Barcas S/A, sinônimo de despreparo e imprudência.

Imagine a seguinte situação: você e sua família vão passear num domingo para um local distante, mas que faz parte de sua própria cidade, tem de pagar uma passagem de R$ 9,50, só para ir até este local, chegando lá o tempo não está muito bom, seus planos de curtir uma praia nem vão por água abaixo, pois não há condições, pois a água está literalmente verde. Depois de algumas horas você volta, paga mais R$ 9,50, leva mais uma hora para voltar e quando acha que tudo vai terminar bem, o pior acontece, na hora de desembarcar o único tripulante existente libera a saída dos passageiros pouco antes do tempo, alie isso a pressa em desembarcar, mais empurrões atrás de você e um flutuante desnivelado e o que você tem é um tropeço, que poderia ser um simples tropeço, mas para seu grande azar sua perna acaba ficando presa entre o flutuante e uma barca que pesa toneladas. Sua perna é esmagada, você grita de dor e desespero, a barca continua a esmagar sua perna. Mais desespero, pessoas estão chocadas, pessoas gritam, choram, pessoas gritam para que o comandante afaste a barca... Depois de momentos agoniantes e que parecem não terminar mais e barca finalmente se afasta e sua perna é liberada. Alívio em fim, sua perna não quebrou, por pouco, mas a dor e os momentos de tensão dificilmente passaram com apenas alguns analgésicos.

E então caros leitores, conseguiram imaginar a tal situação? Quem dera isso fosse a premissa de narrativa para um de meus contos, pelo contrário, isso aconteceu, eu vi e foi bem real. O fato acima descrito ocorreu no último domingo 12/08/08. Minha epsosa, meu pai e eu, iámos fazer as compras de mês, parecia que tudo ia dar certo, até a hora em que chegamos ao Rio e presenciamos o fato. Minha esposa e meu pai já haviam desembarcado, eu fui em seguida, quando olhei para o lado vi um senhor tropeçar e a perna ficar presa no vão entre a barca e o flutuante que estava nitidamente desnivelado em relação a barca.

Durante todo o ocorrido havia apenas um tripulante, que não possuía sequer um rádio para comunicar-se com a cabine de comando para mandar a barca se afastar. Esse mesmo tripulante parecia não saber o que fazer, pessoas corriam para tentar ajudar, mas o que podia ser feito contra toneladas de ferro esmagando a perna de alguém. Uma senhora desmaiou, uma moça entrou em desespero (que parecia alguém da família), enquanto outra parte dos passageiros gritava para que o comandante afastasse a barca, eu estava entre essa parcela dos passageiros.

Por alguns instantes e vi a perna do senhor que tropeçou dobrar e pude jurar que ela seria esmagada, mas por sorte não foi, a barca se afastou e aparentemente ele teve apenas uma séria luxação. algum tempo depois que a perna dele foi retirada, um outro funcionário da Barcas S/A veio lentamente com uma cadeira de rodas, isso depois de quase cinco minutos que ele havia sido removido do esmagamento. O restante do que ocorreu não pude ver, pois minha esposa também estava muito chocada e pediu para sair dali o mais rápido possível.

Agora vêm as perguntas: por que só havia um tripulante durante o desembarque? Por que o desembarque foi feito antes da barca estar completamente atracada e segura? Por que o flutuante estava mais baixo do que a barca? Por que o tripulante não possuía um rádio para se comunicar com a cabine de comando? Por que só depois de dois minutos um funcionário apareceu com uma cadeira de rodas? Que tipo de assistência a empresa deu/dará a esse cidadão e sua família e as outras pessoas que presenciaram a cena, como a senhora que desmaiou e a moça que entrou em desespero?

No site da empresa não há uma informação sequer do ocorrido (também por que haveria?), alías, a última notícia data do dia 31.

Infelizmente não tenho imagens do ocorrido para ilustrar este artigo, estava preocupado e chocado demais para pensar em tirar uma foto sequer, além do mais, não quero fazer mídia para o sensacionalismo. Em compensação tenho esta foto (ver abaixo) que tirei há pouco mais de uma semana, quando outro incidente envolvendo a mesma empresa ocorreu e eu fui a vítima, mas isto é assunto pra outro artigo.


Na imagem acima pode-se ler com clareza os dizeres "..., mais rapidez, conforto e economia...". "Conforto"? "Economia"? Isso é o que a Barcas S/A oferece aos seus clientes, principalmente àqueles que pagam o valor mais alto pelos seus serviços mal prestados.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Cuidado com sua postura ao comentar:
A responsabilidade pelas opiniões expostas nessa área é de de seus respectivos comentaristas, não necessariamente expressando a opinião da equipe do Pensamentos Equivocados.