Missão -> Quarta Fase da Missão, "Viajando!".

Dessa vez, em tempo recorde estou colocando mais um pedaço do conto.

Recebi comentários (pessoalmente, todos lêem, mas não comentam =p) a respeito de não ter o texto disponível em versão pra impressão, bem, ele existe e está aqui do lado, mas só os coloco por bloco, ou seja, quando Missão terminar, estarei colocando o resto do material no formato PDF.

Pra quem nunca repara no link quando lê o blog, ei-los novamente:
Revelações em PDF.
Conspiração em PDF.

Agora posso garantir que estamos na reta final... As emoções serão fortes e o banho de sangue desse capítulo de agora foi apenas "subjetivo" (como verão), mas no próximo é tiro pra todo lado, do início ao fim. =p

(na verdade era pra ser em um capítulo somente, mas ficou realmente enorme, e sem figuras - dessa vez não arrumei uma sequer, mas devo arrumar e adicionar depois)

Sem enrolar mais, segue o capítulo 4 da Missão... E faltam apenas 3 =p

E depois de Missão, o que virá? =p


Missão
Quarta Fase da Missão: "Viajando!"

O sol brilha para todos, menos para Mozart. No auge de seus vinte e dois anos Mozart já comeu o pão que o diabo amassou no lugar onde mora. Mora? Não, Mozart se esconde dentro do imenso complexo da Maré, nos arredores do Rio de Janeiro. Morador da Comunidade do Tinguá, Mozart sempre foi um rapaz violento. Dizem seus avós que aos quatro anos de idade cegou o cachorro da família porque este não havia lhe dado atenção. Aos seis anos de idade foi expulso do colégio onde estudava porque quase matara um de seus coleguinhas de sala com estocadas de lápis após discussão envolvendo um pedaço de madeira das carteiras.

Aos quinze anos de idade matou a pauladas sua namorada, porque essa fizera-lhe o favor de dizer que estava grávida. Com dezesseis anos foi convocado para o exército do tráfico. Com dezessete matou o pai por querer que estudasse ao invés de roubar. Horas depois deu tranqüilizantes a sua própria mãe e a matou enforcada com as entranhas do pai. Com dezoito matou o líder da boca de fumo e tornou-se conhecido por toda a região com o apelido de Carne Moída. O apelido surgiu justamente porque depois de matar o chefe da boca de fumo, ele o moeu e vendeu a carne para bares do centro do Rio de Janeiro em vésperas de carnaval. Desnecessário dizer que ele era uma pessoa temida na região. Seus servos o admiravam pela frieza, mas todos os demais o odiavam por sua monstruosidade.

Mas toda sua monstruosidade teve um preço. Dada a grandiosidade de seus crimes, no pior sentido de "grandiosidade", os policiais recusavam-se a receber propinas de sua quadrilha. No início até dava para conviver com alguns prejuízos, mas com o passar dos anos Carne Moída e seus comparsas foram obrigados a variar no mercado de trabalho. Ainda eram traficantes, mas agora também praticavam assaltos na Avenida Brasil pra complementar a renda da firma.

Aquele dia de maio prometia para o bando de Mozart. Graça as contatos na comunidade, conseguiram descobrir que na noite desse mesmo dia dois veículos passariam pela Av. Brasil com destino a Angra dos Reis. Dentro dos carros, uma ambulância, estaria a esposa de um vereador da cidade, ferida durante um tiroteio em Copacabana. O plano era simples, matariam todos nos veículos, exceto a mulher, e a seqüestrariam. Dada a comoção por causa do tiroteio, pediriam um enorme resgate que seria pago rápido ou Carne Moída empalaria a mulher em algum poste e chamaria os jornais pra tirar fotos. Tudo seria perfeito naquela noite.



Fernando acordara cedo e seguira todas as instruções de Albano com o melhor de si desde que chegara a seu novo emprego no horário estabelecido. Recebera da Organização duas pistolas e uma submetralhadora, todas do mesmo modelo que as de Albano. Albano, por sua vez, começava a aceitar a idéia de ter que treinar alguém, e explicou a Fernando todas as funcionalidades de seu Chevette. Fernando, como de se esperar, ficou assustado com todas as modificações que o velho possante recebera, e ficou muito mais impressionado quando Albano lhe revelou que existiam pelo menos mais dez carros iguais. Ainda naquele dia, antes da hora do almoço. Fernando recebeu algumas aulas de tiro e no final da tarde ele e Albano vestiram os uniformes de seguranças (ternos pretos simples, mas Albano jamais abandonava seu sobretudo) e partiram para o hospital Barra D'or no Chevette negro. A única coisa estranha naquele dia foi que Fernando não vira Regina em nenhum lugar do escritório.

Graças ao tradicional engarrafamento da Auto-estrada Lagoa-Barra, conseguiram chegar ao hospital Barra D'or precisamente as sete horas da noite. Para sorte deles, tinham chegado meia hora mais cedo que o combinado. Albano e Fernando mostraram suas credenciais a uma das recepcionistas do hospital e subiram de elevador até o andar onde a esposa do vereador estava internada. O andar era um dos andares mais caros de todo o hospital, com ambiente climatizado e ao invés de bebedouros, instalaram máquinas de café da Nestlê, oferecidas gratuitamente aos visitantes. Albano consultou seu relógio e viu que sobravam ainda alguns minutos para chegar. O combinado era entrarem no quarto exatamente às dezenove horas e trinta minutos. E combinação era uma ordem, ordens seriam cumpridas. "Vamos tomar um café e aguardar meu sinal.", disse Albano se dirigindo para a máquina de café e programando-a em café forte sem açúcar.
- Nervoso? - Perguntou Albano, enquanto apoiava o copo de café em uma mesa ao lado da máquina e acendia um cigarro. - Se quiser fumar...
- Não fumo. - Disse Fernando, sentindo até alguma vontade, mas optando apenas em acompanhar Albano no café.
- Ao menos não negou estar nervoso... Você possui fibra, e admitir nervosismo é uma qualidade que poucos têm. - Falou Albano, apontando o dedo indicador para Fernando.
- Não concordo... Todos ficam nervosos. - Argumentou Fernando.
- Sim, uns não admitem, outros dizem logo de uma vez e arregam... Esses eu mato na hora...
- Pensei que...
- "Estivesse tudo bem?", vai nessa! - Interrompeu Albano, dando uma boa golada de café. - Você não tem nem vinte e quatro horas aqui, se pensa que vou confiar em você está muito enganado. Estamos todos de olho.
- E porque me colocaram nessa missão de escolta?
- Ordens, ora, simplesmente ordens de cima...
- E você não sabe por quê?
- Não.
- Não? Você não pergunta os motivos de suas ordens?
- Não.
- Como assim? Você é maluco?
- Não.
- Então você é o que?
- Um soldado, e soldados cumprem ordens... E é bom se acostumar, você faz muitas perguntas. Não sabe falar de outras coisas? Mulheres... Ah, esqueci que você não curte...

Fernando sentiu repulsa do comentário de Albano. E não era pelo preconceito embutido na questão, pois o olhar de Albano transmitia que ele estava mentindo. Que sequer se importava com o teor da conversa, seu chefe apenas o queria irritar. "Merda, se continuar assim vou perder a paciência e vai dar tudo errado.", pensava Fernando, tomando o último gole de seu café e emendando outro copo a seguir.
- Café demais vai te deixar ligadão. - comentou Albano, insistindo em sua tática, mas vendo que Fernando era esperto pra cair nisso. - Gostei de você, é um moleque esperto...
- Moleque? Tenho vinte e cinco anos... - Afirmou Fernando, convicto de sua posição.
- Eu tenho trinta e muitos... Além disso, já matei tantas pessoas que nem somando todos os seus dias vivo conseguiria chegar perto desse total... Pra mim você é apenas um moleque. - Falou Albano, começando a fumar, mas nitidamente sem tragar.
- Sente orgulho dessa marca? Eu não conseguiria dormir com um peso desses na consciência...
- Orgulho? Tenho muito... Apenas me tira o sono um certo arrependimento.
- De ter feito tantas vítimas?
- Não, eu me arrependo apenas de não ter dado mais tiros. Existem dias do ano em que não disparo uma bala sequer, isso me enlouquece. Vide ontem, saí de sua casa e fui direto pra Organização em busca da sala de treinos. Até um mendigo peguei pra treinar...
- Mendigo?
- É. Mas não aqueles miseráveis que estão sofrendo nas ruas, peguei um dos malandros... Que se fazem de pobres pra extorquir dinheiro dos otários, isso quando não roubam as pessoas. Levei o filho da puta pra sede, amarrei o desgraçado lá na sala de tiro e quando dei o primeiro tiro na perna, fui convocado pra reunião... Chato não?
- Monstruoso... Isso sim.
- Há há há há! - Gargalhou Albano, dando em seguir a última tragada no cigarro e jogando a guimba no lixo. - Ouvir disso vindo de alguém que não faz dois dias estourou os miolos do namorado com dezesseis tiros é no mínimo cômico...

A dura verdade de Albano feriu a moral de Fernando seriamente. O jovem preferia levar um tiro na virilha a escutar tais coisas e de tal forma. Ele sabia que não era mais a mesma pessoa, mas os sentimentos da Carne ainda se misturavam aos da Alma, e por menos que estivesse doendo, ainda doía. Por mais monstruoso que Albano fosse, o que fizera com Renato era do mesmo grau de crueldade, senão pior. Mesmo assim, e amaldiçoando os responsáveis por seu estado, Jonas ainda precisava manter Fernando vivo, ao menos por fora. Mas nem por isso deixaria de tirar o melhor proveito da pior situação.
- O que vocês fizeram com o mendigo? - Perguntou Fernando, deixando a conversa fluir e os sentimentos de culpa desaparecer.
- Descartamos, depois te ensinarei como, agora vamos pro quarto dela, que temos trabalho a fazer...

Albano consultou novamente o relógio e caminhou apressado para o quarto. A conversa demorara mais que o previsto e agora tinham menos de quarenta segundos para percorrer o corredor até o local certo. Pra evitar atrasos, e ele nunca se atrasaria, Albano começou a andar o mais rápido que podia desesperadamente. Fernando o seguiu, estranhando a pressa de seu companheiro. Sem bater na porta, e faltando menos de dois segundos, Albano entrou no quarto bufando, mas satisfeito por não ter se atrasado.
- Pensei que você fosse demorar... - Falou Regina, sentada ao lado da esposa do vereador.
- Ele! - Berrou a mulher. - Foi ele quem matou minha família! Socorro!
- Calma, Amanda. - Disse Regina, enquanto Fernando entrava no quarto e trancava a porta a mando de gestos de Regina. - Você esqueceu de quem é? Do que tem que fazer?
- Mas... ele... - A mulher caiu em prantos.
- Chega de frescura!

Regina ergueu suas mãos e segurou a cabeça de Amanda com firmeza. O gesto foi tão brusco e repentino quanto foi violento. Até mesmo Albano se assustou com toda essa determinação de Regina. De repente todos na sala começaram a sentir o odor acre de enxofre e as flores que estavam distribuídas em vasos pelo quarto começaram a murchar. Regina então proferiu uma seqüência de sons e grunhidos estranhos, mas entoados como uma canção profana. Amanda de imediato se acalmou e começou a acompanhar o cântico. Tudo não durou mais que quinze segundos, mas para os dois homens presentes pareceram ser horas. Regina finalmente soltou a cabeça de Amanda, que naquele momento estava completamente calma. Em seguida as duas se olharam e se beijaram de um modo depravado e completamente absurdo para os olhos de Fernando, e pelo que o rapaz pôde ver até Albano demonstrou certo incômodo com as duas.
- Bem, Albano já conhece o esquema todo... Sejam rápidos e escoltem nosso novo membro até Angra dos Reis. Ao chegarem entrem em contato, mas não saiam de lá. - Falou Regina, desvencilhando-se de Amanda.

Sem dizer uma palavra mais, Regina saiu do quarto e foi embora, deixando os três sozinhos no quarto. Ao que a porta se fechou Amanda sentou-se na cama e perguntou se Albano tinha um cigarro, sendo prontamente atendida. Sem dizer mais nenhuma palavra, a mulher acendeu o cigarro e deu uma longa tragada, pra em seguida tossir desesperadamente. "Odeio esses tipos de carcaças... Puras demais!", disse a mulher com uma voz levemente alterada, como se mais grossa. Albano continuou em silêncio e verificou as horas em seu relógio. Fernando notou o mesmo, que estava ficando tarde demais pra viajar em uma cidade como o Rio de Janeiro.

Apressados os dois agentes levaram Amanda embora do hospital e a colocaram no banco traseiro do Chevette de Albano. Inicialmente ela pensou em protestar, dada sua posição social, mas ao ver os opcionais do carro mudou de idéia rápido. Albano sentou-se no volante, tendo Fernando ao seu lado e a mulher foi sozinha no banco traseiro. Pelos cálculos que Albano fizera, demorariam pelo menos de duas a três horas de viagem até chegarem em Angra, se não fizessem paradas e sem chamar atenção da policia rodoviária. Tudo estava dando certo, até demais, na mente dos dois agentes da Organização.



"Essa noite vai ser demais", disse Carne Moída aos membros de sua quadrilha no início da noite enquanto cheirava sua primeira carreira de droga das muitas que consumiria até o momento de saírem. Tinham três kombis carregadas de munição, cocaína e pelo menos cinco dos seus homens de confiança para cada uma. Carne Moída e outros dois comparsas iriam em outro carro, um Vectra, pra dar suporte em caso de problemas. O bonde sairia pela Vila do João, na Avenida Brasil, e tinha como objetivo pegar pelo menos duzentos mil reais dos "manés do asfalto", somados carros, celulares e outros furtados em ônibus de viagem. Se acaso não conseguissem atingir a meta, simplesmente queimariam três ônibus e diriam que era represália pela morte de algum traficante. Depois escolheriam o nome do homenageado, no momento apenas se divertiriam às custas do povo.

Quando eram precisamente dez horas da noite um dos fogueteiros deu o sinal, avisando que "a polícia já tinha se mandado". Imediatamente todos correram para seus respectivos veículos e partiram, escutando dos mais diversos proibidões pra dar o clima. Desceram a Av. Brasil em direção a Linha Amarela, entrando na via expressa para entrarem no retorno por Bonsucesso para o sentido da via expressa que daria mais lucro e que serviria de rota de fuga de volta pra Vila do João, caso algo desse errado.
- Já sabem das paradas... Se for casaco azul, é pra explodir a cabeça do filho da puta com fuzil e depois penduramos no morro. - Instruiu Carne Moída, pelo rádio.
- Vai moer eles e vender? - Perguntou um comparsa pelo rádio.
- Polícia não serve nem pra alimentar porcos... Queimamos mesmo no microondas. - Respondeu Carne Moída, fazendo todos rirem de vontade de matar muitos policiais.
- Vamos deixar o olheiro aonde? - Perguntou outro bandido.
- Perto da entrada pra Bonsucesso, a uns dois quilômetros de onde vocês ficarão, já quase na comunidade. - Ordenou Mozart.
- Beleza., estamos fazendo então.

Carne Moída cessou a comunicação e reduziu a velocidade de seu Vectra.Pra não levantar suspeitas, ele sempre fazia isso, reduzia a marcha e dava umas voltas pela região e aguardava o som de tiros. Se não tivessem som nenhum, era porque tudo estava dando certo. Se ouvisse algo, era porque alguém fizera merda e era hora de aloprar. Ele desceria a Linha Amarela descarregando sua metralhadora pra todos os lados, exceto para onde estavam seus comparsas, e deixava uma trilha bem grande de corpos pra polícia limpar. No dia seguinte um contato na imprensa colocava a culpa dos tiros na polícia e uma manifestação complementaria o serviço. Enquanto estacionava seu carro em alguma rua próxima, seus companheiros estavam fechando a pista lateral da Avenida Brasil, no sentido Baixada.


Albano e Fernando se separaram. Em virtude da frescura de Amanda, acabaram tendo de providenciar um segundo carro para a viagem, de aspecto mais luxuoso que o Chevette. Obviamente Albano reclamou do fato com a Organização, mas ao invés de ser ouvido, a Organização enviou mais um carro para satisfazer os desejos da mulher, dessa vez uma bela Mercedes. Albano desistiu de argumentar e apenas comentou com Fernando que eram todos idiotas por darem ouvido a uma iniciante.
- Ela deve ser importante... - Comentou Fernando, enquanto se sentava no carro e via Amanda ser guiada por outros agentes pra dentro do Mercedes.
- Poderia ser Deus naquele corpo... - Respondeu Albano, já sentado e girando a chave da ignição.
- Porque tanta raiva? Ela é esposa de um político... Ao menos viúva de um. - questionou Fernando, enquanto prendia o cinto de segurança.
- Não é raiva, é indignação... A Organização deu voz a uma qualquer que chegou há menos de uma semana, e um destaque que não é seguro.
- Destaque?
- Tem noção da hora em que estamos começando a viajar? E do carro dela?
- Mas não vamos viajar de jatinho particular daqui da Barra?
- Não, vamos partir do Aeroporto Internacional... Lá na Ilha do Governador.
- E daí? Descemos a Linha Amarela a toda e chegamos lá em uma hora no máximo, até menos.
- Daí? Daí que são dez horas da noite quando deveríamos ter saído as oito e meia, e quando estivermos na Linha Amarela perto do aeroporto, serão quase onze da noite. Não tem lido jornais sobre crimes nas proximidades daquela região?

Com as últimas palavras escutadas Fernando se lembrou das notícias sempre constantes de crimes ocorridos nas redondezas, mas não deu importância. "Hoje é o dia 24 de maio de 2006, uma quarta-feira, e quem em sã consciência faria algo no dia mais morto da semana?", pensou Fernando enquanto se incomodava com o fedor de mais um cigarro sendo aceso por Albano. Minutos depois uma comitiva de dois carros negros começava sua viagem rumo ao Aeroporto Internacional, onde um avião os aguardava com destino a Angra dos Reis.
- Sabe uma coisa engraçada? - Comentou Fernando, quebrando o silêncio dos primeiros cinco minutos de viagem.
- O que? - Perguntou Albano, prestando atenção na avenida, mas estranhando o tom de voz do rapaz.
- Algumas horas atrás você disse que se eu me deixasse levar pelo estresse me mataria...
- E?
- Bem, essa tal de Amanda deu ordens a torto e a direito, com uma senhora demonstração de frescura, e depois eu que sou o viado aqui...
- Aonde quer chegar? - Cortou Albano.
- Se eu que tinha vinte e quatro horas posso morrer se der um "pití", porque nada aconteceu com ela?
- Quem disse que nada vai acontecer com ela?

Fernando quase ousou rir com a resposta de Albano, mas preferiu o silêncio. Aliás, ambos se calaram e o silêncio só foi quebrado quando Albano pegou um DVD no painel e colocou para tocar no Chevette. "Cantos Gregorianos, gosto muito de escutar em missão...", comentou Albano, voltando ao silêncio habitual. E a viagem de ambos continuou sem problemas.



A noite para a quadrilha estava fraca. Apenas tinham roubado dois carros mais ou menos novos (que foram levados para o desmonte imediatamente, reduzindo a quantidade de bandidos presentes) e um ônibus para o aeroporto, que estava tão vazio que apenas valeu a pena assustar os passageiros e fazê-los implorar pelas vidas. De resto, já eram dez e meia da noite e nada. Nenhuma pessoa viva naquele trecho da Linha Amarela além deles mesmos. Já haviam trocado rádio duas vezes com Carne Moída pedindo para irem pra Av. Brasil furtar e não na Linha Amarela, mas a permissão foi negada. E nenhum deles ousaria negar permissão ao bandido, pois sabiam que no dia seguinte seriam servidos no almoço de alguma escola.

Eis que de repente algo de diferente aparece. Através de um binóculo o olheiro da quadrilha vê chegarem dois carros negros em alta velocidade, e aparentemente separados ou talvez disputando um pega. Mas um deles em especial chama muita atenção. É um Mercedes preto, muito, mas muito luxuoso. O bandido de imediato chamam Carne Moída e os demais pelo rádio.
- Caralho! Tem dois carros vindo... Um deles é um Chevette preto velho e o outro é um puta carro... - Diz o bandido pelo rádio.
- Puta carro? - Responde Carne Moída.
- Um mercedão, e não to falando de busão não... É coisa de ricaço mesmo, daqueles de filme. - Detalhou o comparsa.
- Faz o seguinte, vamos mudar o dia de roubo pra seqüestro! Peguem o filho da puta, e se gritar muito matem o babaca e levem o carro... Depois damos jeito. É Jesus na mente! Estou indo para aí... Devo chegar logo atrás dos dois carros pra evitar fugas.

Mozart cortou a transmissão e ligou seu Vectra. Eram apenas dois carros e seus treze homens (pois dois haviam partido e o olheiro estava longe demais) dariam conta do recado. Um deles tinha sido PQD no exército e sabia atirar em pneus se precisasse. Pra confirmar se estava tudo certo, e se os carros não haviam feito nenhum desvio, fez uma nova chamada para o olheiro enquanto começava a descer um viaduto em direção a Linha Amarela. Nenhuma resposta. "Merda, tem alguma coisa errada.", pensou Mozart antes de escutar o som claro de uma grande explosão.

Continua...

Esses dias conversei com o Pk e com pessoas que leram o material e todas até o momento acreditam realmente que eu vá conseguir publicá-lo... Se assim for, quando terminar de revisar a versão impressa que fiz dele, vou começar a bater de porta em porta nas editoras aqui do Rio. Se não der, vou ter que ir a Sampa alguns dias em busca do sol dourado (quem lembra disso?)... Tomara que dê =p

No próximo capítulo, as forças do tráfico encontrarão um rival que não erra seus tiros... Confronto entre Carne Moída e Tirolez, quem ganha?

*Geralmente cachorros devoram carne moída...*

6 comentários:

  1. Ih cara, já peguei o bonde do conto lá n frente, mas gostei do que li. Muito bem escrito, Parabens!
    O lance de você colocar tudo em PBF facilita muito quem deseja acompanhar a saga pro inteiro. abs!

    ResponderExcluir
  2. Muito bom hein? Já tem um futuro certo como contista ou algo ligado à redação (e suas diferentes formas). Parabéns.

    ResponderExcluir
  3. ishh...peguei o conto no fim ja...hauhauhauhau
    mas mto bem escrito vei!

    parabens pelo blog!

    ResponderExcluir
  4. cara muito d+ peguei o conto agora mas concerteza irei ler os anteriores e os posteriores!!!
    parabens!!
    abraço.

    ResponderExcluir
  5. É isso ae Ricardo, ta muito bom.

    quando vc estiver com todo o material revisado me passa que eu conheço um pessoal de um editora (que não é a que eu trabalho claro, vai que ele se tem a msm visão que eu e publicão =)

    ResponderExcluir
  6. Já sinto o cheiro da pólvora no próximo capítulo!

    ResponderExcluir

Cuidado com sua postura ao comentar:
A responsabilidade pelas opiniões expostas nessa área é de de seus respectivos comentaristas, não necessariamente expressando a opinião da equipe do Pensamentos Equivocados.