Os capetinhas do final de semana destruindo o ano novo. - Parte Final


Registro de como estava enquanto via os fogos.

Ok. Depois das notícias recebidas a festa de ano novo prometia.

Já tive viradas de ano que passei de preto, já passei em casa, já passei beijando na boca, já passei completamente bêbado e acordei no dia seguinte abraçado a uma garrafa de Whisky. Mas nunca tinha passado como mendigo.

Aqui convém abrir uma enorme aspas, porque o ruim da viagem em si resume-se a uma palavra: IRONIA. Ou seja, Capetas. Eles tornaram o que podia ser perfeito em completo caos.

Porque a casa, o terreno, a vista, TUDO era maravilhoso.

A casa onde ficamos o terreno é enorme. Tem área para jogar futebol, se quiser dar um mergulho na lagoa de Araruama é só atravessar a rua, se quiser velejar pego o barco do dono emprestado. Se quisesse comer fruta do pé, tinha. Se quisesse ver o nascer do sol, veria um sem igual. O terreno era alto e permitia ver TODA a lagoa de Araruama de um ângulo maravilhoso.

E como disse, foi aí que entraram meus amigos do C.U.

Devido a minha absurda e completa exaustão mental mataram minha capacidade de discernir. Nada era belo, era tudo cinza e caótico. E quando soube que não teria como tomar banho, a minha segunda forma de relaxamento foi embora.

Talvez por influência de meus animais de estimação (ou só os tenha por causa desse meu defeito) eu sou uma pessoa completamente metódica. Eu traço metas, planos e sigo a risca o que planejei mentalmente. Tenho rituais e maneiras de fazer as coisas e sou tão concentrado nelas que quando sou interrompido quebro o elo em cascata e simplesmente deixo de realizar porque na minha cabeça não fica a mensagem de "inacabado" mas sim de "concluído". E se me perguntarem depois, vou confirmar que fiz.

Mas vamos voltar a Araruama...

Uma música soava em minha cabeça enquanto o tempo passava. "Era uma casa muito engraçada". Eu estava no limite de meu convívio social. Eu precisava de alguma forma desestressar e criei uma previsão negativa ao extremo de que terminaria o ano escutando pagode e funk.

Foi então que ocorreu o milagre do ano novo.

Em algum lugar no C.U. algum capeta deve ter apertado os botões errado. Eu não estava em uma casa de pessoas que curtiam o que o povão curte, mas de pessoas como eu. Cujos gostos musicais pararam no estilo dos anos 80. E quando a música começou eu comecei a sorrir.

Basicamente Capital Inicial, Paralamas, Nenhum de Nós, Pink Floyd, e bandas do tipo. NÃO TOCOU O TRIUNVIRATO POPULAR (Funk, Pagode, Forró). Foi a maior de todas as ironias. Do lado de fora, onde rolava a festa, apenas músicas e baladas para cantar junto. E todas tocadas ao vivo. Um puta show cover de Rock ao vivo e eu estava cansado demais para aproveitar (não que não tenha, pois umas cinco vezes fui cantar junto com os convidados).

Não posso nem considerar um gol meu, mas sim um gol meu pela música e uma série de gols dos capetas por cada uma que quis cantar e não consegui. Dadas as circunstâncias daquele momento, preferia o triunvirato popular, ao menos não me arrependeria depois de não ter curtido. Eu me arrependo muito disso. Um gol meu para pelo menos 20 deles (ou mais, pois foram MUITAS músicas legais).

Capetas 35 X Dragus 4

Veio finalmente o ano novo. E ao contrário de 2008/09 em que prometeram fogos em Paquetá e não teve nem bombinha, dessa vez foi diferente. Foi um belo espetáculo, porque de onde estava vi os fogos de Praia Seca, Saquarema, Cabo Frio, São Pedro da Aldeia, Arraial do Cabo e Búzios. Sem contar os fogos de Araruama que foram os que duraram mais de toda a região.

Foi belo comovente e no final uma nova boa notícia. Eu dormiria no mesmo quarto onde estava o primo da minha esposa. Lá tinha ventilador de teto e seria BEM mais fresco. Arrumei a cama direitinho, ficou muito confortável e dormiria bem minha primeira noite mas...



O rádio toca no inferno. Um capeta posicionado estrategicamente no telhado pede informes sobre o capeta embaixo da cama do primo da esposa de Dragus. Ele recebe a informação que poderia desligar a grelha porque o Dragus não dormiria no forno essa noite. Não satisfeito com isso, ele liga para o F.U.D.E.U. e cobra favores. Não demora mais que cinco minutos depois que Dragus dormira sorrindo e uma chuva torrencial cai sobre TODO o Rio de Janeiro, gerando conseqüências terríveis em outros lugares APENAS porque queriam levar adiante seu plano.

Não demorou muito, ao menos não para Dragus. De repente Dragus desperta e sente as costas encharcadas. Imediatamente coloca a mão entre as pernas e certifica-se de não ser um revival dos seis anos causado pelo sono. Não. Sente uma nova gota. Olha para o teto e na sua mente vem imediatamente a voz de Sérgio Reis.



Não deu outra. Enfurecido Dragus se levanta e cambaleia em busca de um lugar. Desfaz a cama completamente e procura um lugar. Mas as gotas caem no ventilador (cujo controle foi tomado pelo Capeta do telhado) e ao baterem nas pás respigam DIRETAMENTE na testa de Dragus. Ele novamente muda de lugar no quarto. Encolhe-se todo. Não dá.

Revoltado vai direto para a sala. A televisão está ligada, e passa um filme. Obviamente algum Capeta trabalhava na Globo. O filme era "Melhor Impossível". Dragus quase enlouquece quando identifica o filme, e está justamente na parte em que o loiro do filme se fode completamente (e Dragus é loiro, mas hetero convém ressaltar).

Sua esposa então, acordada pelos rosnados de Dragus, surge e o chama para dormir. Adivinhem onde?







Tá ficando quente...

















MUITO QUENTE.
























Exato. A essa altura já parara de chover mas o capeta do telhado ainda jogava água com a mangueira para manter a goteira e com a mão livre reacendia a fornalha.

Dragus não dormiria fresquinho TAMBÉM na primeira noite do ano.



No dia seguinte, depois de acordar, eu fui conversar com a dona da casa. Papo vem e papo vai, descubro que SÓ choveu em cima da casa. Onde eles estavam (do outro lado do terreno), não caira UMA GOTA SEQUER. Não deixei de sentir um arrepio e muita raiva.

Estava mais exausto ainda, fedido, suado demais... Mas tinha uma boa notícia. A caixa d'água estava cheia.

Foi o MELHOR banho do ano. E quando saí vi algo que não via a muito tempo, lá, abrindo espaços entre as nuvens estava o sol.

O ano tinha enfim começado.

Mas eu já começava perdendo para os capetas.

Placar final:
Capetas 69 X Dragus 4


No meio deles um gritava "É HEXAAAA É HEXAAAA!" e era silenciado por outros.

O que não sabia é que os Capetas também tinham seu plano B, mas fica para outra história.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Cuidado com sua postura ao comentar:
A responsabilidade pelas opiniões expostas nessa área é de de seus respectivos comentaristas, não necessariamente expressando a opinião da equipe do Pensamentos Equivocados.