Conspiração -> Terceira Etapa do Plano.

Conspiração
Terceira Etapa do Plano: "Partida"


- Sombra Negra, precisamos conversar... - Disse Taniel, ao ver a Sombra chegar acompanhada de Jonas.
- Conversaremos então... - Falou a Sombra. - Com ou sem privacidade? - Perguntou na linguagem que Jonas não compreendia.
- Com privacidade... - Respondeu Taniel, na mesma língua.
- O que o fez descer dos céus para esse pequeno inferno, Taniel? - Afirmou a sombra, em seguida mudando para a língua comum. - Por acaso sente falta de seus semelhantes?

Jonas estranhou a mudança súbita de idioma da Sombra. Obviamente de propósito ela dera a ela uma informação que o levou a pensar que a Sombra assim como Taniel seria um anjo, ou pelo menos era um anjo caído do mesmo patamar de Mizovitan. As duas entidades continuaram a conversar por mais alguns minutos, sempre naquela estranha linguagem que Jonas sequer compreendia.
- Você realmente vai colocar em prática essa tática suicida? - Perguntou Taniel.
- Eu não irei me arriscar de modo algum, está vendo a jovem alma a seu lado? - Respondeu a Sombra. - Ela fará tudo sozinha...
- Mas ele é um espiríto missionário... Não pertence as castas guerreiras.
- Não pertencia, quer dizer... Eu, Daik e Mizovitan o doutrinamos nos últimos meses de forma a prepará-lo para isso... E tenho orgulho de dizer que hoje ele sobreviveu a uma matilha de Vermes do Vazio e ao teste de Dragon.
- Você fez o quê? Deixou ele enfrentar Dragon... - Taniel silenciou por um tempo, e fitou Jonas detalhadamente, realmente sentia algo de diferente no jovem, diferente de quando o vira na única vez, ele estava forte. Não tinha nenhuma sabedoria que se ganhava com a experiência, mas era forte. Apenas forte.
- E então, gostou do que viu? - Interrompeu a Sombra.
- Ele é apenas força bruta, não vejo porque vocês o treinaram. É errado isso, você sabe.
- Errado é não tentar. Errado é se julgar acima de qualquer julgamento. Errado é subjugar os menos evoluídos com palavras de ordem sem olhar para o próprio umbigo. O que demos a essa alma foi um propósito, uma forma de resistir ao que virá... Ou de impedir.
- Você sabe que isso não vai dar certo...
- Não tenho nada a perder com isso.

A resposta da Sombra foi o suficiente para Taniel, que se calou e caminhou em direção de Jonas. A Sombra escondeu seu sorriso e observou atentamente seus passos. "Ao menos quero saber se é isso que ele quer.", afirmou Taniel, em linguagem comum. Taniel se aproximou de Jonas e viu que Daik-Haniah e Mizovitan estavam chegando. Talvez tivesse pouco tempo para conversar com o jovem, ou não, mas só tinha uma forma de saber.
- Jonas, é esse seu nome, não? - Perguntou Taniel. - Você está aqui realmente porque quer?
- Não exatamente, era isso ou ser destruído por Mizovitan. - Respondeu Jonas.
- Ah, então você está aqui por livre e espontânea pressão? Bonito isso... - Taniel imediatamente se volta para Mizovitan. - Porque fez isso, Mitzrael?
- Livre arbítrio. - Respondeu o anjo caído. - Eu escolhi matá-lo se não aceitasse trabalhar conosco...
- Sabe que não deixaria isso acontecer. - Avisou Taniel. - Independentemente de nossa amizade.
- Se chegasse a tempo, quem sabe... - Indagou Mizovitan, linguagem desconhecida.
- Com licença, uma pergunta, Taniel. - Interrompeu Jonas.
- Faça.
- Você é um anjo?
- O que você acha? Já viu anjos com asas tão lindas quanto essas?
- Isso... Suas asas são parecidas com as de Daik-Haniah, só agora pude perceber... Não é parecida com a de nenhum dos anjos que vi.
- Sim e não... O que importa saber é que todos nós aqui, a sua exceção e a de Daik-Haniah, somos de uma linhagem idêntica...
- Daik-Haniah?
- Bem, se não te explicaram até agora, não serei eu a explicar... E nem é necessário isso. Você deve saber o necessário somente, pois vejo pelos olhares a minha volta que falei demais.
- Com certeza falou demais. - Disse Daik-Haniah, novamente tornando a falar no idioma desconhecido. - Agora vamos conversar melhor...

Daik-Haniah, Taniel e Mizovitan saíram do ambiente, deixando Jonas e a Sombra sozinhos. Jonas pensou em perguntar a Sombra como uma criatura proveniente dos céus, mesmo não sendo um anjo, aparecia ali e conseguia lidar tão bem com tudo aquilo. A Sombra se antecipou e disse que a linhagem a que eles pertenciam dava-lhes tal capacidade. Eram todos eles capazes de sobreviver em locais onde espirítos comuns sucumbiriam a tentação, e sem aparentarem isso. Disse também que Daik-Haniah era de uma linhagem a parte, com ligação a algo semelhante ao Pai Celestial, mas sem entrar em detalhes. Jonas perguntou se haveria outro Deus, e a Sombra negou, dizendo que Deus apenas haveria um. E que todos eles se conheciam a mais tempo que o anjo mais antigo do céu. Essas explicações bastaram para satisfazer Jonas, que começou a se sentir confuso novamente com o excesso de informações e foi se sentar para descansar daquele dia agitado.

Os dias passaram. Já era madrugada do dia 12 de maio de 2006, oOs treinamentos seguiam sem interupção, até que Jonas foi chamado pela Sombra para conversar. Ela aguardava Jonas na mesma caverna onde o jovem encontrara Daik-Haniah pela primeira vez. Jonas conseguia perceber que não estavam apenas eles dois no local, alguém mais os observava. Apesar de perguntar várias vezes o que a Sombra desejava, não conseguiu muito sucesso em sua resposta, a Sombra parecia estar em transe, distante dali. De repente ela retornou e praguejou muito, dizendo "Eles são idiotas... idiotas!" e outras frases de calão mais baixo. Passados alguns segundos, ela percebe as presenças na caverna e volta a sua frieza tradicional.
- Desculpem a triste cena, estava chocado com tamanha tolice... - Disse a Sombra, enquanto Jonas se aproximava, e da escuridão da caverna saía Dragon. - Temos que conversar rápido... Principalmente contigo, Jonas... Ou melhor, SanoDji.
- SanoDji? Que diabos é isso? - Perguntou Jonas.
- Seu nome de agora em diante... Pode continuar utilizando Jonas, se assim o quiser, mas eu e Dragon passaremos a chamá-lo de SanoDji, um nome mais de acordo com sua missão.
- Missão? - Espantou-se Jonas. - Mas eu ainda estou treinando...
- Estava. - Interrompeu, Dragon. - Descobrimos uma certa aceleração nos planos de meus pretensos aliados, logo, significa que seu treinamento acaba hoje.
- Espera... Mas eu não estou preparado! - Protestou Jonas.
- Pena, quando assinou seu contrato comigo, ele não incluía covardia... - Disse a Sombra. - Pensei realmente que o treinamento tivesse tirado isso de você. O que tem de curioso tem de covarde, mas não tenho como treinar alguém melhor, logo, ou vai ou racha.
- E os anjos, o que disseram a respeito disso? - Perguntou Dragon. - Eu sei que você foi avisá-los de parte de seus planos... Para dar validade a eles dentro das regras.
- Os idiotas... Ah que raiva... Eles disseram que preferiam não escutar minhas palavras, deram a autorização às cegas. Não querem saber do que vai acontecer porque se for a vontade de Deus, é inevitável... Às vezes a credulidade deles me irrita, principalmente quando armam as coisas debaixo do nariz deles e são incapazes de ouvir.
- E o Pai, o que acha disso?
- Ele disse que devo fazer como quiser, ele não vai interferir, pois sabe de minhas intenções e dos procedimentos... - Diz a Sombra, mudando rapidamente para a linguagem desconhecida. - Ele apenas se preocupa com SanoDji, considera tolice sacrificar uma de suas crias mesmo que em prol da Terra No fundo, acredito que Ele apenas esteja esperando o Dia do Juízo.
- Preocupado com o garoto... Era de se esperar Dele... Mas até onde sei não existem riscos para o jovem, pelo menos não imediatos. - Falou Dragon, na mesma língua. - O treinamento de vocês deve bastar... Ele ficou forte.
- Sim, mas Taniel descobriu uma possibilidade de falha que nós esquecemos de considerar...
- Que possibilidade?
- Experiência, SanoDji tem toda a teoria, não tem a prática, apenas força sem a sutileza... E ele está certo, sem prática as coisas podem dar errado.
- Então teremos que contar com a sorte. - Afirmou Dragon, voltando a falar na linguagem normal.
- Sorte? Como assim sorte? - Perguntou Jonas, tendo escutado o novo nome dele vezes demais na conversa misteriosa para saber que falavam dele.
- Você vai voltar para a Terra, Jonas. - Falou a Sombra. - Ainda hoje.
- Hoje? - Espantou-se Jonas. - Como assim?
- É, hoje levarei você de volta para o mundo dos vivos... De onde somente poderá voltar com a missão cumprida. Depois de estabelecido na Terra, o que deve levar pelo menos duas semanas, entrarei em contato com você para explicar melhor sua missão.
- Em duas semanas nem terei começado a engatinhar...
- De onde tirou a idéia que nascerá? Você voltará no corpo de uma Terra de Ninguém, já até escolhi o corpo que usará, para sua sorte ele está internado num hospital particular do Rio de Janeiro e selecionei alguém com condições financeiras das melhores, em duas semanas conseguirá se adaptar aos modos dele e suas lembranças se misturarão as dele, daí então receberá meu primeiro contato. Você saberá quando eu me manifestar.
- Poderei vir aqui, como Daik-Haniah e Mizovitan fazem?
- Não, não poderá fazer viagem astral até esse lugar, a não ser que eu o busque... O segredo é fundamental nessa etapa.
- E quando partirei?
- Agora...

A Sombra mais uma vez mostrou sua mão feminina e segurou Jonas firmemente. Dragon observava a tudo quieto, pois sabia o que esperava o jovem rapaz. Como da primeira vez, Jonas foi tragado pela Sombra e desapareceu do desfiladeiro vermelho. Em alguns segundos sentiu seus pés tocarem o chão novamente e sua alma sentiu o cheiro do Rio de Janeiro. A escuridão desapareceu e ele sentiu uma leve brisa no rosto. Ao abrir os olhos levou um susto. Estavam exatamente em cima dos pés da estátua do Cristo Redentor. Ainda era noite no Rio de Janeiro, e as luzes das casas estavam todas acesas. Jonas vislumbrou tudo aquilo com muita saudade e até mesmo felicidade, pois nunca em vida subira naquele ponto turístico, era caro demais chegar e se manter ali. Era mais lindo ao vivo que nas fotos.

"Bonito, eu também fico admirando a vista daqui... Mas era mais belo antes da intervenção humana.", falou a Sombra, dando um imenso salto na direção da cidade. Jonas a acompanhou. Era uma sensação fantástica planar sobre a cidade do Rio de Janeiro com a segurança da imortalidade da alma. A Sombra, muito mais experiente que ele, voava sublime, deixando-se levar pelos bolsões de ar quente para altitudes maiores. Jonas, menos experiente, era obrigado diversas vezes a se concentrar para flutuar, tornando a viagem por mais agradável que fosse, uma experiência cansativa. Enquanto voavam Jonas viu ao longe a Marina da Glória e sentiu saudade de Adalberto, seu amigo morto por Mizovitan. A culpa que sentia pela morte dele ainda doía profundamente no peito.

Seu vôo continua até o hospital Copa D'or, onde a Sombra pousa tranqüilamente na área reservada a helicópteros. Jonas chega segundos depois e seu pouso foi menos tranqüilo, chegando com muita velocidade e por muito pouco não caindo do prédio direto no meio da Rua Figueiredo. A Sombra esperou Jonas se recompor e afundou no interior do prédio passando pelos andares sem dificuldade. Jonas a seguiu, reparando que dentro do hospital haviam inúmeras almas vagando, em sua maioria pessoas como a Dona Glória, que ajudavam os espirítos na travessia dos mortos. Vez ou outra vira anjos, que também o viam e olhavam com desconfiança para ele.

A Sombra para de afundar no andar onde ficavam os quartos das Unidades de Terapia Intensiva, as UTIs, e esperou Jonas chegar. Quando chegaram, foram diretamente para o quarto 02, onde um rapaz de pele negra aparentemente dormia completamente tomado por aparelhos com as mais diversas funções. A Sombra Negra passou parte de sua essência sobre o rapaz e constatou o que queria saber. "Realmente minhas fontes estão corretas, é uma casca vazia...", e deixou aparecer um sorriso.
- Agora, SanoDji, você vai tocar a cabeça desse rapaz e se concentrar o máximo que puder em tornar-se parte desse corpo... No início irá doer muito, pois o corpo vai resistir bravamente a sua intrusão, mas não vai resistir por muito tempo porque o corpo não quer morrer e seu novo fio de prata servirá para isso. - Disse a Sombra.
- É seguro? Não tem dono? - Perguntou Jonas, preocupado.
- Nenhum dono... O corpo está completamente abandonado, garanto, tanto que os médicos já rifaram os orgãos dele e em três horas, ao amanhecer, virão fatiá-lo e dar esses orgãos a novos donos... A não ser que ocorra um milagre. Sim, um milagre chamado SanoDji... Entende?
- Quer dizer que depois disso terei que viver uma vida inteira?
- Não, quando cumprir sua missão eu mesmo cortarei o fio de prata e o levarei de volta... Pois eu o costurarei. Até lá estará preso a Terra, e não deseje falhar ou sequer fugir, não conseguirá... Estarei sempre por perto para lembrá-lo disso.
- Não se preocupe, não tentarei fugir.
- Tentará sim, pelo menos a carcaça tentará, pois terá duas semanas pra vencer o cérebro dela e a programação do espiríto que a comandava antes... E essa será uma dura batalha.
- Está bem, que assim seja.
- Que assim seja.

Imediatamente a Sombra toca a cabeça de Jonas. De início Jonas olha para os lados sem nada perceber, então aos poucos tudo começa a escurecer e ele começa a sentir-se com sono, uma sensação que não tinha há muito tempo. Então uma forte dor toma conta de seu corpo todo e têm a impressão de estar atravessando uma grossa parede de pedra através de um pequeno buraco, então a dor cessa. Ele olha para suas mãos e se vê negro, sente-se em um lugar estranho e ao mesmo tempo tem a impressão de que ele não deveria estar ali, que a sensação estranha é que é estranha. Então um turbilhão de imagens e memórias invade seu cérebro, e em frações de segundo algo estranho acontece, Jonas sente desaparecer aos poucos, suas memórias de quando vivo se esvaindo como a areia de uma ampulheta sendo mescladas e ao mesmo tempo substituídas pelas do corpo. Seu nome cede lugar a outro, como se Jonas fosse sequer uma lembrança. Seu nome era Fernando...


Continua...

Um comentário:

  1. Muito bom esses dois últimos cápitulos, agora é só torcer pelos próximos.

    ResponderExcluir

Cuidado com sua postura ao comentar:
A responsabilidade pelas opiniões expostas nessa área é de de seus respectivos comentaristas, não necessariamente expressando a opinião da equipe do Pensamentos Equivocados.