Cracudos e Nazismo, tudo a ver.


Cinco matérias com destaque na página da Globo.com (só hoje, 26 de Outubro de 2012, sem contar todas que surgiram durante as semanas seguintes a eleição) para fazer a cabeça da população contra os cracudos e a favor da política de internação compulsória de internados. Alegam através de casos pontuais que os drogados causam danos a população e que justifica que sejam internados compulsoriamente em clínicas para dependência química.

Porém, nas décadas de 1930 e 1940 existia um pessoal especialista em usar a força da imprensa e da publicidade em prol de manipular a população em prol de criar campos para isolar do povo aqueles que consideravam culpados pelo sofrimento da população, no caso, negros, homossexuais, transgressores, drogados, inimigos políticos e judeus. Quando os campos lotaram, passaram a eliminar sistematicamente as pessoas para liberar novas vagas. Preciso identificar esse pessoal ou está claro?


Mudam-se os nomes, mantém-se a mesma filosofia desumana e degradante, e porque não dizer, monstruosa.

É por isso que os governos brasileiros privilegiam o ensino técnico em detrimento das áreas humanas e do conhecimento.

(processo feito com louvor pelo governo PSDB e mantido a risca pelo PT - do qual o PMDB foi aliado de ambos)

Porque pensar sobre o passado pode ensinar as pessoas a traçar paralelos.

E libertá-las da mediocridade.


-----------------------------
Adendo, não sou contra a internação compulsória - pois o crack é uma droga que efetivamente destrói o que nos difere de qualquer espécie animal ou vegetal. -, mas sou contra especificamente o conluio entre mídia e poder público para manipular as massas visando, provavelmente, no futuro justificar atrocidades vindouras.

Porque foi assim antes, e só puniram porque foi descoberto.

Por que seria diferente agora?

Parafraseando FHC, se bem feito, apenas a história os julgará.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Cuidado com sua postura ao comentar:
A responsabilidade pelas opiniões expostas nessa área é de de seus respectivos comentaristas, não necessariamente expressando a opinião da equipe do Pensamentos Equivocados.