Mais uma vergonha: absolveram um assassino.


Pará: Estado brasileiro localizado na região norte, é o segundo maior estado do país. Possui ligações com o oceano, fronteiras com países como o Suriname. Sua capital é Belém, que segue de forma exemplar o exemplo bíblico. Explicando: Belém, foi onde Jesus nasceu, não? E Belém, do mesmo jeito que sua homônima brasileira é palco de massacres constantes contra inocentes (como o massacre de recém nascidos de Herodes e a vida dura sob o julgo dos romanos). Pará é um estado dividido por três grupos, sendo dois enormes (o grupo dos que mandam e o grupo dos que obedecem) e um grupo menor (os que morrem tentando mudar algo).

Esse ano, creio que pela segunda vez, o estado do Pará apareceu mais uma vez na mídia da região Centro-Sul, e como sempre, com notícias nada agradáveis sobre o estado que carrega sangue até na bandeira (vide imagem ao lado). Dessa vez o tema foi mais um julgamento controverso de um estado onde é comprovado o comprometimento da justiça local com os poderes locais (grileiros, fazendeiros, coronéis e similares).

Em 2005, nos mesmos moldes da morte de Chico Mendes, a missionária Dorothy Stang foi assassinada como forma de resposta a luta da mesma por lutar contra fazendeiros, grileiros e madereiros. O assassino depois de capturado confessou o crime e afirmou que o mandante do crime era Vitalmiro Bastos Moura, conhecido como Bida. Houve um julgamento nos mesmos moldes dos assassinos de Chico Mendes e conforme manda a cartilha da justiça, o assassino e mandantes foram apenas aparentemente condenados.

Porque aparentementemente? Todo mundo que vive no Brasil sabe que exceto raríssimas e nobres exceções os três poderes estão podres, fedendo a bosta de carrapato de cavalo de bandido e apenas julgam a favor de seus próprios amigos, não a favor da lei. O julgamento que condenava Bida foi invalidado e marcado um novo julgamento, e um milagre aconteceu, ele foi inocentado, mesmo depois de no julgamento anterior ter sido condenado.

Se fosse um país sério, teria sido preso no mínimo por ganhos não declarados (vide al Capone, preso por causa do imposto de renda, não pelos crimes que cometera), mas é Brasil, e ele foi inocentado e liberado como um homem livre e que todos sabem, exceto os juízes daquela região, que ele é tão inocente quanto os profissionais contratadas por Ronaldo são mulheres. Tudo por falta de Tato (Tato é o assassino de Dorothy, no primeiro julgamento disse que Bida mandara matar, no atual, disse que não... pressão na cadeia? não, que isso...)

Mais uma vez vemos e nos horrorizamos com o sistema judicial brasileiro, que por ter sido criado por bandidos favorece mais um bandido. Dessa vez a coisa soou tão ridícula que até mesmo outros países e organizações humanitárias declararam seu repúdio a mais uma vergonha nacional.

O que também irrita é quando você pesquisa a respeito de "Juiz" e descobre os melindres e sujeiras da classe que permitem que verdadeiros monstros de toga se julguem acima do bem e do mal. Pra começar Juízes são intocáveis, não podem ser presos como pessoas comuns mesmo que matem como psicopatas, não podem ser demitidos porque seus cargos são vitalícios e apesar de serem pessoas a lei os vê como órgãos. E caso sejam afastados dos cargos continuam recebendo normalmente, e com todas as regalias. E quando não erram por vocação, erram por ameaça mesmo, ou julgam de acordo com o que o réu deseja ou vão ter que implorar pra não estragarem o velório.

Em suma, exceções sempre existem, mas o sistema força pela falha dessas seja pela força da lei ou pela força de cupinchas...

Até entendo que em uma região como o Pará seja complicado julgar, dado que as influências locais podem ser nocivas (juízes podem ser dizer e pensar serem Deus, mas são um Deus que podem ser mortos a bala) e a justiça federal e o próprio poder legislativo deveria permitir que em determinados casos os tribunais julgadores fossem distantes do fato ocorrido, impedindo dessa forma que houvesse chance de envolvimento pessoal do poder judiciário, o que nesse caso fica claro que há uma ponta disso, seja por mau caratismo do poder judiciário local ou daqueles que ameaçam os julgadores.

Já passou da hora de acabar com essa história mentirosa de que a imparcialidade pode ser obtida em casos quando o tribunal e seus funcionários ficam perigosamente perto de determinados elementos. Existe um sorteio interno nas varas para determinar os juizes de determinados casos, acho que essa possibilidade poderia ser ampliada e que tribunais de outros estados passassem a integrar o sorteio para dificultar tanto corrupção quanto coação e outras formas de adulterar julgamentos que deveriam ser imparciais e impossíveis de serem influenciados.

Mas isso nunca vai acontecer, é Brasil, o país do jeitinho, do futebol e das músicas regionais vulgares.

E o Pará? Continua e continuará sendo o Faroeste Cabloco de sempre e para todo sempre, pelo menos enquanto houver madeira pra extrair, floresta pra queimar, meninas pra colocar nas mesmas celas que homens viris e sedentos por sexo e minério pra extrair...

Eu sou Brasileiro e não desisto nunca de ter vergonha de nossas mazelas.

Fontes:
- O Globo: Menina de 15 anos presa em cela com 20 homens no Pará diz ter mantido relações sexuais em troca de comida;
- O Globo: Vídeo que mostraria jovem sendo estuprada em delegacia do Pará choca deputado;
- Agência Brasil: Fazendeiro acusado de mandar matar Dorothy Stang é absolvido em novo julgamento;
- Última Instância: Justiça absolve fazendeiro por morte de Dorothy Stang;
- Notícias SocioAmbientais: No centro do Pará, um desafio socioambiental ao Estado brasileiro;
- Wikipedia: Pará.

7 comentários:

  1. Eu sou Brasileiro e não desisto nunca de ter vergonha de nossas mazelas.


    Sei lá, acho que a vergonha por si só não vale de nada.
    Nunca gosto dessas taxações...

    ResponderExcluir
  2. Sim, o Pará é realmente um estado muito complicado no que tange à justiça, mas essa não pode e nem deve dobrar-se às vontades e desmandos de grandes latifundiários e grileiros ( que, no fundo, em muitos aspectos, no estado praticamente confundem-se).

    Até mesmo o presidente Lula demonstrou sua preocupação com a decisão da justiça em absolver o mandante do crime. Felizmente o Ministério Público entrou com uma representação e algumas entidades estão se mexendo.

    Curioso: o fato mereceu, sim, algumas curtas e rápidas menções da imprensa, mas nem de longe houve uma cobertura como a do caso Isabela Nardoni.

    Aquelas pessoas que ficavam de madrugada ( me pergunto se não tem o que fazer no dia seguinte) na frente do apto. dos pais da madrasta berrando por "justiça" será que sabiam da sentença no Pará? E será que já ouviram falar em Dorothy Stang?

    No final, tudo acaba no CRÉÉÉÉU velocidade 6, ou coisa do tipo.

    Também não desisto nunca de ter vergonha de nossas mazelas.

    ResponderExcluir
  3. Sem dúvida, mais uma vergonha enojante e essa com ecos internacionais.

    É incrível como esse tipo de coisa se sucede em nosso país, mesmo com toda a visibilidade. O que esperar então de casos que não chamam a atenção?

    ResponderExcluir
  4. E aí kra, blza!

    É mto triste esse lance da impunidade e mais triste ainda é ver os nossos legisladores no Congresso se acomodarem com a uma legislação criminal de 1945.

    O negócio é colocar gente nova lá e saber votar, antes de tudo!

    Depois passa lá no meu blog.

    Abcs,

    =]
    ________________________________
    http://cafecomnoticias.blogspot.com

    ResponderExcluir
  5. Isso não acontece só nos "rincões". Exemplos de impunidade e de decisões esdrúxulas do judiciário não faltam. Falta mesmo mais participação do povo que fica apenas reclamando, mas corre pra votar e eleger os mesmos safados há tempos. Quem não se interessa por acompanhar políticos e estudar seu comportamento, compactua com todas essas mazelas e desmandos que andam por aí.

    excelente post.

    ResponderExcluir
  6. Eu ainda acho que caminhamos rumo a extinção, numa velocidade espantosa.
    Teu blog me faz pensar. Tem uma indicação para ti lá no meu blog

    ResponderExcluir
  7. E ae blz? Seguinte, sou um dos responsáveis pelo blog Misto Frio (http://mistofrio.com) e também sou o responsável pelo blog Emprego Agora (http://empregoagora.net).
    Estamos organizando um evento de blogueiros no RJ, o Blogando RJ e gostaríamos de saber se vocês do Pensamentos equivocados topariam participar do evento.
    Se quiser maiores informações, como não montamos o site do evento ainda, pode enviar um e-mail que eu respondo.

    mistofrio@mistofrio.com

    Abraços.

    Marcelo Cortez

    ResponderExcluir

Cuidado com sua postura ao comentar:
A responsabilidade pelas opiniões expostas nessa área é de de seus respectivos comentaristas, não necessariamente expressando a opinião da equipe do Pensamentos Equivocados.