O encontro da felicidade.

Foto de São Paulo, que tirei em 2008.
(para minha pessoa SP representa esforço e sucesso profissional)


Não deveria ser precipitado, mas não seria também justo com quem me acompanha nesses quatro de anos de blog deixar de mencionar o que me acontece.

Existe uma velha máxima que diz que todo esforço será recompensado no fim, e que todo sacrifício tráz sua recompensa, ainda que tardia.

Eu sempre fui e sempre serei realista, quando não muitas vezes pessimista. Mas apesar de tudo isso e com a ajuda tanto de amigos quanto de minha amada esposa eu acabei adquirindo também a capacidade de não desistir de lutar pelo que acho certo e muitas vezes de fazer o que acho certo, mesmo que por linhas tortas.

Sou insistente, tanto pro bem quanto pro mal.

Esse ano foi o ápice disso.

Em outubro passado, exatamente um ano, fui comunicado que teria que sair do apartamento onde morava com minha esposa, uma vida "estável" apesar de eu não ganhar o suficiente para ter conforto e a maior parte do dinheiro ser proveniente do trabalho dela (não tenho vergonha de assumir que fui sustentado pela minha esposa, muito pelo contrário, tenho orgulho e muita gratidão de ter essa sorte). Acabamos sofrendo um puta retrocesso, voltando a morar em Paquetá, onde estou fará um ano no final do mês.

Isso refletiu de forma absolutamente negativa em minha vida.

Acabei praticamente abandonando o blog, entrando em um processo depressivo principalmente porque por quase três meses eu, minha esposa e meus cinco gatos de estimação ficamos enfiados em uma residência alugada - e eu odeio morar de aluguel, afinal de contas, aluguel é que nem comprar algo e no final ficar sem esse algo - desejando a cada dia que passava conseguir de algum modo estabilizar.

Bem, em algum ponto desisti de esperar e enfiei a cara no trabalho. Eu e minha esposa traçamos como meta para 2009 sair de Paquetá e arrumar nosso canto. Não porque seja ruim viver em Paquetá - na verdade é muito recompensante, fato. - mas porque é caro. A passagem de barca pesa no orçamento mais que o tempo de viagem e nossa vida social definha porque a última barca sai 23:00, o que impede crescimento profissional (como fazer curso a noite sem poder ficar até o final da aula?).

E trabalhamos. Cada um do deu jeito e no seu ritmo. E trabalhamos muito.

Seis meses atrás um cliente fixo meu confessou estar sem interesse em continuar com a firma e me perguntou se eu estava interessado na empresa, com a qual eu tinha um contrato de manutenção. Pensei cinco minutos, consultei minha esposa, meu pai (que é contador) e meu padastro (que é bom em finanças) e depois de negociarmos preço e condições de pagamento, estou onde estou nesse exato momento escrevendo essas palavras, minha CyberCafé no centro da cidade, da qual minha esposa é sócia. Em fase final do processo de saneamento da firma (onde ela volta a se pagar e a pagar os anseios do administrador) e de pagamento das notas promissórias da compra.

Hoje em dia passo mais tempo com clientes que com ela, fazendo de cada dia uma contagem regressiva, onde ao invés de viver um dia a mais estou na verdade um dia a menos em Paquetá e mais próximo de nosso objetivo.

Conforme disse acima, o esforço foi recompensado, aos poucos.

Primeiro consegui fazer a firma dar certo. Tudo bem, ainda tem MUITA coisa para colocar em ordem, o espaço estava praticamente abandonado (pois como disse acima, o dono não tinha mais interesse), e só agora está me permitindo até mesmo vislumbrar avanços mais ousados (ok, é muito pra seis meses, mas sou ganancioso) e para completar recebo hoje a grata informação que se tudo estiver como aparenta estar, termino o ano como funcionário público.

Sim, passei finalmente em um concurso, depois de dois anos tentando a velha máxima que escuto de concurseiros fez verdade. Insisti e consegui.

Sempre gostei de fazer prova, sempre tive tranqüilidade em fazer provas e em ser aprovado por elas. Sempre tive um bom ritmo de prova a ponto de nunca ficar numa prova mais tempo que o necessário na minha concepção. E nunca duvidei de minha capacidade.

Passei no primeiro concurso de muitos*. Pois na vida pública não basta apenas ser capaz para crescer, tem que ser capaz e estudar muito. Claro, tudo na vida é assim, mas em especial no funcionalismo público não existe crescimento estável (cargo comissionado é politicagem, não vale) sem fazer uma prova. Ao menos não do modo honesto (ironia: tudo bem, há quem encare "teste do sofá" como prova, mas isso depende de quem "aplica" essa "prova" e de quem a realiza).

Em suma, mesmo estando no conhecido e temido período chamado Inferno Astral Acentuado as coisas vão muito bem e cada vez melhores (acentuado porque como todo bom "pessimista", considero inferno astral o período que vai de 0h01min de 1 de Janeiro até às 11h59min do dia 31 de Dezembro, a acentuado aqueles trinta dias antes do aniversário)... O que só me deixa mais atento e alerta. Sempre depois do dia de sol quente e brilhante costuma vir enormes tempestades.

Agora estou bem, realizado profissionalmente dentro das metas de 2009 (que incluíam, obviamente, passar em um concurso público), e já me programando para traçar as metas de 2010, porque uma coisa aprendi em 2008 apanhando...

Sem metas claras e, principalmente, idéia de como atingí-las, não tem como chegar a lugar nenhum, no máximo dar voltas em torno de si mesmo.

E se eu (um dragão rosa, gordo e que escreve com o "carinho" de um trator desgovernado em direção a um berço) consegui, você consegue.

Com certeza.

E isso tenho que agradecer a vocês, que lêem, que acompanham e que de certa forma me deram, dão e continuam me dando gás para continuar e melhorar cada vez mais. E também para amigos e familiares que de certa forma estiveram envolvidos nisso.

Claro, a minha esposa. \o/

Muito obrigado a todos. =)


*Não sei quando, nem como e se serei convocado, mas isso não diminui de forma nenhuma a felicidade que estou sentindo e compartilhando.

8 comentários:

  1. Ae, parabens pelo emprego em concurso público ! Agora é entrar nesse trampo, e conseguir melhores .

    ResponderExcluir
  2. Fico muito feliz por você, Ricardo! São notícias excelentes vocês conseguirem alcançar a meta de sair de Paquetá, tomara, logo (e eu ainda estou triste desde a mudança do ano passado...).

    Não temos contato constante, mas quase todo dia falamos sobre você e a lu, ocasionalmente ou num bate-papo. Enfim. Estamos torcendo por vocês!

    ResponderExcluir
  3. Que excelentes notícias!
    Sabe, Dragus...
    Aposto que todos os dias voce se sente vitorioso, por ter alcançado suas metas (ou parte delas), de forma honesta... contando com sua ousadia e força de vontade... isso não tem prêço.

    Acompanhei sua jornada nesse lance do Cyber, e ví o quanto você se empenhou.
    Então... quando os objetivos são nobres, o universo conspira e faz acontecer.
    Nunca lamente os obstáculos... vibre com os resultados.
    Lembre que até um tropeção, nos lança para a frente.

    Donato Brandão Costa disse:
    A sensível diferença entre desejar e querer é que o primeiro pode existir só na mente, enquanto o segundo VOCÊ PODE materializar em nossa realidade física.

    Beijokinhas e sucesso, muito sucesso!
    *

    ResponderExcluir
  4. Aêê!! Parabéns, meu amigo!

    Como dizia aquele escoteiro voador de colant azul: para o alto e avante!

    Paquetá é mesmo muito contramão por conta dessa dependência da barca.

    Agora só falta combinar com o Rob, para irmos comemorar com uma picanha no "Degas cai na rede" ;o)

    ResponderExcluir
  5. Congratulations, Dragus.

    Como dizia Renato Russo, quem acredita sempre alcança.

    Um dia hei de passar tbm, logo após terminar a eterna faculdade. =)

    ResponderExcluir
  6. Caríssimo amigo drago muito feliz por tuas conquistas...
    Só que tudo tem um preço a se pagar...
    Seus dias ficarão imensamente mais curtos...
    E fatalmente faltara horas no seu dia, assim que sair sua nomeação e tiver que conciliar com o syber-coffe.
    Como no meu caso tenho a banda e a empresa para administrar e muitas vezes falta tempo para as refeições básicas.
    Mas eu estou vibrado aqui por ti

    []s Lukas Vittorino Sakssida

    ResponderExcluir
  7. Eu, seu Pai, a cada dia que passa fico mais orgulhoso de dizer a todos, quem é o meu filho.
    Percebe-se ser uma pessoa verdadeira, leal, amiga e sobretudo honesta e sincera.
    Estou sempre pensando e comentando com seus irmãos e amigos o quanto aprecio o seu esforço e dedicação para a vida, depois de tudo que você já passou, desde a morte de seu avô(pai), que eu sempre gosto de destacar este momento de sua vida.
    Muito obrigado por você existir para mim.
    Ricardo Wagner

    ResponderExcluir
  8. Parabéns, Dragus!
    Pelas novidades positivas!
    Talvez o pessimismo não te deixe acreditar, mas a verdade é que depois de um período de inferno astral sempre vem um período de recompensas. Se fosse tu sempre uma bosta, ou sempre uma maravilha, o tédio seria reinante!
    Bjs!

    ResponderExcluir

Cuidado com sua postura ao comentar:
A responsabilidade pelas opiniões expostas nessa área é de de seus respectivos comentaristas, não necessariamente expressando a opinião da equipe do Pensamentos Equivocados.