Revelações -> Sétima Etapa da Viagem.

Conforme prometido, a última etapa das Revelações, onde a saga de Jonas se fecha. Provavelmente ficarão perguntas a respeito de alguns seres que aparecem no conto, seres esses que serão explicados em uma aventura que vou postar depois da que é passada na Segunda Guerra.

É um capítulo mais curto que os demais, pois ele remete a um momento do texto em que tudo era realmente curto.

Agradeço a quem leu, e a quem de certa forma comentou comigo ainda que pessoalmente. A quem não leu ou lerá, aconselho a ler. Se tudo der certo, imprimo esse material e vou começar a bater de porta em porta em busca de uma editora disposta a publicar. Espero que o feedback que tive aqui no blog me ajude.

Sem mais enrolar, o epílogo...



Revelações
Sétima Etapa da Viagem: “Epílogo.”.

Jonas despertou sabe-se quanto tempo depois naquele mesmo desfiladeiro. Como da primeira vez, estava nu. Sua cabeça doía muito e lembrava vagamente de seus últimos momentos na Terra. Lembrava do anjo chamado Sônia e de Albano matá-lo pela traição. Mas uma coisa ainda martelava em sua cabeça, se sua visão tinha se tornado realidade. A forma carnal de Fernando o abandonara por completo, deixando apenas a forma de Jonas.

Com a destreza de quem passeara por aquele ambiente diversas vezes, Jonas literalmente voou pelo desfiladeiro em direção a enorme montanha vermelha onde nela ficavam acampadas as tropas de Dragon. Ao chegar nada encontrou que senão os restos do enorme acampamento. “Droga, eu falhei...”, balbuciou Jonas preparando-se para procurar pela prisão do Devorador de Almas. Quando alça os céus, vê um homem vindo do enorme deserto caminhar em sua direção. O homem tem o corpo completamente coberto por um manto cinza escuro, e uma estranha aura pálida e fria cobre uma área de pelo menos dois metros em torno dele, gerando uma tênue, mas visível, névoa. Jonas sente uma estranha familiaridade no homem, mas não consegue imaginar de onde o conheça, e pousa para obter informações. Antes que o jovem possa dizer algo, o homem dá início a conversa:
– Então você é o espírito de luz chamado de SanoDji? – Pergunta o homem.
– Sim, e quem é você? – Pergunta Jonas, intrigado.
– Trago informações... Da Terra. – Falou o homem, ignorando a pergunta.
– Eu perguntei seu nome, não o que faz... – Interrompeu Jonas, áspero.
– Você quer saber o que aconteceu ou quer saber meu nome? – Falou o homem, elevando o tom de sua voz de forma tal que refletiu no frio, tornando-o mais intenso.
– Então me diga.
– Seu amigo não explodiu a usina, todos estão bem... Se é o que lhe preocupa. Você não falhou em sua missão.
– Como assim não falhei? Eu morri!
– E era exatamente essa sua missão... Servir de alvo.
– Como assim?
– Simplesmente desse jeito que falei, você serviria de alvo enquanto o verdadeiro agente agiria.
– Então quer dizer que a Sombra me usou?
– Exato, o tempo todo... Mas pense, foi por uma boa causa... Pelo menos a causa que interessava a ela.
– E porque você veio me dizer tanta coisa?

“Porque ele é intrometido”, interrompeu a Sombra, surgindo no meio dos dois como por mágica. O homem de manto cinza escuro reagiu ríspido a presença da entidade, fazendo com que o frio no local aumentasse tanto que um espírito comum teria sofrido sua morte final naquele momento. A Sombra apenas exibiu seu enorme sorriso pálido e se enroscou em Jonas.
– Você sabe que existe um contrato, Archeron. – Comentou a Sombra, deixando propositalmente o nome escapar. – Você ainda não aceitou muito bem o que aconteceu... Sabe muito bem que não é minha responsabilidade tudo que aconteceu.
– Quem é “Archeron”? – Pergunta Jonas.
– Amigo do Devorador, de antes dele reassumir seu lugar na ordem natural das coisas... Ficou triste porque quando tudo aconteceu seu nome e o de sua família foram usados pelas pessoas envolvidas. – Explicou a Sombra, sem dar em detalhes.
– Pessoas com que se associou, pelo que vi. – Respondeu Archeron, que mesmo com seu nome revelado, não retirava o capuz.
– Negócios, apenas negócios... Admita, até mesmo você e seus semelhantes saíram ganhando... Todos saíram ganhando.
– Não todos. – Balbuciou Archeron.
– E quem se importa com o gado? Pobres almas que somente servem para alimentar o ego tanto das borboletas quanto das lagartas! Tanto o lado que se diz bom quanto o que afirma ser ruim, todos no fundo só querem saber disso... De inflar seus lindos egos. Eu, ao contrário, não vejo os comuns como gado, vês Jonas? Chegou um mero bezerro em meus domínios, e agora se tornou um minotauro...
– Minotauros vivem presos em labirintos sem saída... – Interrompeu Archeron.
– Bem fortuita sua interrupção. – Respondeu a Sombra, mas sem dar importância. – Agora, já fez das suas e já falou o que queria. Agora suma daqui... Já está incomodando meu pupilo.
– E se eu quiser ficar?
– Serei obrigado a falar mais coisas a ouvidos não treinados, deseja criar mais problemas a seu lado?

Archeron cessou seu diálogo. Era demais escutar tal ameaça proveniente de alguém que era incapaz de admitir seus erros. Mesmo que no momento o erro fosse a arrogância. Deixou-se cobrir por uma densa nuvem esbranquiçada e abriu seus dois pares de asas azuladas. Jonas tentou ver o rosto por destras da névoa, se esforçou, mas apenas conseguiu distinguir dentre a neblina uma máscara de prata que cobria grande parte do rosto, tornando-o completamente irreconhecível, isso se Jonas o conhecesse. Quando a figura alada desapareceu nos céus enevoados, Jonas contou alguns segundos e voltou-se para a Sombra:
– Um dia você vai me contar tudo sobre essa sua linhagem. – Afirmou Jonas.
– Um dia que não é hoje, é outra história para outra época. – Respondeu a Sombra. – No momento vou me restringir a dizer algumas coisas que aconteceram nos últimos seis meses.
– Seis meses?
– Sim, foi o tempo que levei para resgatar sua alma dos abutres que estavam cercando a Usina... Você não se lembra, mas quando Albano te matou, você passou pelo choque da morte violenta e por muito pouco um dos chacais do inferno não o devorou. Para sua sorte Sônia chegou alguns segundos depois e foi uma refeição muito mais saborosa, diga-se de passagem... Garanto-te que ela se debateu muito.
– E porque Albano não destruiu tudo? O tal do Archeron disse que ele era agente seu... É verdade?
– Completamente. Lembra que eu te disse que tinha mais dois agentes? Bem, eu disse que havia falhado, ao criá-los, mas não disse tudo... Albano foi a matriz. Depois dele tentei gerar mais dois, fracassei, então criei você e tive sucesso.
– Sucesso? Mas eu morri?
– E era essa mesma a intenção. Eu e meu aliado sabíamos que se Albano fosse sozinho ele seria descoberto mais cedo ou mais tarde, ele era bom demais. Então Dragon aconselhou que usássemos a velha tática do Boi-de-Piranha. Albano foi informado que quando o momento certo chegasse, ele veria o sinal de que deveria executar suas verdadeiras ordens.
– E que sinal era esse?
– A tatuagem em seu braço. Sônia foi estúpida em destruir suas roupas, mas sabíamos que cedo ou tarde Albano as veria. E as viu. Sabendo o que tinha que fazer ele matou Sônia e foi para a Sede da Organização na Av. Presidente Vargas.
– E?
– Explodiu tudo. Matou todos, fez o que sabia fazer de melhor. Foi o mais rápido que podia a sede e matou todo mundo. Agora ele está viajando para a Índia.
– Índia?
– Sim, vai se afastar da civilização enquanto for necessário. Até a poeira baixar, depois ele volta de novo, quando precisarmos dele.
– E quando seria?
– Quando tiverem novamente a idéia idiota de iniciarem o Apocalipse.
– Como assim?
– Entenda... Tanto as borboletas com asas quanto as sem asas desejam que isso aconteça. Cada uma das duas categorias possui um livro que diz o que cada uma ganhará e perderá quando o Apocalipse acontecer. Eles acreditam, cada uma das forças, que podem vencer as adversidades previstas. Aliás, ambas crêem na vitória de seu respectivo lado, mas...
– Mas?
– Existem seres dentro da existência que ganharam status demais para de repente uma guerra qualquer colocar tudo que conquistaram durante milhões de anos em xeque. Eu já passei por isso uma vez, não desejo ver todo o status quo de eras ser transformado em cinzas só porque duas entidades bestas decidiram chocar suas opiniões e desafetos. E assim como eu existem muitos outros que ganham muito mais com as coisas como estão do que com as coisas como serão. Inadvertidamente a guerra vai acontecer, mas, falando dos seus termos, enquanto der pra comer caviar porque optarei pela sardinha?
– Você me disse isso a respeito quando trouxeram o Devorador de volta de seu exílio.
– Sim, tentaram soltar essa besta antiga no mundo, mas impedi o pior. E esse ato vil foi praticado pelos representantes das borboletas. O ato ao qual você participou foi organizado pelo Inferno e com ajuda de algumas borboletas que também desejam a guerra. E por causa disso me aliei a um velho inimigo para juntos darmos ao planeta terra mais alguns anos de purgatório... Anos que aproveitei para me cercar do que existe de melhor no universo.
– Então quer dizer que tudo isso aconteceu por causa de Ego?
– Sim, só por causa de ego... Ego ferido de milhões de seres que se sentem na berlinda de suas próprias existências porcas. Que esperam que a filtragem que o Pai Celestial fará durante a guerra os coloque em posições melhores, criaturas mesquinhas, que sempre ficaram a margem da criação. E...
– E poder esse que outras criaturas mesquinhas não querem perder? – Interrompeu Jonas. – Da maneira como diz parece que a própria Organização ou seus caciques não queriam perder seu status e meio que se deixaram derrotar... Depois de tudo que me falou me parece que foi exatamente isso que aconteceu. A Organização se deixou derrotar.
– Não a Organização, mas um de seus líderes. Seu nome é Niamaran, deve ter ouvido falar, se não ouviu, ainda o conhecerá. Sem a ajuda dele jamais teríamos conseguido impedir isso... Bom ver que você ficou esperto esses meses que passaram... E sim, esses “mesquinhos” não querem perder. Mesmo que para isso a Terra seja sacrificada por si própria e tudo tenha que recomeçar em outro lugar.
– Quer dizer que existe como a Terra se destruir sem nenhum apocalipse acontecer?
– Sim, ou se trata a podridão ou ela consome tudo... Existem pessoas boas, más e idiotas. E os idiotas são o gado que tudo destrói... Que obedecem sem pensar... Que mesmo com todo um mundo de informações se recusam a pensar nas ordens que recebem, que nunca questionam nem a si mesmas. E se a Terra tiver que perecer imersa em seu próprio excremento moral, que seja feita a vontade dos que se interessam pela continuidade.
– Filosófico você... Albano era obcecado em obedecer ordens, isso o torna gado?
– Ele era um caso especial. Um dia irá entender porque ele usava esse chavão... Mas agora chega de falar, temos outras coisas a fazer e mais coisas a organizar. Para a próxima vez...
– Organizar? Vamos dominar o mundo?
– Sim, tal qual aquele desenho animado dos ratos de laboratório, precisamos volta a caverna e planejar...
– Se refere REALMENTE a dominar o mundo?
– Não, mas a impedir que tentem...

E os dois riem do ridículo da piada.

FIM




Simples, seco e sem enrolar. Agora ficam perguntas que serão respondidas numa saga que se passa em outro lugar, em outro tempo e que vai transcorrer milhares de anos até os dias atuais, tudo isso mesclando com momentos passados nos tempos presentes.

Vai enfocar mais o triunvirato formado por Taniel, Daik e por Archeron, passando por outros personagens que a medida que forem lendo ficará mais claro tudo mais... E claro, com a participação da Sombra. =p

7 comentários:

  1. um desfecho que mais parece um abrir de portas, bem ao seu estilo. Muito bom, parabéns!
    Agora, quer ser convidado para o coquetel de lançamento do livro e faço questão, de ter o primeiro exemplar!

    ResponderExcluir
  2. Realmente, a saga de Jonas é um excelente exemplo de boa leitura. Aliás como tudo o que escreve aqui. Mande mais....

    ResponderExcluir
  3. bem legal!

    www.h4ck3rik.com

    ResponderExcluir
  4. Olha, confesso que no inicio senti ate preguiça de ler, mas quando comecei, não conseguir largar os olhos antes de terminar. incrivel!

    Nossa, deveria escrever um livro.

    Menino, que conto bom. Mas começa por aí, teve "partes" anteriores?


    bjs

    ResponderExcluir
  5. nossaaaaaaaaaa vc escreve p caramba meu deus ahuahuah parabéns por toda essa coragem ahuahuahu

    ^^
    bjus

    ResponderExcluir
  6. Olá rapaz, vim aqui te agradecer o comentário e dizer que neste fds volto aqui para trazer-lhe um comentario decente, pois dia de semana é impossivel pra mim. abs!

    ResponderExcluir
  7. Nossa!!Post enormeeeeeeee, confesso que não li todo, só uns pedaçinhos, mas vou voltar pra ler na integra!

    sorry

    ResponderExcluir

Cuidado com sua postura ao comentar:
A responsabilidade pelas opiniões expostas nessa área é de de seus respectivos comentaristas, não necessariamente expressando a opinião da equipe do Pensamentos Equivocados.