Chegou o Iphone... E daí?



Enfim após longos meses de defasagem - como nos é tradicional. - chega o Iphone no Brasil.

E o que significa?

A não ser que você disponha dos 2.000 reais mais o dinheiro da conta com certeza diz muita coisa, mas para pessoas como eu e PK significa que mais uma vez o custo brasil entra em ação.

Lá fora um Iphone custa 299,00. Obviamente vendido com todas as restrições que um preço desse tipo agregam, com contrato com fidelidade, taxas absurdas em caso de cancelamento ou migração de plano e o fatídico e velho bloqueio de mudança de oeperadora, conhecido em nossas terras.

Esse celular no Brasil com as mesmas restrições não custa menos de 999,00 (eu vi um a venda em uma loja da Vivo, mas apenas para pagamento a vista e em uma daquelas contas onde não se paga conta, paga prestação). Em condições normais custa 2.000,00 e se eu quiser comprar no modo prépago (ou diria "livre") não pago menos de 3.000,00 reais.

Vale tudo isso?

Claro que não.

Pra começar já fucei em um de um amigo e apesar de muito divertido é um celular que tem mais espectativa que função em si. Com o mesmo preço que se paga um Iphone nacional compro um notebook ou até trës (se for aquele da Asus) que vai executar muito mais funções e com uma boa conexão wireless e um VOIP até ligações farei.

É bonito? Demais, muito liso, um charme incomparável, mas dentro da minha realidade financeira não compensa. Não vale 3.000,00 nem que me paguem, aliás, se me pagarem um, aceito porque não sou bobo. =p

Mas ainda assim não consigo entender (apesar de saber como é) onde no processo de importação do telefone o preço é pelo menos multiplicado por 10, no que diz respeito a tecnologia. Não falo apenas de celulares, mas de tudo mesmo. Um reles nintendo Wii - videogame, para quem não sabe. - custa lá fora se não me falha a memória cerca de 299,00 dólares. Aqui sai por 2999,00, ou seja, pelo menos dez vezes mais cujo custo real é apenas o preço lá fora, o do frete e o da loja, o chamado "custa-brasil".

O resto? Some por mágica. A mesma mágica que libera amigos de juízes, que faz pessoas embriagadas serem consideradas sóbrias em exames de bafômetros, que vota no próprio aumento e responsável por tantos outros truques que fazem do país um paraíso.

Enquanto isso começam aos poucos a surgirem os primeiros brasileiros com o Iphone Nacional. Nunca imaginei que o termo "eu tenho, você não tem" para algo insignificante valesse tanto...

Ou seriam tolos? Veja o link que coloquei abaixo e tire sua própria conclusão, se é que já não a possui...

Sim, nós temos Iphone. E bananas.

E se pensa em comprar im Iphone leve determinadas coisas em consideração:
1- Dificuldade em trocar a bateria, aliás, de manutenção. Nunca vi nenhuma loja anunciando manutenção em Ipods, que o diga Iphones...;
2- Custa caro, e dependendo de onde more além da prestação do aparelho e da conta ainda terá que arcar com seguro, pois o risco de comprar pra ladrão usar é grande;
3- Existem aparelhos alternativos que fazem mais por menos dinheiro;
4- Não tem expansão de memória, quando lotar, lotou. Você vai lembrar disso quando precisar de espaço;
5- Custa caro agora, depois fica mais caro e em seguida fica menos caro;
6- Você pode importar um com a ajuda de algum amigo que viaje, ou importar dois, vender o segundo para algum pelo preço que pagou nos dois e ainda tirar algum graças a nossa mágica.
7- Não é porque dizem que é perfeito que será perfeito, quem define isso é você, a pessoa que vai arcar com os custos monetários e mentais para utilizar/manter o aparelho.

Fonte:
Amazon
- Pesquisa do termo "Iphone";


Referências:
Pois Bem
- [MUNDO HI-TECH] Será que o iPhone é mesmo isso tudo?

10 comentários:

  1. Texto impecável. Apenas adicionaria esse texto no final:

    Será que o iPhone é mesmo isso tudo?

    by Buchecha, é claro =P

    ResponderExcluir
  2. Oi Dragus, querido!
    Que bom que está d volta.

    Então... certa vez, ouví um relações públicas, de uma fabricante de tv lcd, dizer o seguinte:
    "- O preço de lançamento é exorbitante, reconhecemos.
    Mas temos que pensar no seguinte... caso o produto não produza o interesse que se espera, a primeira demanda de vendas, compensa (e muito). Se ele (o produto) encalhar, já estamos cobertos e não teremos prejuízo. É só observar a queda do preço, depois de algum tempo de lançamento."

    É mole?
    E hoje, ouví num porgrama de jornalismo:
    "Esse aparelho está em falta. Já está esgotado.
    É possível encontrá-lo, em uma loja no centro de SP, no valor de R$ 2.000,00, porém, sem garantia."

    Pois é, querido...
    Chegou o Iphone... E daí?

    Beijokinhas multisaudosas.
    *

    ResponderExcluir
  3. O grande problema é que o empresariado brasileiro continua ganancioso e com o olho maior do que a barriga. De colocassem o aparelho por um preço mais baixo; venderiam milhares por causa da espectativa criada e lucrariam muito mais com os utilizadores.

    São uns idiotas.

    ResponderExcluir
  4. Como marketing o iPhone é um sucesso. Já vi vídeos de demonstrações dele, é realmente de deixar qualquer um de boca aberta.
    Mas pergunto? Precisamos disso?

    Creio que para 99.9% das pessoas a resposta será não, mas talvez 100% destas pessoas prefiram o status de ter um destes, ao terem algo que realmente sejam úteis.

    Bom, parabéns pelo blog, cheguei por indicação de um texto de http://diariodeiza.blogspot.com/, e realmente ela estava certo, blog muito bom. Já o adicionarei para que eu sempre lembre de entrar.

    ResponderExcluir
  5. Acho que esquecem o tamanho do salário do brasileiro(generalizando).
    Esse preço exorbitante é fora dos nossos padrões.Existem sim as pessoas que pagarão por isso,mas como você disse, devemos pesar e ponderar muito para adquirir um produto que lá fora já possui um valor irrisório.
    abraço!

    ResponderExcluir
  6. Ouvi falar deste Iphone mas, na verdade, não sei bem o que ele faz.

    A postagem lembrou-me do tempo em que uma linha telefônica custava o preço que eu jamais poderia pagar.

    Assino embaixo: "Chegou o Iphone...E dai?" porque não ligo para estas "frescurinhas" que nada tem a acrescentar...

    Eu com isso, para o Iphone!

    Beijos!

    ResponderExcluir
  7. Passando para informar o novo endereço da Coluna do Lorida:

    gilgomex.wordpress.com

    ResponderExcluir
  8. Confesso que tava animado com a chegada do Iphone no Brasil e achei que me daria de presente de natal um aparelho deste.

    Mas minha idéia caiu por terra no dia do lançamento quando foi divulgado o preço da "criança".

    Eu uso celular apenas pra fazer ligação. Devo ser o único a comprar um celular apenas pra ligar e não vejo logica em gastar um valor exorbitante deste.

    O Iphone assim como todos os produtos da Apple são exemplos de marketing de sucesso. Por isso que o preço é tão alto e mesmo assim falta aparelho.

    Se pegarmos o valor cobrado, tenho certeza que será algo parecido como, 10% é o valor do produto, 25% é a importação de um país para outro e os 65% restantes estão incluidos os impostos e o status de se ter o produto em suas mãos.

    Sabe quando vou comprar o Iphone 3G? Provavelmente quando o Iphone 4G estiver saindo de linha. huahauhauah

    Blog Esponja ®
    www.blogesponja.net

    ResponderExcluir
  9. É como vc mesmo fala, iPhone para quê ??
    A única coisa que ele tem demais é o sistema de touchscreen, que é realmente eficiente, mas fora isso, qualquer outro celular serve, e a concorrência está vindo com sistema semelhante de touchscreen, mas fazendo coisas normais que um celular faz, como mandar sms e mms, coisa que o iPhone não faz, fora que ele tem um concorrente interno, que é o iPod Touch, que tem tudo que o iPhone tem, exceto a função de celular, e os grandes fabricantes de celulares, especialmente Samsung e LG, estão chegando com aparelhos touchscreen, suporte a SDHC, e câmera de no mínimo 3,2 MP com autofoco . Não serão mais baratos que o iPhone eu acho, mas pelo menos o $$$ gasto valerá mais a pena que o iRubbish .

    Abraço

    ResponderExcluir

Cuidado com sua postura ao comentar:
A responsabilidade pelas opiniões expostas nessa área é de de seus respectivos comentaristas, não necessariamente expressando a opinião da equipe do Pensamentos Equivocados.