Nem de Esquerda nem de Direita.


Tanto na política daqui quanto na de lá você tem que ser alguma coisa. O ser humano procura desde seus instintos rotular (ou classificar, seja como for) algo para simplificar seu entendimento. Na falta de consenso parte-se pra agressão e que vença a opinião.

Até bem ou mal são conceitos vagos. Na prática histórica, e as pessoas não aceitam, "bem" é a verdade defendida por quem vence e "mal" é a de quem perde. Não existe meio termo. Até o cristianismo vale-se disso quando centenas de anos atrás invadiu o oriente apenas para provar que o deus nosso era maior que o deus deles.

E política não podia ser diferente. Hoje em dia você tem que escolher. Ou você está "do lado de cá" (como já li em jornais) ou está do lado de lá, não existe a opção de não ter opção, o que é uma mentira incômoda, na verdade uma forma infantil de resumir a coisa quando faltam argumentos.

Minha posição política é exemplo disso. A vida me ensinou que não existe um lado direito, esquerdo, certo ou errado. Existe apenas "estar no poder", "almejar o poder" e "ser o gado". Quando você sai dessa dicotomia, torna-se pária dentro das opiniões políticas, uma persona non grata porque hora você defende plano A de político B e depois defende política C de político oposição ao B. Parece complicado? É se você só analisa as coisas do seu ponto de vista.

Eu defendo absurdamente a presença do estado nas áreas onde o poder econômico não tem interesse nenhum e nunca terá até que o estado torne atrativo. Defendo também que se nosso país possuísse poderio fiscal adequado e não corrupto o estado poderia sim ser mínimo, entretanto tenho completa convicção que a manutenção da segurança, educação, saúde e qualidade de vida (porque não?) são obrigação do estado, não podendo em minha visão de forma alguma ser relegado a terceiros ou sequer concedido.

Entretanto minhas convicções não me impedem de, por exemplo, ter asco de determinados partidos políticos. Odeio com todas as minhas forças o PSDB. Trauma decorrente da fase de passagem da adolescência para a fase adulta, como expliquei antes. E aceito numa boa que você, leitor, tenha ódio do PT, do PSC, do PC do B, do PMDB, ou da PQP (o que não necessariamente implique em aceitar agressão pessoal).

E não é por odiar que vou me tornar dependente do ódio. Por, exemplo, dentro do PSDB me identifico com Aécio Neves e com o Alckimin (apesar dos pesares), não tenho vergonha disso. Assim como apesar de ter gostado do governo Lula (PT) eu considero Benedita (também do PT) uma aberração política.

A vida me ensinou, não existe preto e branco, na verdade tudo se resume a variações de cinza, vezes mais claro, vezes mais escuro. E aceitar isso faz com que tudo pareça fluir melhor. Mais, impede que me iluda com política - além de com a própria vida em si.

E você?

4 comentários:

  1. Eu não tenho lado também não.
    Tenho umas opiniões bem fortes, outras menos, que precisam de mais argumentos - a favor ou contra. Estou sempre disposto a ouvir.

    Acho que o PT e o PSBD são muito, muuuuito mais parecidos do que eles pensam - ou talvez eles saibam disso, mas há quem não saiba. Acho que os dois partidos têm seus podres e suas qualidades; todos os outros também, pra sair dos dois "poderosos" da nossa política hoje.

    (Quase não conheço o Aécio; o Alckmin eu conheço bem, e o problema, pra mim, é simples: algumas boas ideias, execução quase sempre medíocre).

    ResponderExcluir
  2. Infelizmente só consigo ver que hoje em dia o que conta mais é a "necessidade" de se manter no poder.... em nome disso, o povo sofre porque os políticos tem feito qualquer coisa!

    ResponderExcluir
  3. Este artigo serviu como inspiração para mim.

    A partir de 2011, só analiso fatos concretos de cada político. Mas, continuo não suportando o PSDB. Tenho traumas também e uma longa exolicação para esses traumas.

    Aécio me parece um bom lider, mas meus ícones da política são na maioria de esquerda e alguns já faleceram.

    Não sou de centro, pois me sinto mais a esquerda e menos a direita. E por isso não tenho partido.

    Quando a gente tem um partido, o partido acaba "tendo e escravizando a gente"

    ResponderExcluir
  4. Penso igualmente. Não me ligo a partidos e nem a ideologias. Voto em pessoas e em propostas. Não me interessa de qual partido venham. O Único senão a essa regra é o PT. Não voto em ninguém ligado a legenda.

    ResponderExcluir

Cuidado com sua postura ao comentar:
A responsabilidade pelas opiniões expostas nessa área é de de seus respectivos comentaristas, não necessariamente expressando a opinião da equipe do Pensamentos Equivocados.