteado por alguém que não vive ou algo de valor sentimental maior)... Triste.

Até entendo o lado da segurança das pessoas, mas é a mesma balela de sempre, há um mês atrás o prédio não estava caindo, e nada foi feito. Ao que consta, existiam denúncias do estado precário do condomínio, mas precisam famílias perderem sua dignidade para isso.

Em tempo, as pessoas da tragédia receberão compensações pífias pela dor que sentem, no caso, uma bolsa de R$ 3000,00 para que mobiliem suas casas e auxílios mensais entre R$ 300,00 e R$ 700,00 para aluguéis.

Só gostaria de saber que tipo de móveis se compra com R$ 3000,00 reais quando uma geladeira simples custa cerca de R$ 800,00, uma máquina de lavar R$ 400,00 (e das vagabundas), um fogão R$ 300,00, só com isso já se gastou R$ 1500,00 além de roupas que foram perdidas, custo de reimpressão de todos os documentos (desde certidões a escrituras, tudo isso tem que ser refeito), e custos de mudança... E R$ 3000,00 trazem de volta sentimentos dilacerados por uma máquina de demolição? Fotos perdidas, aquela fita cassete onde tinha o último registro vocal de uma pessoa que partiu? Tudo isso por falta de interesse do orgão competente em fiscalizar? Acho que não...

Quando vamos parar de nos envergonhar e agir?

(enquanto o povo for analfabeto político sempre vamos sofrer... é o mal da nossa democracia)

Fontes:
Jornal O Dia:
- Prédio começa a ser demolido;

Terra Notícias:
- vc repórter: prédio ameaça desabar em Itaguaí;
- Rio: mais cinco prédios são desocupados em Itaguaí;
- Rio: prédio em Itaguaí será demolido na quinta.

10 comentários:

  1. É uma, se me permite o termo, puta sacanagem. Realmente, enquanto o povo brasileiro continuar de braços cruzados, com esse histórico de alienação política e conformismo, coisas dessas tipo vão acontecer cada vez mais frequentemente. E não pense a classe média (nós) que as coisas estão boas como estão, como é de costume dos que tem sua casa, seu carro e seu emprego fixo: quem tá no meio é o primeiro a ser espremido...

    ResponderExcluir
  2. Já li e não furei fila.
    Muito louvável a publicação dos descasos com a população.
    Creio que todos nós deveríamos gritar nos nossos sites sobre isso.
    Aliás, vou gritar também sobre a dengue, que ao invés de ser estrategicamente tratada, deveria ser eliminada, antes de começar a epidemia, em breve nacional.
    Porque o fumacê está proibido...
    Parabéns pelo tópico e desculpas pelo nosso povo tão conformado com essas tragédias. E que não sabe reclamar de nada.

    ResponderExcluir
  3. A foto estampada no o dia com a metade do prdio em pé deixando expostas as mobílias me deu uma sensação de desamparo.

    E essa ajuda mixa é um tapa nas fuças desses desabrigados.

    Infelizmente esse é o nosso Pais, e as expectativas de mudanças com a chegada ao planalto de um homem que se diz do povo é nula e decepcionante

    ResponderExcluir
  4. Lamentável,sabe que sequer assisto jornal, é deprimente...agora, a causa de tudo isso tu mesmo citou na postagem, enquanto o brasileiro assite a corja política nos roubando e não dá atenção, enquanto a juventude idiotizada idolatara Che ou curte a dança do créu e os pseudointelectuais falam mal da polícia e subvertem os valores morais continuaremos sendo vitimados por acontecimentos como este...

    discute se mais sobre cotas e direitos dos homossexuais do que questões fundamentais do nosso páis em "desenvolvimento" onde muita, mas muita gente memso ainda cata lixo pra ter o que comer

    ResponderExcluir
  5. Fiquei muito triste com essa história, ainda bem que eu não estou lá.

    ResponderExcluir
  6. Olá...
    Dragus, você é um grande crônista do cotidiano... É incrivel como o Estado mata histórias, apaga memorias... E a foto como já foi dito, conta uma história muito triste, vazio...
    Abraços
    Everaldo Ygor
    http://outrasandancas.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  7. O povo do nosso pais é estranho. Trata melhor um estranjeiro do que alguém da mesma nacionalidade. Não ligam com os problemas que acontecem a cada minuto com esse povo sofrido.
    Só iremos nos tornar "algo", quando nos unirmos como um verdadeiro pais,não como pais de faz de contas onde o que ocorreu hoje, não será lembrado amanha.

    ResponderExcluir
  8. Até onde vai a irresponsabilidade?

    Esta estória pode até ser fictícia, mas a gente sabe que existem centenas, milhares de outras reais.

    Itaguaí, Palace II, em Recife também...

    Acabar com a dignidade de uma pessoa por irresponsabilidade, por ganância, deveria dar cadeia eterna.
    Pena de morte não! Os responsáveis devem VIVER muito. Devem dormir pensando o tempo todo que estão na cadeia porque não foram honestos, e carregar essa culpa atrás das grades...

    Infelizmente, isso sim, é ficção.

    ResponderExcluir
  9. Eu vi muito sobre isso na TV, antes de ir dormir esses dias.
    Não dei tanta atenção ao caso, por não ter paciência com a TV e por não ser algo em minha vida.

    Mas, putz, o começo fictício desse post aqui fez eu me sentir mal. Tu conseguiu colocar tristesa naquelas linhas, e o fato de as cores irem ficando mais claras dá a impressão de fraquesa e dor que as pessoas devem estar sentindo.

    As coisas deveriam mudar, realmente. Não sei o que eu faria no lugar de qualquer dessas pessoas. Eu tenho tanta coisa escrita em casa, coisas de tanto tempo... Minhas poucas fotografias, cartas de amigos e outras inutilidades.
    Mas são parte da minha vida, parte das minhas lembranças...

    Aff, fiquei emotivo demais depoios de ler esse texto.
    Hahaha, que merda.

    Enfim, um abraço.



    p.s.: Só agora me dei conta que você é o Dragãozinho Mediador da comunidade. Ainda não havia percebido isso.
    Haha.

    ResponderExcluir
  10. Adorei o post!

    Já que estamos falando da arte de sonhar, dêem uma olhada neste video do youtube http://www.youtube.com/watch?v=hyaX3JgPLVk, ou acesse o site www.meus3desejos.com.br. Tenho certeza que vocês irão gostar.

    Abs.

    ResponderExcluir

Cuidado com sua postura ao comentar:
A responsabilidade pelas opiniões expostas nessa área é de de seus respectivos comentaristas, não necessariamente expressando a opinião da equipe do Pensamentos Equivocados.