[Opinião] Cada País Tem o ensino Que Merece.

Existe um hábito vergonhoso em todo político Brasileiro que insiste em aplicar o que chamo de "solucionática do milagre aplicado" para dessa forma obter votos gerando problemas.

Um deles é o sistema de cotas. Uma abominação iniciada até onde me lembro no Rio de Janeiro e que até hoje só surtiu resultado porque ainda é polêmica e, portanto, existe algum acompanhamento de "otoridades" interessadas.

A grande verdade é que o sistema de cotas é uma ilusão. Explico, meses atrás postei um artigo a respeito da qualidade de ensino no Brasil, com base em dados do SAEB, e para resumir trago um dos gráficos que retirei dos relatórios.

Claro que esse estudo foi substituído por outro mais novo com outros critérios onde se avalia de modo a parecer que melhorou. Atualmente o Governo Federal utiliza os dados do IDEB que por uma linda coincidência apresentam uma misteriosa melhora ínfima de 0,01 pontos. De forma que ou algo melhorou no ensino, ou a metodologia mudou em busca de alterar o resultado. Particularmente creio na segunda opção, vejam os dados do IDEB abaixo.


Eles (defensores ferrenhos do governo) podem e sempre irão alegar que são estudos teoricamente diferentes, mas a função é a mesma: avaliar desempenho do ensino. E um avalia mal, outro bem. Acredite no que achar mais adequado, eu escolhi o meu...

De qualquer jeito, o que se pode ver pelos gráficos acima que esse é o profissional do futuro. É nesse estudante que está em uma escola que o congresso colocará uma enorme mentira apenas com o objetivo cruel de dar diplomas como se o conhecimento fosse objeto de jogatina eleitoral.

Triste é ver que pessoas acreditam efetivamente que o governo fará algo, quando não fez. O ensino do Rio de Janeiro é um dos piores do Brasil, por sinal, a única coisa que nossas escolas públicas, ao menos algumas, possuem de bom é a cobertura do bolo, mas de que adianta se o recheio é de merda má qualidade. Aqui a coisa soa tão ridícula que mesmo com um ensino de nível fácil o Prefeito do Rio de Janeiro tentou instituir a aprovação automática de alunos para desafogar o sistema de crianças são tão deficientes no ensino que sequer conseguem passar em um sistema de notas conceituais, onde basta um único conceito "Regular" para se passar de ano.

Soma-se a isso a criminalidade e suas facilidades. O sistema de matrículas que não é efetivo e muitas vezes por falta de vagas obriga crianças a realizarem verdadeiras jornadas em busca do saber, e algo que não encontra: pois faltam professores. Volta para casa, perde o apego pela escola, se um dia teve, e nunca mais volta.

E os professores? Quando não estão mal qualificados e com deficiências de formação, estão completamente desmotivados. Recebem mal, exigem muito e em contrapartida os diretores muitas vezes superprotegem alunos delinqüentes por motivos os mais diversos, tirando do professor a pouca autoridade que ainda possui.

Dessa forma perpetuam um hábito antes presente em poucos lugares: o aluno finge que aprende o que o professor finge que ensina pro diretor fingir que deu certo pros governos fingirem que não temos analfabetos. Mas de que adianta formar uma criança/jovem que é incapaz de ler dois parágrafos de um panfleto e não interpretar a mensagem? De passar por uma situação vexatória em público e achar graça da própria desgraça?

Esse mesmo aluno, se durante o percurso não abandonar a escola, vai ter uma possibilidade de cursar faculdade sem ter passado por um processo educacional pleno. Claro, existem exceções, mas o problema é que não devemos ter boas exceções, e sim o contrário. Dizer que "existem bons alunos" ou "existem bons colégios" é aceitar o que acontece e tentar colocar panos quentes em algo vergonhoso. Todos os colégios deveriam ser bons. Todos os professores bons. Todos os alunos bons. E puder, que sejam ainda melhores.

É claro que essa política de cotas sem a melhoria do ensino não vai melhorar nada. Não dá pra tentar corrigir em quatro anos de curso superior algumas das deficiências que citei acima. É oneroso a faculdade, ao professor receber tal responsabilidade. Ao invés do Estado (e falo da nação como um todo) assumir a responsabilidade se exime. Se o aluno proveniente do sistema de cotas não conseguir se formar por suas deficiências a culpa será da faculdade. Nunca do sistema.

É um caso a se pensar... Dar chances aos desiguais não é apenas nivelar por baixo, mas dar-lhes chance concretas de obter o próprio mérito. Um sistema que enfoca apenas a "solucionática milagrosa brasileira" não consegue mais do que votos e piorar o que não era tão ruim.

Primeiro FHC sucateou fisicamente as faculdades públicas.

Agora o Poder Legislativo e Executivo sucateiam juntos a qualidade do ensino público.

O que virá depois? Médicos que não sabem nem escrever os nomes dos remédios? Engenheiros que mal sabem que antes de "p" e "b" se usa "m"? Professores de português que falam "a gente vamo"? Matemáticos que não sabem quanto é "1+1"? Vejam as imagens abaixo, é isso que querem no futuro na combinação perigosa que resultará da qualidade de ensino do Brasil com um sistema de cotas nos moldes atuais? Eis uma série de placas comemorativas...





Até porque quem é rico mesmo na falta de faculdades de qualidade podem optar por outras formas de obterem cultura. Podem fazer cursos superiores fora do Brasil, viajar o mundo por intercâmbios, e até mesmo pagar um MBA ou Mestrado... Objetos de desejo que por coincidência (ou não?) a cada ano substituem mais e mais o tradicional.

E hoje em dia para sair do Brasil e ir estudar nos berços da cultura o mínimo que querem das pessoas é que tenham dinheiro.

Lembrando que o projeto de lei não afeta apenas universidades, mas todas as instituições federais de ensino, como CEFETs, Pedros II e outros.

Enfim, essa é a vida... Por isso digo:

Se quer f*der algo vá no motel. Voto não é sacanagem ou forma greco-romana de masoquismo.

É uma arma, e ela quando não mata as pessoas de fome ou, dentre outras, não as mata nas filas de hospital: as mata de burrice.

Fonte:
O Globo:
- Senado aprova sistema de cotas que reserva 50% das vagas das universidades para alunos de escolas pública
Senado:
- SF PLS 00546 / 2007 de 18/09/2007
- PROJETO DE LEI DO SENADO Nº , DE 2007
IDEB:
- http://ideb.inep.gov.br/Site/
SEAB:
- http://www.inep.gov.br/download/saeb/2005/SAEB1995_2005.pdf

6 comentários:

  1. "É a ingonorança que astravanca o pogreço!"

    ResponderExcluir
  2. Falar de educação é comigo mesmo, ainda mais depois deste semestre de faculdade, em que li dois livros sobre escola e educação, e em que sofri com a universidade estadual em que estudo. Enfim, nao posso reclamar por mim, pq tenho varias oportunidades, tanto que faço duas faculdades, as me preocupo com o resto das pessoas e até mesmo com o meus filhos. Sempre fui contra as cotas, o governo antes de criar cotas deveria melhorar a educação gratuíta, e não levar problemas do ensino fundamental e médio até o ensino superior. E para estes problemas que temos hoje, existem muitos motivos sendo o primeiro deles a mudança do enfoque da escola pública, que antes formava pessoas de média e alta classe para concorrer vestibular ou ter uma profissão, hoje a escola se torna uma coisa pobre para o pobre, sem objetivos e sem poder de pressão para o estado.. Enfim, as coisas estão péssimas nestes quesitos.

    ResponderExcluir
  3. Esse assunto sobre cotas é muito controverso. Eu mesmo já tive opiniões contrárias a elas, mas hoje simplesmente deixei de me importunar com isso.

    Antes de passar no vestibular, eu era totalmente contra, debatia com as pessoas e tentava mostrar o absurdo que eu achava ser esse sistema. Mas, hoje, depois de ter entrado na faculdade e ter visto de perto como as coisas se processam lá dentro, passei a me questionar sobre a funcionalidade da coisa.

    Ainda mantenho uma opinião parecida com a do Dragus, mas passei a ver o lado dos cotistas também. É triste você ver alguém dar um seminário sobre behaviorismo e sequer saber pronunciar o nome dessa corrente. "Então, o bérraviorismo..." Você ouve aquelas construções sintáticas pobres e se pergunta: é esse o nível de universidade que queremos? Por favor, não estou generalizando. São apenas casos.

    Então, tem-se a problemática: forçar um Ensino Superior goela abaixo de quem mal fez o Ensino Médio não é uma solução inteligente, mas por outro lado ver essa pessoa colar o seu 2º grau e virar apenas mais um marginal parece descaso para com eles.

    Ainda sustento que investir na educação de base é o melhor caminho, e nunca vou tirar isso da minha cabeça. Só assim teremos um Brasil menos desigual, pobre e mal-tratado. Porém, não vamos ser radicais contra as cotas, mesmo sendo elas um atraso e um paliativo. Afinal é fácil falar de fora, quando se teve acesso a estudo de qualidade.

    Só pra finalizar, um recado pra você Dragus: respeito sua opinião e concordo com ela. Ninguém quer profissionais desqualificados e caos no país. Se me mostrei agressivo, não foi a intenção. Só queria apresentar um outro lado de enxergar a situação que talvez você até tenha, e só não tenha exposto aqui.

    É isso.

    ResponderExcluir
  4. Que estamos sendo nivelados para baixo faz muito tempo. A democracia é o sistema onde, infelizmente, a maioria acaba ditando o destino de todo o resto.

    O que acontece quando a maioria é burra e sem cultura? Lula na presidência e sistemas de cotas a torto e à direita.

    Todo e qualquer sistema de cotas é burro porque sectariza. Qualquer medida que divida a sociedade em classes ou raças é perniciosa pois acaba por autorizar a discriminação explícita.

    Já havia falado em meu blog sobre a panacéia dos sistemas de cotas para negros nas universidades. Outro é o projeto de lei em votação na Câmara é aquele que prevê cotas de 20% para negros nas empresas...nem a iniciativa privada escapou da hipocrisia!

    Agora, cotas para alunos vindos de escola pública.

    Estão dividindo cada vez mais o bolo. Uma fatia para negros, uma fatia para os vindos de escolas públicas... não tardará para que os asiáticos, europeus, índios também venham requerer a sua fatia no bolo. No final teremos as vagas todas divididas entre minorias pré-qualificadas apenas pela cor de pele ou dinheiro em conta bancária. E o mérito? ONDE FICA O MÉRITO????

    Concordo com o artigo: a solução está na melhoria do ensino de base. Se o aluno advindo da escola pública não entra nas faculdades/universidades federais e estaduais existe um motivo: porque o ensino que recebeu não foi suficientemente bom para lhe garantir uma vaga.

    O que acontecerá? Teremos em breve universidades/faculdades federais e estaduais imprestáveis. Os que tem dinheiro procurarão outra maneira de terem um diploma que preste. Certamente irão buscar instrução fora do pais.

    Diploma pro forma já virou cultura brasileira mesmo.

    ResponderExcluir
  5. A verdade é que o povo despreparado é um solo fértil para o político corrupto. Sem capacidade de análise e sem compreender sequer o mundo que o cerca, o "formado" pelas escolas públicas é meramente mais um bovino solto no pasto.

    A maior prova disso, é a pesquisa realizada pela prefeitura do Rio e que apurou a incrível marca de que 50% da população sequer sabe que haverá eleições municipais este ano.

    Essa massa descerebrada é que decide a eleição e que propaga e perpetua esse estado de coisas animalesco em que vivemos.

    Um abraço.

    ResponderExcluir
  6. A grande problemática é:

    O ensino de base é péssimo.

    Agora, depois que o vivente passou a duras penas por este péssimo sistema de ensino, lhe damos o canudo e lhe dizemos:

    Sinto muito meu filho, você recebeu um péssimo ensino e infelizmente não pode seguir nesta burrada, o melhor é que você não faça a faculdade para não aumentar o problema do Brasil, país este, responsável pelo péssimo ensino que você recebeu. Pode ir trabalhar como gari ou talvez engraxate (sem nenhum desmerecimento a quem trabalha com isso), você não tem o direito de sonhar com algo melhor para si e sua família.

    --------------

    Eu acredito que se deve investir, como já disse em meu blog em resposta ao Arthurius, massivamente em educação básica.

    Mas e o que faremos com os que estão aí, os que já passaram pela educação básica de má qualidade? Vamos fingir que não existem.

    NÃO DEVERIA existir cotas para negros ou índios ou pobres, mas na atual situação; temos que considerar.

    O correto é manter as políticas ELEITOREIRAS a curto prazo a fim de minimizar os danos aos necessitados, aumentar o preparo nas instituições de nível superior a fim de suprir a deficiência causada pela péssima educação de base enquanto se toma medidas para melhorar definitivamente o ensino. E não começar pelo contrário, cortando tudo e depois refazendo. Daí até refazer quanta gente será prejudicada?

    *(asterisco 1) Muito bom o texto do Dragus.

    *(asterisco 2) É claro que não resolveremos os problemas do mundo, mas nossas discussões servem para alertar os que ainda dormem para a política no Brasil.

    *(asterisco 3) Pessoal, eu espero não ser mal interpretado, não desejei de maneira alguma ser ofensivo com ninguém, mas este comentário foi daqueles que as palavras vão vindo e agente vai escrevendo.

    ResponderExcluir

Cuidado com sua postura ao comentar:
A responsabilidade pelas opiniões expostas nessa área é de de seus respectivos comentaristas, não necessariamente expressando a opinião da equipe do Pensamentos Equivocados.