[Conto] Uma idéia de dia dos namorados diferente...

Uma idéia de dia dos namorados diferente...
(como fazer do dia 12 uma prova de amor)

Marcos e Fabíola moravam em Santa Catarina e namoravam há muito tempo. Queriam que naquele ano o dia dos namorados fosse algo inesquecível, e para isso foram até as mais diversas agências de viagem em sua cidade. Parecia uma praga, todos os roteiros românticos que não estavam lotados eram caros demais para os padrões do casal.

Parecia que aquele ano seria mais um ano tradicional. Uma troca de flores, afagos e um encerrar de noite em algum motel. Apenas mais do mesmo. No dia 29 de Maio Marcos estava entrando em um shopping recém inaugurado em uma parte mais distante da capital e encontrou uma agência de viagens nova e cujos preços pareciam muito atraentes, principalmente um roteiro que lhe chamou a atenção: Rio de Janeiro apenas o preço da Passagem.

Satisfeito nem pensou duas vezes foi conversar com os atendentes do local...

- Bom dia, senhor.
- Bom dia. - Responde Marcos.
- Gostaria de conhecer Bahamas esse ano? - Pergunta o atendente, um homem magro e de cabelos compridos negros amarrados com um elástico rosa, que chamava mais a atenção de Marcos do que os trejeitos do mesmo.
- Não, eu me interessei pela propaganda do Rio de Janeiro...
- A do preço da passagem?
- Essa mesma, como funciona?
- Bem, você gosta de filmes de ação? Tem alguém especial?
- Gosto. E tenho sim, alguém.
- Então você vai adorar... Ainda mais que é o pacote para namorados, esse é O pacote! - Diz o atendente, pegando uma folha suja de papel em uma gaveta e puxando o roteiro da viagem. - Vamos explicar como funciona...

"Você, que está namorando deve estar pensando no que fazer esse ano."

"Se for o primeiro ano de namoro, é fácil. Se for homem, um buquê, se for mulher uma roupa sexy e um lugar especial. Mas e se vocês já estão juntos pensando em um lugar diferente para passar o dia dos namorados?"

- Mas como sabe! - Interrompe Marcos.
- Todos procuram por isso quando vêem esse pacote...
Quantos já vieram aqui?
- Só hoje um.
- Contanto comigo?
- Sim...

"...Bem, foi pensando nessa situação que criei um roteiro dos dias dos namorados baseado em nossas desventuras... Onde você efetivamente se sentirá como em um filme de ação (o final, quando depois de toda a loucura você ainda consegue suado e sangrando beijar a pessoa amada)."

"Esse roteiro foi criado em função da localidade onde vivi, mas como todo lugar tem áreas parecidas, você vai acabar encontrando o seu."

- Então posso fazer esse roteiro aqui em Santa Catarina? - Pergunta Marcos.
- Claro que pode. - concorda o atendente. - Mas a graça é justamente você estar em um lugar estranho...
- E o que levo?
- O que levar? Fica a seu critério, mas primeiro leia o roteiro antes de ponderar se a sua mala com rodinhas agüenta o tranco ou se a pessoa que é a responsável pelo levantamento de peso na relação vai agüentar o exercício físico... Vamos as etapas!

"...1ª Etapa: A Viagem."
"Pegue um ônibus para o Rio de Janeiro. Mas o objetivo não é fazer de sua viagem uma coisa normal ou cara, lembre-se que você precisa de dinheiro pra dar aos taxistas que vão te roubar na rodoviária e aos pivetes que te assaltarão na praia (sem esquecer o da velhinha que parece apenas inofensiva, mas tem uma folha criminal mais pesada que a corcunda dela). Se puder realizar a viagem em um pau-de-arara, um tanto melhor. Vai exatamente de acordo com o ideal de aventura da aventura."

"2ª Etapa: Desembarque."
"Saia do ônibus sem se preocupar com nada. Lá na rodoviária existem diversas empresas de táxi que cobram um valor fixo para cada bairro, mas você não pode perder a oportunidade de conhecer a honestidade carioca. Faça como a maioria do povo, não leia as placas das empresas sérias de táxi e vá direto no primeiro táxi que encontrar. Dê preferência ao que te lembre mais um malandro, daqueles em que não confiaria nem um "oi". Se o táxi tiver placa amarela, melhor ainda (a placa de um táxi não é amarela no Rio de Janeiro)."

"Provavelmente você pedirá para ser levado a copacabana ou algum intinerário normal. Não faça isso. Escolha algo como Pavuna ou Complexo do Alemão. O taxista imediatamente irá te tratar não mais como apenas um turista otário, mas como um otário suicida. Ele vai incluir no golpe do taxímetro além da extorção um guia completo de onde adqüirir os melhores ilícitos da região. Peça a pessoa que o acompanha que faça uma cara feliz ou completamente alheia, como estivesse na selva."

"Se durante o trajeto o taxista parecer que está lhe enrolando é porque ele ainda não passou pela quinta vez na mesma rua."

"3ª Etapa: Hotel."
"Hotel? É dia dos namorados! No Rio ficarão em um Motel, mas apenas a noite. Escolham o de aparência mais pulgueiro que existir na região do Complxo do Alemão. Não se preocupe, se não encontrar um peça ao taxista que volte até Vila Isabel e peça para serem deixados no motel Trampolim. O trampolim é um hotel albergue, de diária baixa e que além do baixo conforto é indicado levar roupa de cama de casa para evitar micoses (e filhos dos que usaram o quarto antes). O bom é que fica perto do shopping Iguatemi do Rio de Janeiro, e por sua vez perto das favelas da região de Vila Isabel, onde durante a noite podem ser vistas balas traçantes riscando os céus de uma forma que Bin Laden se emocionaria ao ver."

"Pague ao taxista os 300 reais da viagem, se não tiver dê algo a ele como pagamento, seja sua namorada ou namorado, mas deixe o taxista escolher... O que vale é a aventura. Lembre-se, se você pegou o ônibus em São Paulo na madrugada do dia 11 e chegou as 6 da matina do dia 12, provavelmente estará no mortel, ops, Motel por volta de dez horas da manhã."

"4ª Etapa: Almoço a luz de velhas."
"Depois de arrumar suas coisas no motel saiam do motel e peguem um ônibus qualquer. Não importa para onde vai, como vai e se o ponto final fica a duas quadras. A idéia é passear, e depois de torrar 300 reais no táxi não deve restar muito dinheiro, não é mesmo? Junto com seu amor, peguem o busão e se tiverem sorte em algum momento verão os tradicionais botecos cariocas. Lá comerão a melhor comida de suas vidas: a última."

"Porque digo "última"? Dadas as condições de higienes desses locais, a quantidade de baratas por metro quadrado e a presença certa de ratinhos simpáticos e com leptospirose, provavelmente se essa não for a última refeição, fará da próxima a melhor de todas. Nessas horas melhor levar um remédio pra barriga, pra ajudar a caminhar no resto do dia. Se precisar usar o banheiro, não pense em ir até qualquer outro lugar que o desse mesmo boteco. A falta de tampo nas privadas de botecos é apenas um adicional em sua aventura."

"5ª Etapa: Tiroteio."
"Enquanto come, assista o jornal. Não o tradicional, mas aqueles tipo "mundo-cão" que passam no Rio de Janeiro na hora do almoço. Com ele saberá onde estão acontecendo todos os tiroteios da cidade. Não pense duas vezes, levante-se, corra sem pagar a conta do boteco e pegue o primeiro ônibus que vir. Depois de algumas quadras salte do ônibus e tente chegar até o local do tiroteio com auxílio de algum mendigo. Não peça informação ao motorista de ônibus, eles podem dar a informação certa e acabar com a diversão. Conseguiu chegar ao tiroteio a tempo? Não conseguiu? Procure um moleque carregando fogos e compre o artefato, e depois solte-o. Provavelmente o tiroteio se não recomeçar os transformarão em alvos."

"Corram."

"5ª/2 Etapa: Surra, se for pego."
"Se forem pegos, vão apanhar algumas horas, sofrer abusos, talvez morram, mas eventualmente serão soltos apenas tendo pago fiança (claro, bandido também aceita dinheiro em troca de liberdade, não acontece apenas na justiça, mas pelo menos o bandido costuma cumprir acordos)."

"Se sua pessoa amada for pega, prepare-se para negociá-la."

"6ª Etapa: Assaltados na Praia."
"Não existe nada melhor que tomar uma água de coco sentado na beira da praia? Existe, ser a pessoa que assalta quem ainda é louco de ter essa prática. E você será assaltado. Vá para copacabana (não se preocupe, no Rio de Janeiro todos os caminhos levam a Copacabana) e simplesmente ande pela praia com cara de quem não está prestando atenção. compre água de coco e pague com nota de cem reais, conte dinheiro enquanto caminha, de preferência o troco. Não vai demorar muito e será notado."

"A abordagem incluirá uma arma, um moleque e aquele que dá cobertura. Geralmente vem de bicicleta, pois atualmente os policiais aprenderam a correr, e se apenas te assaltarem repita o procedimento do parágrafo acima até ter uma aventura. Deixe bem claro ao meliante que você tem seu cartão de banco com saldo. Isso lhe possibilitará um seqüestro relâmpago. Se você for morador de São Paulo, pule essa etapa, quem nunca sofreu isso em Sampa conhece alguém que sofreu."

"Pronto, você foi assaltado junto com sua amada. Mas você ainda não reagiu ao assalto. Reaja e tome um tiro no pé, dessa forma um de vocês será apresentado ao sistema público de saúde do Rio de Janeiro. Uma aventura da qual nunca vai esquecer."

"7ª Etapa: Sistema Público de Saúde."
"Uma viatura do SAMU virá te socorrer quando sua consciência estiver quase desaparecendo. Peça a sua companheira, se estiver em condições, que pegue seus documentos. Apenas ele. Se tiver uma obturação de ouro dê-lhe adeus."

"Primeiro você será levado ao Hospital da Lagoa onde por falta de vagas será colocado em outra ambulância e levado para o Hospital Miguel Couto. Até aí seus chinelos estarão nos dedos de algum funcionário do hospital. Sua carteira idem, ou pelo menos o que a recheia (mas como foi assaltado, a carteira ou não estará ou não voltará). Finalmente, depois de alguns muitos hospitais e transferências será internado no Hospital Carlos Chagas na Penha. Tenha idéia que é uma viagem longa e sua vida depende de ser uma viagem curta."

"Quando acordar do coma verás que além da cicatriz de um tiro levará para casa algumas doenças diferentes, que adquiriu em nosso eficiente sistema de endemias. E a pessoa que o ama, se tiver sobrevivido a tudo isso junto contigo e ainda estiver ao seu lado será com certeza aquela com quem poderá dividir o que resta de sua estadia na Terra, provavelmente mais curta depois de tanto estresse..."

- Mas... Isso não é uma viagem! - Espanta-se Marcos, querendo parar de escutar tanta insanidade. - Não existe coisa assim!
- Se existe ou não você pode comprovar... Mas veja o lado positivo, você conheceu a cidade do Rio do ângulo dos moradores e ainda deu a pessoa que ama um dia dos namorados dos quais nunca irão esquecer.
- Não... Nunca a levaria.
- Mas podemos levar sua sogra. Esse é o único pacote que incluí seguro de vida, ela não precisa saber do roteiro.
- Tem guia?
- Claro... Guia e agente funerário, para todas as ocasiões.
- Então podemos começar a negociar...

Naquele dia dos namorados Marcos fez a mesma coisa de todos os anos, exceto por um detalhe que Fabíola não percebeu: ele sorria mais que o habitual.

Da sogra nunca mais tiveram notícias... Exceto quando Marcos ganhou na "sena".

2 comentários:

  1. Ola tude bem?
    Então eu sou o dono do blog Cogumelo Louco
    e vim aki pedir um favor,
    eu mudei o link do meu Dominio e queria pedir pra você mudar o link para
    Titulo: Cogumelo Louco
    link: http://www.cogumelolouco.com

    Abraços

    ResponderExcluir

Cuidado com sua postura ao comentar:
A responsabilidade pelas opiniões expostas nessa área é de de seus respectivos comentaristas, não necessariamente expressando a opinião da equipe do Pensamentos Equivocados.