Forjando Um Guerreiro - Aço e Fornalha - Quarta Parte

Mestre e mestre


Fazendo com que seu cavalo corresse o mais rápido que podia Ignus seguiu como uma flecha cortando a escuridão das estradas, quem o via se escondia de pavor pensando ter visto um espectro maligno, alguns guardas de cidades e vilarejos chegaram a emitir alertas ao verem o suposto espectro que passava em disparada.

A cada duas cidades que passava fazia pausas regulares para que seu cavalo pudesse descansar, sabia que ele pertencia a uma raça treinada a suportar longas cavalgadas em ritmo extremo, mas mesmo assim sabia que o animal precisaria descansar para ter o seu melhor rendimento. Seu objetivo ainda estava há horas de distância de onde se encontrava e o tempo não estava a seu favor.

No ritmo em qual estava chegaria pelo menos uma ou duas horas antes do tempo normal, horas esses, que ele sabia muito bem, fariam toda a diferença na hora do combate, caso as tropas inimigas chegassem antes do previsto.

Já havia passado da metade do caminho e a lua avançava cada vez mais para seu ápice no céu, que para sua sorte não apresentava uma nuvem sequer, fazendo com que a luz irradiada por ela iluminasse seu caminho facilitando o reconhecimento do trajeto.

Fez mais duas pausas e no trecho final fez com que o cavalo fosse o mais rápido possível. Minutos depois já conseguia avistar a muralha de madeira que cercava a primeira cidadela.


– Abram o portão! Eu, Ignus, Emissário de Paia, o Deus Guerra ordeno que abram o portão imediatamente. – Disse com sua imperiosa voz.

No instante seguinte o portão começou a se erguer, quando teve espaço suficiente ele atiçou o cavalo e entrou rapidamente correndo em direção o palácio. Os guardas espalhados por toda a parte estranharam ao ver o estranho correndo velozmente entre eles, mas nada fizeram, sabiam que o inimigo estava por vir e como não houve qualquer tipo de alerta, então ele deveria ser um aliado, ao menos todos queriam acreditar que sim.

Os sentinelas do portão principal do palácio se assustaram ao ver a figura de Ignus surgir ameaçadoramente em meio as luzes bruxuleantes das tochas, rapidamente se colocaram em posição defesa. Ignus viu o desespero nos rostos dos guardas, mas alheio a isso parou imediatamente o cavalo e saltou de sua sela em direção aos guardas que ainda estavam perplexos demais para fazer algo.

– Sou Ignus, Emissário de seu Deus, agora abram caminho!

Os guardas sem hesitar abriram passagem para ele, mais pelo medo que sentiam ao ver a figura de Ignus, do que pela vontade de abrir. Antes mesmo de eles terminarem, Ignus escancarou as portas e seguiu em disparada ao salão central. Depois de passar velozmente por várias guarnições que sequer tentaram impedi-lo, ele chegou ao salão principal, vendo o rosto perplexo do regente local e dos outros presentes.

– Justo o rosto que esperava ver logo neste salão. – Disse Haldar visivelmente contente ao ver o antigo aluno.
– Qual é a situação atual? – Questionou Ignus.
– Até agora tivemos notícias de dois pelotões inimigos vindo do leste e do oeste, o avanço é rápido, pelo previsto chegaram amanhã no início da tarde. – Respondeu um dos homens do reino local, parecia um mensageiro.
– Eles têm um contingente significativo, estimamos quinze mil para cada uma das tropas. – Disse outro que parecia ser um estrategista.
– Pretendem nos flanquear, mas aqui o terreno é plano em todas as direções, e as estradas ficam a norte e sul. – Disse Haldar em seguida.
– Querem dar uma opção desmotivatória. – Concluiu Ignus. – Flanqueando, mas dando opções de fuga, fazem com que os soldados se desmotivem e optem pela opção mais fácil, fugir. Assim ganham no campo de batalha sem muito esforço, mesmo com um contingente pequeno.
– Acha que trinta mil é um contingente pequeno? – Questionou furioso um homem que parecia ser de alta patente.
– Se eles têm trinta mil homens que podem lançar, assim, ao campo de batalha, é sinal de que dispõe de muito mais em sua zona de conforto. – Respondeu Ignus olhando severamente para seu questionador. – Arrisco até a dizer que provavelmente eles devem ter pequenos grupos movendo-se ocultamente para o sul e norte, a fim de apanhar de surpresa os futuros desertores.

Assim que Ignus terminou seu discurso, Haldar ordenou que batedores fossem enviados para ambas as estradas e verificassem qualquer tipo de movimentação. O rapaz que falou primeiro, informando uma possível previsão de chegada dos inimigos, saiu da sala imediatamente após a ordem.

– O que pensa que está fazendo, Haldar? – Questionou novamente o mesmo homem que havia questionado Ignus.
– General, respeito sua patente, mas este reino está sobe a proteção de meu deus, e tanto Ignus quanto eu somos seus mais altos representantes aqui, então, devo lembrá-lo de que temos tanta ou mais autoridade que vós. Fui claro? – Disse Haldar bem rispidamente fazendo com que o general engolisse sua irritação e se calasse.
– O que sugerem, senhores? – Perguntou o regente local, diretamente a Haldar e Ignus.
– Parte de nossas tropas estão aqui, outra parte deverá chegar amanhã, logo pela manhã, assim que chegarem montaremos grupos em cada lado de onde o inimigo virá, os portões da cidadela serão fechados, ninguém entra ou sai. Haverá soldados suficientes para impedir uma invasão, e soldados postos estrategicamente para impedir um futuro cerco, caso nossas defesas falhem. – Explicou Haldar.
– Sugiro que haja arqueiros nas duas últimas fileiras de nossos destacamentos, o inimigo sempre espera que estes estejam na linha de frente. Entretanto fazer isso é suicídio, uma linha de arqueiros é facilmente destroçada por lanceiros, mesmo os mais destreinados. – Disse Ignus.
– Então como faremos com os arqueiros recuados? – Questionou o regente duvidoso.
– Esperaremos que o inimigo avance, não terão outra opção, pois apenas verão uma primeira linha de lanceiros, e sem arqueiros para lhes “saudar”, virão com mais sede de sangue, então quando estiverem bem próximos, formaremos uma parede de escudos, e quando as lanças baixarem os arqueiros da penúltima fila dispararão a primeira saraivada, seguidos pelos da última, então repete-se a ação. E o mais importante é que a linha de frente em momento algum avance, só quando as flechas terminarem. – Concluiu Ignus.
– E como os que estão na frente saberão disso? – Perguntou o general em tom de deboche.
– Os arqueiros deverão soar trombetas, fazendo com que o sinal sonoro reforce a inatividade visual. Como as linhas intermediárias inimigas estarão abaladas pelas flechas e as de frente estarão um pouco cansadas por tentarem penetrar em nossas defesas, não conseguirão resistir uma incursão repentina, não por muito tempo. – Explicou Ignus com um sorriso malicioso em direção ao general.


– É realmente muito bom tê-lo por aqui.

Absorto em seus pensamentos enquanto observava o futuro campo de batalha, Ignus fora puxado de volta a realidade pela voz de seu antigo mestre. Estava em um dos postos de observação aproveitando para tomar um pouco do ar frio e tranqüilo da noite, além de poder analisar ao menos um pouco, o terreno em que lutaria dali a algumas horas.

– É sorte que a noite seja de lua cheia, Se não fosse por isso não teria chegado tão rápido. Mas também é uma desvantagem, pois permite que o inimigo se mova mais rápido pela noite. – Disse Ignus.

Agora olhando o horizonte Haldar tentava em vão vislumbrar a batalha vindoura, mentalizava combates individuais, ações de tropa e muitas outras coisas. Entretanto, mesmo com sua estratégia formada e contando com o auxílio que não tardaria a chegar, ele mal conseguia ver uma possível vitória, isso o irritava, e muito.

Questionado sobre por onde havia estado Ignus contou sobre seu encontro com o Oráculo e, também, seu encontro com Hatsunei, ocultando, porém, o fato a identidade do mesmo, referindo-se a ele sempre como “ferreiro”. Na parte do combate substituiu Hatsunei por Schineider, dizendo que o mesmo havia procurado o ferreiro para reparar uma de suas espadas.

Mesmo achando a história um tanto estranha Haldar preferiu nada comentar, apenas disse estar satisfeito pelo antigo pupilo ter aprendido mais sobre sua nova arma.

Após mais alguns minutos de conversa e planejamento para a batalha vindoura, Haldar sugeriu que ambos se recolhessem e repousassem o máximo possível, afinal, no dia seguinte não haveria tempo para descanso, muito menos uma previsão de quando terminaria.


Pouco antes do sinal que anunciava a alvorada o exército a serviço de Paia chegou, não havia sinal de grande cansaço em nenhum de seus membros e todos pareciam muito dispostos a encarar o inimigo que se aproximava. Era um contingente significativo, mas não o bastante para se igualar aos números de seu oponente.

Assim que chegaram e foram formalmente apresentados aos dois altos representantes de Paia e aos líderes locais, o exército foi dividido em duas partes, cada uma enviada para um dos flancos e ao chegarem  rapidamente assumiram suas posições. O contingente local se uniu a eles pouco depois, aumentando as fileiras e dando mais ânimo aos homens.

Enquanto aguardavam tomaram conhecimento da estratégia elaborada por Ignus, ambos os lados pareceram gostar do plano e logo combinaram entre si a melhor distribuição interna de acordo com o planejado. O próprio Ignus passou os dois lados em revista, para certificar-se de que estavam bem organizados, Haldar e os comandantes locais o acompanharam.
Um ajuste foi feito de última hora, todos os arqueiros locais deveriam se por a mostra no alto da muralha, de forma que o inimigo tivesse como visualizá-los sem dificuldades, isso faria pensar não haver arqueiros nas fileiras de campo, tal fato ajudaria no engodo tramado por Ignus.

Horas depois batedores voltavam apressados, as notícias era de que o inimigo estava próximo, pelo que reportavam chegariam em menos de uma hora de acordo com sua velocidade de avanço.

Imediatamente todos ergueram e se prepararam, começaram a apertar os cintos, afivelaram melhor os escudos nos braços, ajeitaram as armaduras, conferiram pela última vez suas armas e se colocaram em posição.

A cada minuto que passava a tensão só aumentava, cada um tentava se manter o mais calmo possível para se controlar quando chegasse a hora, embora soubessem que isso nunca dava certo. Todos tentavam aguçar sua visão no intuito de ser o primeiro a ver a chegada do inimigo, não deixavam escapar um detalhe sequer do terreno a sua frente, até mesmo os que estavam mais recuados e tinham a visão bloqueada pelos capacetes dos companheiros tentavam ver algo.

O silencio era mortal e parecia eterno, cada som, por menor que fosse, lhes puxava a atenção, mas nada que realmente denunciasse a presença inimiga. Os soldados no lado de dentro da muralha também estavam tão tensos quanto os que combateriam antes deles, ou até mais. Eles também estavam com os ouvidos e olhos atentos, porém até o momento nada novo havia acontecido.
Responsável pelo flanco esquerdo Ignus compreendia bem a ansiedade que os soldados sentiam, até mesmo ele sentia-se um pouco ansioso. Enquanto o inimigo não surgia imaginava como Haldar estava se saindo à frente do flanco direito, provavelmente da mesma forma que ele, pensava, se algo estivesse ocorrendo de diferente ele já saberia.


A trombeta do flanco direito soou uma vez, era um toque alto e longo, o inimigo havia chegado. Logo o flanco esquerdo deu o mesmo sinal, o eco do alerta ainda pairou pelo ar por alguns instantes. Ao mesmo tempo em que o alerta anunciava o perigo vindouro, para os soldados aquilo também significava o fim de uma espera, isso os aliviava imensamente.

O exército inimigo era numeroso e bem organizado, vários blocos enfileirados avançavam em marcha cadenciada, o movimento em uníssono era perturbador e belo ao mesmo tempo. Pelo que calculavam deveria haver no mínimo o dobro do contingente que fora previsto, o que só tornaria a batalha mais sangrenta e ainda mais interessante.

Quando estavam há pouco mais de cem metros de distância o avanço inimigo parou, três figuras montadas em belos cavalos protegidos com cotas de malha avançaram seguidos por outro com um cavalo sem proteção adequada carregando um estandarte do novo deus.

Fazendo sinal a um dos líderes locais Ignus foi em direção aos líderes inimigos, só que ao invés de um, havia dois homens portando estandartes, um do reino local, outro do Deus da Guerra.


– Estes são domínios sobre a proteção do Deus da Guerra. – Anunciou Ignus – Se seu assunto é pacífico teremos o prazer de abrirmos passagem a sua comitiva, além de que, todos serão muito bem tratados. Porém, caso não deseje um diálogo civilizado, pedimos que saia destas terras pelo bem de vossas almas. – Concluiu.
– Nosso Deus reivindica esta terra, todo aquele que se opor a sua vontade sofrerá castigo severíssimo. – Retrucou um homem que parecia um sacerdote.
– E onde está teu “deus”, agora, que não aqui, junto aos seus seguidores? – Questionou Ignus elevando bem a voz para que fosse ouvido por ambos os lados.
– Nosso Deus está a tratar de assuntos mais importantes no momento...
– E que assunto pode ser mais importante do que apoiar seu séqüito em uma campanha iniciada pelo teu “deus”? – Retrucou Ignus interrompendo o sacerdote e elevando mais uma vez a voz.
– E o vosso “deus”, onde está, guerreiro? – Questionou um líder inimigo que parecia um pouco abalado pelos questionamentos de Ignus.
– Meu deus não precisa dar prova de coisa alguma, por isso não se encontra aqui. Diferente do teu, que manda seu séqüito em uma campanha para provar-lhe o valor, mas ao invés de estar, aqui, presente, se esconde como um covarde.

Ao ouvirem a provocação o exército aliado explodiu em um urro de apoio, enquanto os inimigos em revolta apenas gritaram imprecações contra Ignus.

Para completar a provocação, em um ato repentino Ignus sacou sua espada e decapitou o suposto sacerdote, foi um golpe rápido e bem executado. Chocados os companheiros do suposto sacerdote observaram atônitos enquanto o corpo caia para um lado e a cabeça para o outro, o cavalo que o desafortunado homem montava disparou assustado, quase pisoteando o corpo que apenas sangrava.

Logo após limpar rapidamente o sangue de sua espada e guardá-la, Ignus apanhou o estandarte de Paia das mãos do soldado e espetou a ponto do mesmo na cabeça do sacerdote, erguendo-a o mais alto que pode e exibindo para que ambos os exércitos pudessem ver. Mais uma vez o apoio de seus aliados veio em uma explosão sonora, isso mexeu muito com a moral inimiga, mais até do que as provocações de Ignus, que pelo visto surtiram muito efeito.

Maior provocação foi o fato de ele cuspir em direção ao inimigo e dar-lhe as costas, retornando a sua tropa com a o estandarte de seu deus erguido, só que agora com a cabeça do sacerdote inimigo como ornamento.

– Você só pode ter enlouquecido! – Disse um dos comandantes enquanto retornavam ao seu exército.
– A moral deles agora está abalada, Comandante. – Respondeu Ignus calmamente. – Agora eles virão descontrolados para cima de nós, é ai que acabaremos com eles.

Todos comemoraram efusivamente a chegada de Ignus com o mais novo troféu, que exibiu-o orgulhoso cavalgando rápido em frente as tropas para que todos pudessem ver a cabeça do inimigo derrotado.

Posicionando-se novamente pouco mais a frente do primeiro pelotão Ignus fincou o estandarte no chão com a cabeça voltada de frente para o inimigo, com o intuito de provocá-lo ainda mais.

– Se quiserem a cabeça de volta venham buscá-la! – Provocou Ignus em tom irônico. – Mas saibam que não daremos nosso troféu de vitória tão facilmente.

A provocação surtiu o efeito desejado, assim que terminou de falar o exército inimigo disparou contra Ignus furiosamente, ao que parecia contra as ordens de um de seus líderes.

Um sorriso malicioso se esboçou no rosto de Ignus, ele observou atentamente a aproximação inimiga enquanto ordenava que seus homens se mantivessem imóveis até o último instante, com esforço todos obedeceram. Quando o inimigo estava relativamente mais próximo Ignus disparou uma pequena rajada de fogo de sua espada, fazendo com que alguns soldados inimigos tentassem, em vão, se esquivar, fugir ou até mesmo defender o golpe. Alguns poucos até conseguiram escapar, mas não saíram ilesos, os que ficaram na direção do golpe foram consumidos pelas chamas, que tinham mais força do que o próprio Ignus poderia supor.

Entretanto isso não passava de um sinal para seus lanceiros, que logo abaixaram suas armas e formaram a parede de escudos, isso também significava que logo viria o ataque surpresa dos arqueiros. E este veio logo, poucos instantes após as lanças terem abaixado e o inimigo vir com ainda mais sede de sangue a chuva de setas mortais tomou conta do ar. Muitos soldados inimigos caíram contorcendo-se de dor, outros mais afortunados não foram atingidos, apenas um pequeno número morreu instantaneamente.

A segunda saraivada veio ainda enquanto a primeira terminava de cair, desta vez mais mortal do que a primeira, mesmo já não sendo um ataque surpresa. Foi um total de quatro turnos de disparos, dois para casa fileira. Quando todos os arqueiros terminaram de atirar as trombetas soaram e toda a primeira fileira irrompeu em um ataque devastador, o inimigo não conseguiu segurá-los por muito tempo e logo todo o contingente liderado por Ignus já estava infiltrado no meio do exército inimigo minando sua força sem nenhuma piedade.

Em poucos minutos o que parecia uma batalha perdida se tornou um combate feroz de iguais, mas era nítido que o lado invasor começa a ficar em desvantagem. O ataque dos arqueiros causou um número razoável de baixas, o ataque repentino e decidido das primeiras fileiras e a facilidade com que penetravam entre os pelotões, fez a moral decair e alguns já começavam tentar fugir.

Em cima de seu cavalo Ignus com sua espada em chamas ceifava a vida de seus inimigos de forma rápida e impiedosa, abrindo caminho para que seus comandados passarem e continuar o serviço.

Tudo parecia muito fácil e simples demais, nunca antes Ignus havia visto um exército tão grande ser tão mal comandado. Não havia carros de combate, muito menos outros acessórios de guerra, apenas o contingente humano em campo, que pelo que podia constatar era muito mal preparado.

Em meio a turba da batalha muitos evocavam o nome do deus para lhes dar forças, esquecendo-se momentaneamente do combate, o que lhes custava a vida. Os seguidores de Paia não eram conhecidos por sua piedade e os discípulos desse novo deus estavam conhecendo isso da maneira mais cruel possível, em pouco mais de duas horas o combate já estava definido e os invasores estavam sendo aniquilados.


Muitos começavam a comemorar a vitória enquanto terminavam de massacrar o inimigo, mas outros ainda se mostravam preocupados, pois tudo havia sido muito fácil até o momento.

Após dar ordens que terminassem logo o combate Ignus cavalgou mais a frente para pegar alguns soldados inimigos que tentavam fugir, foi quando algo chamou-lhe a atenção, sentiu uma grande concentração de shii vindo do lado norte que crescia rapidamente. Sem pensar duas vezes repetiu a ordem a seus comandados e foi o mais rápido que pode naquela direção.

Horas antes havia designado alguns batedores para que fossem vigiar e avisar de qualquer movimentação de tropas, mas nenhum deles retornou e isso também não era um bom sinal. A preocupação aumentava na mesma velocidade em que aumentava a concentração energética, mas não conseguia identificar o que poderia ser a fonte.

Pouco antes de chegar ao portão norte sentiu que a massa energética agora vinha contra a muralha com uma velocidade impressionante, por mais que incitasse seu cavalo ele não conseguia ir mais rápido. Em um ato desesperado saltou do animal e começou a correr o mais rápido que pode, não soube como nem porque, mas ele estava indo muito mais rápido do que poderia imaginar, tudo passa por ele como se fosse um borrão.

Mas não conseguiu evitar o pior, a grande quantidade de energia concentrada atingiu a muralha causando um intenso clarão que foi seguido de uma explosão devastadora, Ignus foi arremessado a metros de distância com facilidade pela força da onde de choque. Para sua sorte seu shii protegeu-o de se ferir pelo impacto da explosão, mas mesmo isso não evitou sua perplexidade.

Muitos soldados assustados correram em direção ao ponto de impacto e quando lá chegaram viram o cenário desesperador, quase toda aquela face da muralha havia sido desintegrada ou transformada em escombros. Uma parte do contingente que ficou dentro da muralha estava morto ou mutilado, embora não fossem muitos, a surpresa e o pavor repentino foram inevitáveis.

Agora de pé e mais atento que antes Ignus vislumbrou quatro seres que caminhavam calmamente em direção a cidadela, que agora estava parcialmente desprotegida. Alguns soldados que estavam mais próximo e agora viam os novos inimigos, fora em direção a eles ferozmente, mas a investida de cada um que se atreveu a tentar atacá-los foi frustradas quando os mesmo varreram qualquer vestígio destes da existência utilizando seus poderosos shiis sem se conter.

Para impedir o avanço dos quatro e chamar a atenção para si, Ignus sacou sua espada e desferiu um corte flamejante na direção dos inimigos, que pararam subitamente ao ver a onda de fogo passar a sua frente. Ao procurarem a fonte do ataque viram Ignus caminhando em direção a eles, sua espada ardia em chamas e seu shii fluía violentamente, chegando opressor até os quatro.

Enquanto Ignus ia à direção aos novos oponentes Haldar também se aproximava seguido de vários outros soldados, que só não seguiram a diante devido a uma ordem explícita e ríspida do mesmo. Os quatro permaneceram parados vendo que alguém ia tentar dialogar com eles, embora cada um deles soubesse que o combate seria algo inevitável, mas tanto Haldar quanto Ignus não partilhavam desse pensamento.

Vendo que os quatro mantinham a atenção nele não hesitou, disparou uma rajada energética contra eles que imediatamente se esquivaram do ataque. Haldar mesmo perplexo pela atitude precipitada do ex-pupilo resolveu atacar um dos mais próximos dele, que foi atingido em cheio por uma esfera energética.

Sem esperar algum tipo de reação Ignus saltou com toda a força que pode reunir em suas pernas, utilizou, também, seu shii para impulsioná-lo ainda mais alto. Ao atingir a altura máxima repetiu o movimento que vira Hatsunei executar, girou sua espada para o alto e concentrou toda a força que foi capaz de reunir enquanto descia em queda livre. No derradeiro momento antes de atingir o solo golpeou o chão com toda a força que pode, direcionou todo o shii que havia concentrado para espada. O efeito do golpe fora devastador, uma violenta e intensa onda de fogo se espalhou rapidamente pelo campo de batalha, atingindo todos os inimigos ao mesmo tempo. Até mesmo Haldar foi atingido, mas este conseguiu se proteger, de alguma forma, mas nem ele conseguiu evitar a onda de choque da explosão, sendo arrastado alguns metros por ela

Três dos quatro novos inimigos estavam no campo de visão de Ignus, todos vestiam mantos sacerdotais e tinham a cabeça raspada, a única coisa que os diferenciava era a cor do manto. Quando pensou em se virar para procurar pelo quarto sentiu uma presença poderosa vindo por trás, rapidamente se virou e viu o mesmo voando em sua direção a uma velocidade bem alta, pronto para atacá-lo, mas antes que pudesse fazer algo Ignus agarrou-o pelo pescoço e ergueu-o o mais alto que pode.

– Quem são vocês e o que pensam que estão fazendo? – Questionou Ignus deixando transparecer sua raiva.
– Somos os avatares do Deus Barzam. – Disse o homem de manto vermelho enquanto tentava se livrar de Ignus.
– E o que pensam que farão aqui? – Questionou outra vez apertando mais ainda o pescoço do avatar.

Os outros nada fizeram se não observar.

– Viemos conquistar este reino... Em nome de nosso senhor... – Disse com certa dificuldade.

O avatar de manto vermelho tentou usar seu shii para livrar-se da mão de Ignus, mas nada que fazia surtia efeito, parecia que quanto mais lutava, mais o guerreiro apertava. Além do aperto sentiu a mão de Ignus começar a arder intensamente, seu desespero aumentou, mas nada conseguiu fazer a não ser se debater e tentar se livrar inutilmente de seu captor.

Outro dos avatares que vestia um manto cinza lançou contra Ignus uma esfera de energia também cinza, entretanto, Haldar, que também observava atentamente a tudo usou seu shii para destruir o ataque com facilidade, chamando a atenção dos outros para ele, mas estes continuaram sem ação.

Pouco depois sua atenção se voltou novamente para Ignus, quando ouviram uma forte explosão vindo de sua direção, viram que no lugar onde seu companheiro e o guerreiro inimigo estavam, agora havia uma grande bola de fogo escuro envolvendo toda a área e se espalhou rapidamente. Seu companheiro surgiu instantes depois sendo arremessado para fora da nuvem de fumaça que se formou logo que o fogo se extinguiu, seu manto estava completamente chamuscado, algumas partes haviam sido consumidas pelas chamas. Várias marcas de queimadura intensa estavam visíveis por toda a parte.

O que trajava um manto branco se precipitou e voou em direção a Ignus com tudo, Haldar seguiu, mas não para impedi-lo, mas para impedir que os outros dois o seguissem e quando passou por estes, se virou para eles e disparou dois raios energéticos com as duas mãos, atingindo-os em cheio.

O avatar de branco golpeou o local onde Ignus estaria com uma grande quantidade de shii que disparou de suas mãos, como havia ainda muita fumaça no local e não tinha certeza da posição exata de seu alvo resolveu disparar o raio mais amplo que conseguiu criar. Mas Ignus percebeu toda a ação e já não estava mais lá, vendo seu pretenso atacante disparar sua energia às cegas, teve tempo necessário para arquitetar um ataque surpresa.

Mais uma vez imitando o que vira Hatsunei executar, reembainhou sua espada e girou seu tronco todo para trás, concentrou todo o shii que conseguiu reunir de sua espada e combinou-o com o seu. No instante seguinte desfez a tensão de seus músculos, girando em direção ao seu oponente e sacando sua espada o mais rápido que pode, um corte flamejante se desenhou no ar e foi em direção ao avatar que sequer percebeu. O avatar sentiu seu corpo ser cortado pela lateral, de um lado a outro, ao mesmo tempo em que sentia algo queimando-o intensamente, cauterizando o ferimento, mas consumindo-o furiosamente e parecendo se alastrar por todo seu corpo.

O avatar de manto vermelho ainda se recuperava e apenas pode assistir impotente o companheiro ser atingido pelo ataque do guerreiro defensor, caindo no chão e contorcendo-se de dor. Vendo a oportunidade única, concentrou-se rapidamente, apontou as mãos para o alto, depois direcionou-as para Ignus e disparou um poderoso relâmpago avermelhado, o guerreiro conseguiu perceber o ataque mas não teve como evitá-lo, muito menos defendê-lo, sendo jogado para longe depois de atingido. O clarão gerado pelo ataque cegou a todos no local repentinamente e o estrondo causado atordoou-os ainda mais.

Enquanto acabava de defender um golpe de cada um de seus atacantes, Haldar que pretendia contra atacá-los também foi surpreendido pelo repentino clarão e o estrondo que veio em seguida. Os outros dois também foram igualmente afetados, porém Haldar conseguiu em meio ao atordoamento, usar seu shii para afastá-los dele. Sua visão demorou menos a se recuperar do que sua audição, o que lhe garantiu uma vantagem sobre seus dois oponentes, ambos ainda permaneciam de olhos fechados e tapando os ouvidos. Olhou rapidamente para trás para garantir que não fosse atacado de surpresa, mas o outro avatar ainda estava preocupado demais com Ignus, sequer lembrar da existência de Haldar.

Vendo que seus inimigos permaneciam atordoados Haldar disparou mais uma rajada energética em direção aos dois avatares, desta vez muito mais forte que as lançadas antes. Um dos avatares vendo o ataque decidiu contê-lo, seu companheiro percebendo que não teria tempo para tal reação resolveu esquivar saltando para o lado, observando o amigo ser carregado enquanto tentava bloquear o poder de seu adversário. Porém seu esforço foi inútil, como não estava totalmente recuperado do atordoamento causado pelo relâmpago do outro avatar, não conseguiu se concentrar o suficiente para segurar o golpe, tendo sua defesa desfeita e sendo atingido completamente.

Sem esperar dar tempo para que Haldar pudesse tomar qualquer ação, imediatamente o avatar que trajava manto verde reagiu, fez um movimento como se estivesse dando um tapa no ar, entretanto o que parecia um simples gesto causou uma intensa ventania que jogou Haldar a uma considerável distância.

O antigo mestre de Ignus demonstrando grande habilidade girou no ar e parou flutuando, avatar de manto verde prontamente lançou um projétil energético semelhante a uma lança. Como estava distante, Haldar teve tempo suficiente para conseguir desviar do golpe apenas planando para o lado. Sem perder tempo ele mergulhou em direção ao avatar com uma velocidade impressionante, como se algo tivesse lhe dando um grande impulso inicial, ainda no ar ele abriu seus braços e envolveu-os com seu shii, deixando por onde passava um rastro energético belo de se ver, porém mortal. O avatar por mais rápido que fosse não foi capaz de superar a velocidade de Haldar, mesmo criando uma poderosa parede de vento para evitar que o golpe. O ataque rompeu a barreira com facilidade, atingindo em cheio a cabeça do inimigo, fazendo-o girar do ar antes de cair.

O outro avatar, que estava mais distante viu a aproximação rápida e violenta do servo do deus da guerra, que investia como um falcão contra a presa. Reunindo todas as forças que conseguiu nas pernas saltou para o lado, escapando de Haldar, mas não do rastro de seu shii, que acertou seu ventre em cheio, cortando-o profundamente.

Assim que tocou o chão novamente Haldar permaneceu com a energia de seu shii concentrada em seus braços, apenas reuniu e moldou-a formando uma espécie de lâmina energética. Vendo que seu inimigo pretendia dar um fim ao combate, o avatar de cinza concentrou toda a energia que pode em suas mãos, criando uma imensa esfera de puro shii. Ambos se jogaram um contra o outro, o avatar segurando a frente sua esfera energética e Haldar com suas lâminas de shii.

Uma coisa era certa, poder de nada vale sem experiência e isso, Haldar tinha muito mais do que o jovem avatar. Ainda no ar Haldar expandiu ainda mais seu shii, fazendo com que as “lâminas” chegassem o mais próximo do avatar e então golpeou com tudo sua esfera energética. A explosão causada pelo choque dos dois poderes e a destruição do ataque do avatar foi tão devastadora, que até mesmo os soldados que observavam tudo de longe foram jogados para trás, devido a força da onde de choque.

O avatar cinza agora jazia agonizante no fundo da cratera que a explosão causou, instantes depois Haldar estava de pé na borda da cratera, também havia sido afetado pela força da explosão, mas não tanto quanto seu desafortunado adversário. Sem nenhuma piedade destruiu por completo o corpo do avatar com seu shii.

– Como foi capaz de fazer isso? – Questionou incrédulo o avatar de manto verde.
– Da mesma forma que serei capaz de matar você, também. – Respondeu Haldar seriamente.
– Não pense que seu êxito sobre meu companheiro lhe garantirá o mesmo resultado.
– Que assim seja. Venha e me mate! – Desafiou Haldar abrindo os braços.

Não suportando a provocação aliado a frustração de ver o companheiro ser morto, o avatar lançou-se contra Haldar como uma flecha, ele mal teve tempo de esquivar tamanha era a velocidade de seu atacante. Haldar foi arrastado por metros até erguido e depois arremessado violentamente contra o chão.

Sem esperar que seu inimigo tivesse tempo para reagir o avatar imediatamente após jogar Haldar contra o chão mergulhou contra ele, aumentando ainda mais sua velocidade. Ainda tentando se levantar Haldar viu a investida de seu atacante, não teria tempo para desviar, então criou, no momento exato antes de ser atingido, uma barreira de shii, que foi capaz de suportar o ataque, mesmo tendo afundando um pouco devido a potência do golpe.

– Agora é você quem está por baixo e quem irá morrer. – Disse o avatar com um sorriso sádico no rosto.

Apontando suas mão em direção a cabeça de Haldar o avatar concentrou uma grande quantidade de energia, tanto quanto seu companheiro que havia sido morto a pouco, talvez até mais. Porém, Haldar não era conhecido como um grande mestre à toa, valendo-se de sua grande habilidade, ele criou instantaneamente uma explosão saindo de seu corpo. O avatar pego de surpresa perdeu sua concentração, fazendo com que boa parte da energia que havia concentrado se dispersasse, o que foi mortal para ele. A força da explosão além de abrir uma imensa cratera, atingiu em cheio o avatar, causando-lhe sérios ferimentos e arremessou-o a metros de distância.

Mesmo sendo um avatar, alguém próximo de um deus e com um poder extraordinário, seu corpo ainda era o de um ser comum, e como tal poderia sofrer das mesmas mazelas que uma pessoa qualquer. Quase todos os seus ossos haviam se partido, havia várias feridas expostas e ele sangrava por todos os orifícios visíveis. Já não podia escutar nem sentir nada, além da dor, sua visão piorava rapidamente. A última coisa que pode ver foi seu inimigo de pé perante ele. Olhou atentamente para seu rosto e jurou para si mesmo que clamaria vingança ao seu deus, tão logo ele o visse quando estivesse no outro mundo. Haldar matou-o simplesmente disparando um pequeno raio energético que atravessou seu crânio, depois decapitou-o e atirou sua cabeça longe do corpo.


Após ter sido atingido pelo relâmpago criado pelo avatar de vermelho Ignus se levantou rapidamente e pôs-se em posição de defesa, olhou rapidamente para os lados e viu que o avatar de branco o cercava. Os dois avatares ficaram imóveis esperando uma reação de Ignus, mas este apenas olhava apreensivo de um para o outro, estudando ambos. Não suportando aguardar mais, o avatar de vermelho disparou outro relâmpago contra Ignus, só que desta vez ele estava mais preparado, seus reflexos foram tão rápidos e tão precisos que ele conseguiu segurar o relâmpago, para no instante seguinte direcionar aquele poderoso ataque contra o outro avatar, que perplexo pela habilidade do guerreiro foi atingido em cheio pelo golpe do amigo.

Tendo sido bem sucedido Ignus correu para recuperar sua espada, que havia caído a alguns metros dali. Com sua arma novamente em mãos arremessou-a contra o avatar vermelho, que com grande maestria conseguiu escapar de sua lâmina, mas não da explosão causada pela mesma quando esta tocou o solo. Seu corpo foi coberto pelas chamas furiosas da espada, fazendo seu corpo inteiro arder intensamente.

Antes mesmo que atingisse o solo, devido a força da explosão, uma segunda onda de choque o atingiu jogando-o ainda mais longe. O avatar branco e Ignus também foram atingidos pela mesma explosão, que havia sido causada segundos antes quando Haldar destruiu a imensa esfera energética do avatar cinza.

Ainda no chão e com a visão prejudicada, Ignus pode sentir onde estava sua espada e seus dois inimigos diretos, sentiu também os outros dois avatares que Haldar enfrentava e soube exatamente quando seu ex-mestre matou um deles.

Mesmo ferido o avatar vermelho não parou, viu que Ignus permanecia no chão e se jogou contra ele, concentrou em seu corpo toda a energia possível e direcionou-a para seu punho esquerdo, envolvendo-o de uma poderosa energia que brilhava intensamente com um vermelho da cor de sangue. Ignus percebeu a investida, mas não se moveu, ao invés disso evocou sua espada que imediatamente veio voando em sua direção.

O avatar já estava prestes a acertar Ignus, porém seu corpo foi atravessado violentamente por Yurian. Mesmo tendo o corpo quase dividido conseguiu de alguma forma manter a energia concentrada em seu punho, mas a cada momento parecia-lhe que seu punho seria esmagado por sua própria energia.

– É admirável sua persistência. – Reconheceu Ignus que agora estava de pé.
– Eu... Não serei... Morto por você... – Respondeu com grande dificuldade.

Mesmo enfraquecido e sentido uma dor mortal o avatar tentou se erguer, seu companheiro, de longe, apenas assistia, sabia que amigo não teria mais chances de vencer seu adversário, mas sabia que ele teria sua chance de vingar o companheiro e decidiu aguardar. Por fim o avatar conseguiu ficar apoiado sobre um dos joelhos, isso era o máximo que seu corpo suportava no estado atual. Ignus reconhecendo sua bravura guardou sua espada e reverenciou o avatar.

– Aceite sua derrota e poderá viver. – Disse olhando para o inimigo que lutava para se erguer.
– Nunca... Nunca irei me render... – Falou furiosamente.

Em um esforço incrível, para ele, tentou atingir Ignus com seu punho envolto em energia, mesmo boa parte já tendo se perdido. O guerreiro sem nenhuma dificuldade agarrou fortemente o braço do avatar e começou a esmagá-lo devagar, fazendo com que o avatar se curvasse e urrasse de tanta dor.

– Tolos como você me enojam e me dão ódio.

A aura de Ignus transbordava toda sua ira devido ao gesto do avatar, mesmo a energia acumulada de seu oponente parecia não afetá-lo, pelo contrário, parecia que estava se alimentando dela. Uma estranha sensação tomou conta de seu ser, por um instante sentia-se capaz de controlar a energia do inimigo. Agindo de forma rápida e sem pensar muito Ignus torceu o braço do avatar, fazendo com que o mesmo fosse deslocado, causando ainda mais dor em seu adversário, porém não foi apenas isso que fez, a energia do braço do avatar mudou repentinamente de vermelha para preta. O avatar não compreendia como aquilo era possível, mas sabia, aquela energia que estava em seu braço não era mais sua.

Aquela energia negra que agora possuía seu braço parecia se alastrar por seu corpo inteiro, não sabia como nem se havia alguma forma de impedir, mesmo que houvesse já era tarde demais, seu corpo havia sido tomado por aquela estranha energia. No momento seguinte enquanto ainda tentava, em vão, compreender o que havia ocorrido, seu braço foi destruído, a energia que tomou conta dele explodiu, despedaçando-o por completo, a dor era tamanha que sequer conseguia expressá-la.

Ignus olhou atentamente para o avatar branco e notou sua serenidade, mesmo vendo seu companheiro contorcendo-se de dor e próximo da morte. Nem mesmo sua aura parecia perturbada, estava completamente serena.
   
– Me impressiona a forma como menospreza o sofrimento de seu companheiro. – Disse Ignus.
– Ele foi inferior, mereceu ser derrotado – Respondeu secamente.
– Se vocês quatro eram tão poderosos, por que não vieram junto com seu exército? – Questionou Ignus, que tinha essa duvida desde o momento em que viu a demonstração de força dos avatares.
– Eles eram meros peões, iscas para cansar vocês e torná-los presas fáceis para nós.
– Impressionante, mas seu plano falhou, nós fomos vitoriosos no campo de batalha e nossas baixas foram mínimas. – Disse

Ignus que parecia não se importar com a frieza do avatar.

– Tolo, nossa intenção não era causar baixas em seu contingente. – Disse o avatar gargalhando.

Ignus não compreendeu o que ele dizia.

– Sempre soubemos que vocês derrotariam nossos homens em batalha, não tínhamos um exército tão bem treinado quanto o seu, exatamente por isso mandamos um grande contingente contra vocês. – Explicou.
– Se tinha plena certeza disso, então por que enganou seus homens, mandando-os para a derrota certa? – Questionou Ignus.
– Eles não foram enganados, sempre souberam que morreriam, nunca os enganamos.
– Então...?
– Cada homem que seu exército matou, cada alma que libertavam nos serviu de alimento, cada um que morria em prol de nosso Deus estava, na verdade, se sacrificando para nos fortalecer.
– Então a força de vocês vem das almas de seus seguidores consumida por vocês? – Questionou Ignus.
– Exato.

Após ouvir a confirmação Ignus começou a gargalhar sonoramente, deixando o avatar confuso. No momento em que ia dizer algo outra explosão foi ouvida, ambos olharam na direção em que veio o som e viram o outro avatar ser arremessado no ar, até cair completamente ferido. Acompanharam, também, toda a movimentação de Haldar, até o momento em que pôs fim na agonia do desafortunado avatar.

Aproveitando-se de mais uma falha de um de seus companheiros o avatar restante tratou de consumir a energia de seu aliado recém derrotado, Ignus percebeu o que seu adversário fazia, mas preferiu não interferir.

– Me surpreende sua atitude, guerreiro. – Disse o avatar.
– Em que sentido? – Questionou Ignus.
– Não fez nenhum discurso moralista, pareceu nem se importar com os que sacrificamos.
– E não me importei mesmo, afinal, eles estavam cientes do que faziam, não eram inocentes. – Disse Ignus secamente. – Além do mais, achei interessante essa manobra de vocês.

Movendo-se rapidamente Ignus ficou bem na frente do avatar, que não notou sua repentina aproximação.

– O plano de vocês teria sido perfeito, caso não tivesse nos subestimado. – Disse Ignus olhando no fundo dos olhos do avatar.
– Você acha que pode me derrotar, guerreiro. – Questionou o avatar com um sorriso cínico.
– Não. Tenho certeza!

O avatar girou duas vezes no ar antes de cair no chão devido à força do soco dado com as costas das mãos por Ignus, sendo chutado ainda mais forte na cabeça tão logo tocou o solo.

– Acha mesmo que me importo com quem se sacrifica em prol de qualquer coisa? – Questionou Ignus erguendo o avatar pelo pescoço.

A pressão que o avatar sentia no pescoço era imensa, não conseguiu imaginar como alguém sem utilizar nenhuma técnica especial podia ter tanta força. Quando tentou golpear Ignus quase que imediatamente fora golpeado na barriga, depois jogado ao chão com facilidade.

Imediatamente o avatar se levantou disparando um esfera energética contra Ignus, com um tapa o avatar arremessou o ataque para longe, em seguida Ignus voou contra seu inimigo com um soco, o avatar defendeu o golpe com um dos braços, tentou contra golpear, mas também teve seu punho bloqueado. Com a mão esquerda aberta Ignus atingiu o ventre do avatar e ergueu jogando-o mais uma vez no chão, no instante seguinte disparou uma forte rajada de shii, atingindo em cheio seu alvo, que não teve tempo de sequer tentar defender.

Vendo a oportunidade Ignus sacou sua espada com a intenção de fincá-la no crânio do avatar, entretanto o mesmo conseguiu escapar, Ignus não parou, foi seguindo o avatar tentando matá-lo enquanto ele rolava pateticamente pelo chão. Ainda deitado, quando se virou e viu a lâmina inimiga se aproximar ameaçadoramente, o avatar criou uma pequena explosão com suas mãos, direcionando a contra Ignus, mesmo não sendo um ataque muito poderoso, foi forte o suficiente para impedir a conclusão do movimento do guerreiro e fazê-lo recuar alguns passos.

Novamente de pé o avatar decidiu que acabaria a luta naquele momento, começou a concentrar toda a energia que podia, sabia do risco, mas tinha de tentar. Ignus notando o que o avatar pretendia guardou sua espada e começou a se concentrar, a quantidade de energia reunida por ambos era impressionante, a cada instante ela só aumentava mais e mais. Haldar ficou impressionado não apenas com o poder que avatar havia conseguido à custa dos companheiros, mas principalmente com a capacidade de seu companheiro. Os efeitos de tamanha concentração energética começavam a se tornar visíveis, o chão começava a rachar e a tremer, até mesmo os soldados comuns mais próximos da batalha se sentiam oprimidos, além de serem capazes de enxergar a imensa aura energética que se aumentava mais e mais.

Tomando a iniciativa o avatar disparou contra Ignus toda a energia que havia concentrado, a intensidade do raio foi tamanha que mesmo sem tocar o solo foi capaz de criar um rastro profundo. No instante seguinte Ignus estava sendo atingido em cheio pela imensa carga energética, sendo arrastado por metro de distância enquanto tentava bravamente proteger-se com os braços cruzados a frente corpo. A armadura que o protegia já havia sido completamente destruída e estava praticamente nu, entretanto seu corpo permanecia intacto devido ao seu shii. Em meio ao turbilhão energético ele pode perceber um momento ínfimo de hesitação, aproveitando-se do descuido Ignus abriu os braços rompendo o grande fluxo energético e lançando vários fragmentos deste para longe, Haldar conseguiu criar uma barreira para se proteger, mas que não tinham tal capacidade tiveram que fugir, mesmo assim alguns foram atingidos e mortos, inclusive alguns com capacidade para manipular o shii.

Perplexo e completamente sem forças o avatar apenas observou enquanto seu inimigo saltou e disparou contra ele um poderoso relâmpago, mesmo quem não observava o combate diretamente teve a visão ofuscada pelo intenso clarão que se formou, sem contar que o estrondo foi muito mais alto que o relâmpago que outro dos avatares havia criado.

A área próxima do impacto estava devastada, só havia restado uma larga cratera, embora não muito profunda, além dos pedaços que sobraram do avatar. A aura de Ignus ainda fluía intensamente, parecia querer mais, como se aquilo não fosse o suficiente, mas estava acabado, o inimigo, por fim, havia sido completamente derrotado.


– Você está bem?

Ainda parcialmente ofuscado Haldar viu o vulto do companheiro erguido a sua frente, enquanto este lhe estendia a mão para ajudá-lo a se levantar. Quando sua visão melhorou viu que Ignus trajava alguns trapos que escondiam precariamente poucas partes de seu corpo, seus músculos estavam tensos, mas ele não parecia nenhum pouco cansado, nem mesmo sua aura transparecia tal coisa.

– Quando aprendeu a disparar relâmpagos? – Questionou Haldar se ajeitando.
– Assim que dominei o shii de um dos avatares compreendi em parte como ele usava aquela técnica, então resolvi imitar. –

Explicou como se tivesse sido algo simples. Além do mais, você nunca me disse que sabia voar.

– Quando era meu discípulo ainda não sabia, aprendi há alguns anos.
– Isso farei questão de aprender!

Haldar concordou balançando a cabeça positivamente.

– Você está com uma aparência horrível! – Riu Haldar ao observar melhor o ex-pupilo que além dos trapos tinha o cabelo totalmente desgrenhado e estava completamente sujo.
– Oh, me perdoe, meu mestre, se esse humilde vassalo se apresenta de forma imprópria. – Disse Ignus ironicamente fazendo uma tosca reverência como se estivesse embriagado.
– Já não sou mais seu mestre há muito, além do que, você não necessita mais de meus ensinamentos. – Falou com sinceridade. – Você não é mais um aprendiz, e sim um mestre!


Pouco tempo depois os soldados já estavam recuperados e começaram a gritar em sinal de vitória, logo a euforia tomou conta de todos. Ainda havia alguns soldados caçando inimigos que tentaram fugir, mas estes já estavam retornando, alguns com trazendo consigo prisioneiros, outros trazendo cabeças dos que se recusaram a se render.

Alguns minutos depois as fileiras foram refeitas e as baixas começaram a ser contabilizadas, havia mais feridos que mortos, o que era um bom sinal. O número de prisioneiros também era grande e dentre todos dois eram especiais, dois generais inimigos, que certamente teriam muita informação a ser extraída, mas não naquele momento, agora era hora de reorganizar tudo.

Um comentário:

  1. Já passou da hora dessa saga virar livro, meu camarada. Fico ansioso esperando os "capítulos" aqui. Vamos publicar!

    O Rob mostrou como é simples sair das editoras picaretas que só querem sugar dinheiro e partir para a uma autopublicação de qualidade e eficiente.

    Pensa nisso com carinho...

    ResponderExcluir

Cuidado com sua postura ao comentar:
A responsabilidade pelas opiniões expostas nessa área é de de seus respectivos comentaristas, não necessariamente expressando a opinião da equipe do Pensamentos Equivocados.