[Opinião] Impunidade, Injustiça e Brasil: Sinônimos.

Hoje um dos policiais envolvidos com o assassinato do pequeno garoto João Roberto foi julgado em primeira instância pelo Tribunal do Júri.

Havia um certo ar de corporativismo em tudo isso, até porque dependendo da condenação e do veredicto a culpabilidade do governo Sérgio Cabral seria exposta. São policiais que andam pelas ruas despreparados, em carros tão blindados quanto folhas de papel 75g e vestindo coletes pretos que funcionam mais como alvos do que como coletes. Não tem treinamento, não tem amparo moral da população e recebem um salário miserável para proteger pessoas que elegem miseráveis ainda piores e que cometem genocídios com canetas.

Até entendo e compreendo que o policial agiu movido pelo tradicional e habitual pavor que existe em todo PM do Rio de Janeiro - uma cidade de um país em guerra, onde se morre mais que no Iraque, com guerra declarada. - de ao abordar qualquer carro pode ser alvejado por mais tiros do que seu cérebro conseguirá calcular antes de virar pasta de miolos em alguma calçada e depois estampando a capa de algum jornal de 50 centavos com manchete de "Casaco Azul Fica Vermelho" ou algo pior.

Mas não posso aceitar de modo algum que não sejam punidos por homicídio. Existem atenuantes? Existem mil. Mas o júri condenar o policial a apenas 7 meses de trabalho comunitário e afirmar que tudo não passou de "Lesão Corporal" (nas palavras do Jornal onde li a notícia - link no final)?

Desculpe a falta de, digamos, decência e o uso que farei de termos chulos, mas preciso perguntar:

O JÚRI COMEU MERDA?


Na melhor das hipóteses tenho que acreditar que agiram sob ação de alucinógenos. Sério, ou de algum modo bíblico João Roberto voltou dos céus durante o julgamento ou há algo errado com TODO O SISTEMA. Não é a primeira vez apenas esse ano que o tribunal do júri julga homicídios como meros acidentes de percursos, desmerecendo sobreviventes ou família de vítimas.

De longe querer atacar o policial, mas que sistema é esse que ao invés de condenar o policial por homicídio prefere dizer que a morte não ocorreu?

Que país é esse onde simplesmente admite-se que uma criança não morreu, que foi apenas "lesão corporal"... Qual a justificativa em cima disso? Não existe. É muita falta de vergonha na cara de todo o júri. Que lisura pode se esperar e identificar de uma justiça que distorce algo definitivo como a morte e condena alguém que matou por puta lesão corporal?

Vale lembrar, com redundância, que esse ano não foi a primeira vez que a justiça do Rio disse: "ninguém morreu".

Policial acusado de matar Daniel Duque é absolvido


Entendam, há nítido corporativismo nisso. Em ambos os casos os assassinatos ocorreram porque os policiais envolvidos estavam nitidamente despreparados ou havia algo de errado no procedimento adotado. Daniel Duque podia ser um transgressor agressivo - como li em comunidades do Orkut a respeito dele... o que não garante se é ou não verdade. - ou podia ser a reencarnação de Cristo. Morreu porque o policial não soube fazer abordagem, não tinha curso de segurança ou qualquer tipo de preparo, tinha apenas uma obrigação: defender o filho da promotora. Ou ele fazia isso ou seria coagido a fazer, porque policial que não cumpre ordens superiores e não se vende, sobe morro e morre com fogo amigo disparado por arma de "bandido".

Condenar ambos é condenar o sistema, é admitir que há algo errado. Não foi um conluio visando proteger os policiais envolvidos, mas sim uma forma de proteger o sistema que não treina os policiais em técnicas de abordagem, que não contrata firmas especialistas em segurança, que não equipa a polícia, que não paga bons salários as pontas dos icebergs, que cria leis que obrigam o recém concursado a trabalhar enquanto funcionários estáveis coçam virilha e caçoam dos que furam greves ou que simplesmente tentam fazer algo por quem está do outro lado do balcão. Ou mesmo que o presidente da autoridade máxima da justiça age em prol dos amigos que ali o colocaram.

Melhor que mortes não existam do que o sistema admitir que precisa ser revisto.

E a culpa é minha, sua, nossa... Que deixamos existir uma democracia de mentira e elegemos sempre os mesmos partidos e políticos.

Enquanto isso que venham mais João Hélios, João Robertos, Eloás, Lindebergs e tantos outros... Até que não reste mais ninguém.

Fonte:

O Globo:
- PM acusado da morte de menino João Roberto é absolivdo de homicídio e condenado por lesão corporal;

Terra:
- João Roberto: PM é punido com serviços sociais;

UOL:
- PM acusado pela morte do menino João Roberto é inocentado;

Leitura Recomendada:
- Pensamentos Equivocados: [Opinião] A Ponta (Policial) do Iceberg;
- PoisBem: A violência me venceu;
- VisãoPanorâmica: A “PULIÇA”, A “ORTORIDADE” E O DESPREPARO.

10 comentários:

  1. Nesse caso acho que a tese do promotor (homicídio doloso) foi equivocada e causou a absolvição. Deveria ter sido optado pelo homicídio culposo (quando há culpa por negligência ou imperícia e não há intenção de matar). Afinal de contas, o PM não saiu para matar o garoto. Fez uma caga*a total e ERROU em seu julgamento ao atirar sem verificar antes.

    E esse detalhe técnico é que lhe deu a absolvição. Tenho plena certeza.

    O promotor é que quis aparecer e acabou ferrando o processo. Se fosse culposo ao invés de doloso, tenho certeza de que o camarada seria condenado.

    Esse é o problema com nosso judiciário; falta competência e seriedade; sobra vontade de aparecer.

    O processo ainda dá aos PMs sinal verde para atirar primeiro e perguntar depois (desde que estejam em serviço). Uma aberração.

    ResponderExcluir
  2. Cara, fiz um comentário e não apareceu o tradicional aviso de moderação. Ele foi registrado?

    ResponderExcluir
  3. huahauha, nao posso deixar de expressas minhas sinceras gargalhadas ao ler o "prólogos" dos comentários. nao d forma debochada, mas de uma verdade explícitas no dentes amarelados pelo cigarro. enfim, voltando ao post só posso dizer que mais uma vez o Brasil se fez aparecer. Um circo que é. O que mais dizer em relação à nossa justiça, polícia, política... e ouso dizer até do sistema litúrgico. De repente, abriremos as torneiras de nossas casas e perceberemos que nem mesmo o serviço de esgosto funciona. Mas o que eu estou dizendo? É só olhar no Nordeste ou até mesmo a poucas quadradas de onde eu escrevo pra ver essa realidade. Brasil, cansei.











    de repente um marketing!

    ResponderExcluir
  4. Eu tava ouvindo o jornal de relance e realmente o que me chamou a atenção foi quando disseram que a promotoria queria homicídio duplamente qualificado

    Provavelmente na época houve um baita estardalhaço da imprensa que botou pressão no promotor que por sua vez cometeu um erro grosseiro que estourou agora

    ResponderExcluir
  5. O problema agora é que a promotoria terá que ganhar a causa nos recursos de qualquer forma. Pois foi criada a figura do matador a serviço do estado. E ninguém (de lá) pensou nesse fator. O próprio Gilmar Mendes já se manifestou sobre o caso. E nem está no STF ainda.

    Tem tudo para se transformar em estudo de caso nas faculdades de direito (como não fazer ou como fazer uma cag*da em três lições).

    Agora é esperar...

    ResponderExcluir
  6. Oi Dragus!
    Então, hein?
    Isso porque foi juri popular.
    4 votos contra 3... tsc, tsc, tsc

    E assim caminha a humanidade?
    Pára o mundo que eu quero descer.

    Beijokinhas e um bom final de semana.
    *

    ResponderExcluir
  7. Com certeza comeram merda, chega a dar raiva e nojo desse povo de merda que (povo que digo serve tanto para esse jurí quanto até para a maioria do nosso povo brasileiro que infelizmente vê uma coisa dessas e fica calado. Claro que temos a minoria que se revolta e quer colocar a boca no trombone como é no caso do post do blog mas ainda é pouco, chega a dar inveja dos Hermanos Argentinos pelos seus panelaços ou melhor ainda inveja mesmo é dos Gregos que queimaram e estão queimando a porra toda na Grécia, depois da morte de um jovem de 16 anos, morto pela mesma polícia onde no mundo todo era para sevir somente para (que ironia)"Servir e Proteger" e não para assassinar e depois saber quem foi que eles mataram...

    ResponderExcluir
  8. Nunca gostei de leis, pois são burras, assim como muitas das pessoas que as fazem. O sistema judiciário também o é, afinal, se eu tiver um vídeo de alguém cometendo um crime, porém o vídeo não foi autorizado, ele não serve como prova. Ou seja, fatos deixam de ser fatos somente por força de lei. É cegar para benefício de alguns.

    Se houve proteção ou não, não sei. Só sei que eu adoraria que houvesse um pouco só de coerência na 'justiça'. Infelizmente não há.

    ResponderExcluir
  9. Ainda enxergo uma luz no fim do túnel. A possibilidade que temos de nos manifestar pode contagiar outros a votar consciente para que o sistema melhore. Policiais que são honestos sofrem mil vezes mais de depressão do que professores.
    O sistema não permite a limpeza de caráter.

    Beijos!

    ResponderExcluir
  10. É verdadeiramente um absurdo!
    Também acho que provas são sempre provas. Como se pode condenar alguém que fez algo monstruoso sem provas. Acreditar naquilo que falam algumas é mais importante do que câmeras registram.
    Outro dia , naquela histórias de CPIs também não aceitaram um vídeo onde se podia ver claramente a ação de políticos corruptos aceitando propinas. Daqui a pouco as leis estarão tão equivocadas que para atirar no bandido o policial deverá perguntar primeiro: senhor podemos atirar em vossa senhoria?
    Ou então deverão anunciar primeiro ao político safado: Vossa Excelência permite que eu faça uma gravação onde o senhor se apareça recebendo propina, mas devo avisar que ele pode servir de prova. O senhor nos autoriza?
    è o cúmulo ... Este não é um país sério, definitivamente.

    ResponderExcluir

Cuidado com sua postura ao comentar:
A responsabilidade pelas opiniões expostas nessa área é de de seus respectivos comentaristas, não necessariamente expressando a opinião da equipe do Pensamentos Equivocados.