[Opinião] Em terra de ladrão quem tem juiz (no bolso) é rei.



Não importa se a justiça é lenta por excesso de processos ou se os processos são lentos por causa da justiça, como diria a frase de uma famosa marca de biscoitos (ou seriam bolachas?) dos anos 90/80.

Hoje o Supremo Tribunal Federal, em mais um indicativo que algo está muito podre na terra dos bananas, ordenou a soltura de 9 presos porque os processos não andavam.

Até aí, pode-se pensar que seriam ladrões de galinha ou algo assim, talvez para mostrar que a Justiça ainda é Justiça. Mas não.

Cientes, conscientes e aproveitando-se do momento político atual os ministros do Supremo (que diga-se de passagem: são eternos no poder e intocáveis) soltaram integrantes do PCC alegando que o processo estava demorando demais e os podres coitados não podiam estar presos.

Sabe o que mais enoja nisso tudo? Foram presos em flagrante em julho de 2004. Pesam sobre eles acusações de homicídio qualificado, porte ilegal de arma de fogo, falsificação de documento público, receptação e formação de quadrilha. E agora estão soltos, somente permanecerão presos se existem outros processos paralelos contra eles, caso o MP tenha juntado processos para agilizar julgamento serão soltos.

Para piorar ainda mais o STJ mandou anular autorizações de grampos não justificadas em todo país sem sequer analisarem os méritos caso a caso. Ou seja, para que alguns sejam soltos é necessário apenas o desaparecimento de alguns formulários.

E em uma Justiça que armazena dados em arquivos de papel sumir com documentos que fundamentem grampos é a coisa mais fácil no país do suborno, como aconteceu meses atrás no Rio de Janeiro quando misteriosamente um incêndio ocorreu na UERJ em um dos depósitos da justiça local.

A cada nova atitude do STF há uma dilapidação cada vez maior da honestidade e dos valores democráticos da sociedade que mesmo que teóricos ainda existiam. Decidem anular autorizações de escuta movidos por puro anseio da classe política, de particulares com dinheiro e da mídia, sem nenhuma espécie de filtragem. Dando a calhordas com dinheiro tempo mais que suficiente para fugirem ou eliminarem testemunhas, arquivos ou investigadores.

Mas como investigar os laços e amarras dos poderes do STF se não existe como fiscalizar, pois os ministros do STF hoje em dia são: imputáveis, ininvestigáveis e intocáveis? Aliás, não apenas eles, mas Daniel Dantas & amigos, os donos dos habeas corpus mais rápidos da lei brasileira dos últimos anos.

Por sinal, enquanto a lei dos grampos (que vai dificultar mais ainda o trabalho investigativo da polícia) transita com a mesma velocidade que subornos somem em mesas de repartições públicas outros projetos que enrijecem o código penal e coisas como as que aconteceram hoje mofam no congresso, como o projeto de lei de iniciativa popular da mãe de Gabriela, agora apenas mártir da luta pela moralização do poder imoral ou o pacote anti violência que entrou no congresso depois dos incidentes do PCC em São Paulo e dos ataques do tráfico no Rio de Janeiro.

Dois pesos, duas medidas.

E esse é o país que quer conquistar as Olimpíadas e vai sediar a Copa...

Fonte:
O Globo
- STF manda libertar 9 integrantes de facção que tentaram resgatar presos em Franco da Rocha;

5 comentários:

  1. "Quem tem padrinho não morre pagão."

    Brincadeiras a parte, a corrupção no Brasil está institucionalizada. E, tenha certeza, que essas decisões "estranhas" do STF e do STJ ultimamente, nada tem a ver com esse criminosos "normais" das quadrilhas que assolam os pobres cidadãos.

    Todas essas decisões que firmam jurisprudências que visam unicamente dificultar a investigação e o processo de criminosos, estão sendo proferidas com endereço certo: Impedir que o cerco a Daniel Dantas seja remontado.

    Se as mesmas decisões fossem tomadas diretamente a favor de Dantas, agrita seria geral (como foi).

    Agora tomando essas medidas em criminosos "aparentemente" sem ligação com o banqueiro, atinge-se o mesmo objetivo (firmar jurisprudência) e ninguém suspeita de nada.

    Malandragem e corrupção andam sempre de mãos dadas. E o cara não é banqueiro a toa.

    Um abraço e mais um excelente artigo.

    ResponderExcluir
  2. Os problemas no Brasil são tão interligados que fica dificil discenir qual é maior que o outro. Alguns podem dizer que é a corrupção, mas a justiça tbm tem uma parcela de culpa enorme nesta mazela. A demora por condenar visiveis casos, faz com que o povo brasileiro além de esquecer nomes e partidos, tbm perca a esperança de um país melhor, com políticos competentes e não ladrões. Aliás, a justiça, como vc mesmo citou, consegue ser arcaica e lerda até fora dos padrões da política:

    A violência que consome e mancha nosso país todo dia é ajudada por processos incompletos e prisões com uma probabilidade enorme de nada acontecerem. A prioridade é dada ao ladrão de quinta categoria ou ao traficante ignorante.

    Fazer oq né? É o Brasil... q venham às Olimpíadas eo Mundo. Abração rapaz!!

    ResponderExcluir
  3. Na moral, não da vontade de fugir?
    Puta que o pariu esse país de merda.
    Nossa fico puto com coisas desse tipo. Não consigo ler sem me estressar.

    Talvez minha revolta seja ampliada pq meu pai morreu assassinado por bandidos condenados pela justiça e fugitivos dos presídios aqui do estado.

    Mas daí ler que bandidos agora são soltos pela própria justiça sem ao menos serem julgados e o motivo é pq a justiça tava dormindo no ponto?

    Desculpa as palavras, mas vai tomar no cú né.

    ResponderExcluir
  4. Meu Deus, pq não nasci na suiça, filho de banqueiro e cheio de loiras gostosas e safadas pra tudo quanto é lado?

    Pq meu Deus?

    ResponderExcluir
  5. E depois tem gente que fica ofendidinha, ou bravinha, ou irritadinha quando falam mal do judiciário, ou dos juízes, ou dos advogados.

    A cada dia, eles mesmos dão mais munição e razão para que se "desça o cacete" neles.

    A verdade é que, dos três poderes, o judiciário é o mais corrupto. Bem mais do que o executivo e o legislativo.

    ResponderExcluir

Cuidado com sua postura ao comentar:
A responsabilidade pelas opiniões expostas nessa área é de de seus respectivos comentaristas, não necessariamente expressando a opinião da equipe do Pensamentos Equivocados.