Dicas: Criando e concebendo assunto em blog, site, twitter e o etc e tal.


Em primeiro lugar não penso fazer como outros blogs, que dão o passo a passo de como criar um blog. A esse respeito o que não falta é site ensinando, alguns até com vídeo explicativo.

Quando publiquei no início do ano passado o "Dicas: Como ter um bom blog" dissertei sobre diversos pontos favoráveis e outros nem tanto sobre como ter um bom blog, mas sempre vejo em comunidades de blog no orkut e outros sites dedicados ao assunto a pertinente pergunta: "quero ter um blog mas não sei sobre o que falar!".

A resposta a essa pergunta é simples, mas sua aplicabilidade complicada.

Conceituando, blog é uma categoria de site de internet que permite a uma pessoa de carne e osso personificar suas idéias e conceitos no ambiente virtual. Entendeu? Vamos com outras palavras: Blog é um site onde você expõe seus pensamentos. Enquanto em redes sociais como Orkut ou Facebook você dedica o espaço a criar um reflexo de sua imagem ainda que seja a personificação do que quer ser e não do que é), no blog você abre ao mundo a possibilidade de falar o que pensa.

E em blogs, assunto é o mais importante. Mais importante que layout, endereço, dia do mês, ano ou idade de quem posta.

A única restrição de assunto que existem nos blogs são as leis que regem os países de origem do dono do blog e de onde está hospedado o serviço, geralmente a lei dos EUA. Isso sem contar as regras de bom senso.

Do que falo afinal de contas?

Dentro das possibilidades possíveis apenas você pode dizer do que gosta. Ao contrário da vida real, onde podemos viver uma vida inteira em profissões rentáveis economicamente e que matam nossas almas (não que seja uma vida feliz, mas ainda assim é possívei e recorrente), o mesmo não acontece com blogs.

Você é seu blog, e seu blog é você. Se você cria uma ilusão dentro do contexto, em algum momento não vai conseguir mais fingir. Se você não gosta de de futebol a ponto de conseguir gerir um blog de futebol, por mais rentável que seja, você vai abandonar o projeto em algum momento. Você pode enganar a todos, mas nunca a si próprio. Nosso subconsciente sempre nos sabota quando exercemos atividades desagradáveis, geralmente causando esquecimentos que pensamos ser corriqueiros.

Isso é pior ainda se sua idéia é tão somente fazer dinheiro. E só. Viver do que publica da internet.

Se não falar do que gosta vai levar prejuízo. O público sempre percebe a diferença entre quem fala do que gosta e quem fala do que não gosta. É cristalino que nem água. Você que deseja fazer do blog sua referência pessoal e profissional não pode ter como vitrine uma mentira.

Mas como descobro do que gosto?

Reflita e pense. Não consegue descobrir o que gosta, não pergunte na internet. Não é através de um site estranho que você vai conseguir isso. Procure em si mesmo. Não consegue? Vá ao recurso mais antigo da raça humana: pergunte a pais e amigos. Apesar do avanço da sociedade virtual, é na sociedade real ainda em que encontramos nossas referências.

Agora, descobriu sua vocação? Do que gosta de falar? Gosta de falar de culinária? Documentários sobre cavalos mancos do himalaia? Então fale. Por mais específico que seja seu nicho, ainda assim é um nicho. Nenhum homem é único, sempre existe uma meia furada para um sapato velho. Ou novo.

E vale a pena ter a ferramenta "blog"?

Se você sabe o assunto, deve se perguntar: vale a pena ter um blog?

Apesar da versatilidade da ferramenta, não quer dizer que seu perfil seja o de um blog. Ao menos não do modo clássico. Se você gosta de fotos, procure outros serviços similares para publicar suas fotos, como o Flickr. Seu negócio é falar do aqui e agora, do cotidiano ou do que está vendo na TV? Então provavelmente sua praia é o Twitter. E por aí vai.

A única coisa que delimitará (depois da definição do assunto que deseja abordare fazer de sua vitrine) o destino de suas palavras/idéias/etc agora é seu conhecimento técnico. E esse depende de muitos outros fatores.

Mas aí é outro assunto.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Cuidado com sua postura ao comentar:
A responsabilidade pelas opiniões expostas nessa área é de de seus respectivos comentaristas, não necessariamente expressando a opinião da equipe do Pensamentos Equivocados.